Immanuel Kant | obras

Obras

  • Pensamentos sobre o verdadeiro valor das forças vivas (1747);
  • História geral da Natureza ou teoria do céu (1755)
  • Monodologia Física (1756);
  • Meditações sobre o Optimismo (1759);
  • A Falsa Subtileza das Quatro Figuras Silogisticas (1762);
  • Dissertação sobre a forma e os princípios do mundo sensível e inteligível (1770);
  • Crítica da Razão Pura (1781);
  • Prolegômenos para toda metafísica futura que se apresente como ciência (1783);
  • Ideia de uma História Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita (1784);
  • Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1785);
  • Primeiros princípios metafísicos da ciência natural (1786);
  • Crítica da Razão Prática (1788);
  • Crítica do Julgamento (1790);
  • A Religião dentro dos limites da mera razão (1793);
  • A Paz Perpétua (1795);
  • Doutrina do Direito (1796);
  • A Metafísica da Moral (1797);
  • Princípios metafísicos da doutrina do direito (1797);
  • Antropologia do ponto de vista pragmático (1798).

Referências

  1. Kuehn, Manfred. Kant: A Biography. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 222–223. Consultado em 1 de maio de 2018 
  2. Vanni Rovighi, Sofia, Introduzione allo studio di Kant, Roma, 1945, Core, Mori
  3. Immanuel Kant (em inglês) no Find a Grave
  4. "O criticismo kantiano" Arquivado em 21 de julho de 2011, no Wayback Machine. de G. Mayos. Tradução de Ricardo Henrique Carvalho Salgado e João Paulo Medeiros Araújo. Barcelona: EducaciOnline, 2008.
  5. a b Crítica da razão pura, Martin Claret/Cassier, Ernst, Kants Leben und lehre, Berlin, 1921.
  6. "O Iluminismo frente ao Romantismo no marco da subjetividade moderna" Arquivado em 21 de julho de 2011, no Wayback Machine. de G. Mayos (traduzido por Karine Salgado).
  7. a b c d PASCAL, G. O Pensamento de Kant. 4ª edição. Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2001.
  8. NASCIMENTO JUNIOR, A. F. Fragmentos da Presença do Pensamento Dialético na História da Construção das Ciências da Natureza. Revista Ciência & Educação, v. 6, n. 2, p. 119-139, 2000.
  9. a b c d e "VASCONCELOS, Vitor Vieira ; MARTINS JUNIOR, Paulo Pereira. A Teleologia e o Estudo das Ciências da Natureza Contribuições da Filosofia. Revista brasileira de educação ambiental (Online), v. 16, p. 59-77, 2011."
  10. KANT, I. Crítica da razão pura. 4ª ed. Prefácio à tradução portuguesa, introdução e notas: Alexandre Fradique MOURUJÃO. Tradução: Manuela Pinto dos SANTOS e Alexandre Fradique MOURUJÃO. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997, p. 30.
  11. a b SANGUIN, André Louis – Redescobrir o Pensamento Geográfico de Kant – Traduzido e Adaptado por Oswaldo Bueno Amorim Filho – Annales de Géographie, nº 576, pages134-151. Paris, Armand Colin, 1994.
  12. KANT Emmanuel – Géographie – Traduction de Michèle Cohen-Halimi, Max Marcuzzi et Valérie Seroussi – Ed. Aubier, Paris, 1999.
  13. a b DICKINSON, R. E.The Makers of Modern Geography. London, Routledge and KeganPaul, 1978.
  14. "VASCONCELOS, V.V. Evolução do Pensamento Geográfico. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. 2008. 135p."
  15. CLAVAL, P. A revolução pós-funcionalista e as concepções atuais da geografia. In: MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Org.) Elementos de epistemologia da geografia contemporânea. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná, 2002. p.11-43.
  16. GOMES, Paulo C. da C. O conceito de região e sua discussão. In: CASTRO, Iná E.; GOMES, Paulo C.; CORRÊA, Roberto L. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995, p. 49-76.
  17. Emmanuel Kant in Werke IV, coordenado por W. Weischedel, 1956, p. 777.
  18. Emmanuel Kant, Das Ende aller Dinge, cit. em Werke VI, coordenado por W. Weischedel, 1964, p. 190.
  19. Sidney Axinn, "Authority, and the French Revolution", Journal of the History of Ideas, Vol. 32, No. 3 (Jul. - Sep., 1971), pp. 423-432.