Carbúnculo | história
English: Anthrax

História

Pasteur, em 1881, realiza a vacinação de ovelhas.

O Bacillus anthracis foi descoberto por Louis Pasteur em 1879. Em 1881, Pasteur e seu auxiliar Charles Chamberland criaram e experimentaram uma vacina publicamente contra o carbúnculo. Pasteur vacinou 25 ovelhas e deixou outras 25 não vacinadas, e depois injectou todas com B.a nthracis. Todas as ovelhas vacinadas sobreviveram, e todas as não vacinadas morreram, constituindo um dos primeiros sucessos da vacinação.

Robert Koch, médico e cientista alemão, foi, em 1877, o primeiro a identificar a bactéria que causa a doença.[23]

Já houve diversos acidentes com o desenvolvimento do carbúnculo como arma biológica, pois requerem mínimos equipamentos e são fáceis de conseguir. Dezenas de pessoas nos EUA e Rússia já foram vítimas de ataques com antraz.[24]

Ataques biológicos

Carta enviada contendo esporos de carbúnculo.

Os esporos da bactéria podem ser usados em ataques bélicos. Os membros do exército dos Estados Unidos são vacinados rotineiramente antes de partirem em serviço para zonas do mundo onde um ataque biológico é considerado uma ameaça. A vacina do carbúnculo, produzida pela BioPort Corporation, não contém a bactéria viva e consegue prevenir a doença em 93% dos casos.

O carbúnculo pode ser facilmente obtido a partir de animais que morreram da doença. O antraz é raro nos países desenvolvidos, mas comum nos subdesenvolvidos. A cultura de esporos de carbúnculo é extremamente fácil. Um estudante de microbiologia pode fazê-lo com equipamentos muito simples. Mas a produção de carbúnculo sob a forma de aerossol, a forma mais apropriada para a guerra biológica, necessitaria de equipamentos sofisticados e pessoal altamente qualificado.

Durante os ataques com carbúnculo nos EUA em 2001 esporos de antraz de alta virulência foram introduzidos sob a forma de pó em envelopes enviados a várias figuras públicas nos EUA. Houve vários casos de doença, e o governo americano viu-se obrigado, por prevenção, a encomendar grandes doses de ciprofloxacina. Os terroristas ainda são desconhecidos.

Referências

  1. a b c d e f g «Symptoms». CDC. 23 de julho de 2014. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2016 
  2. a b «Basic Information What is anthrax?». CDC. 1 de setembro de 2015. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 17 de maio de 2016 
  3. a b c d «Who Is At Risk». CDC. 1 de setembro de 2015. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2016 
  4. a b «Diagnosis». CDC. 1 de setembro de 2015. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2016 
  5. a b c d e f g Hendricks, KA; Wright, ME; Shadomy, SV; Bradley, JS; Morrow, MG; Pavia, AT; Rubinstein, E; Holty, JE; Messonnier, NE; Smith, TL; Pesik, N; Treadwell, TA; Bower, WA; Workgroup on Anthrax Clinical, Guidelines (fevereiro de 2014). «Centers for disease control and prevention expert panel meetings on prevention and treatment of anthrax in adults». Emerging Infectious Diseases. 20 (2). 3901462Acessível livremente. 24447897. 10.3201/eid2002.130687 
  6. a b «Treatment». CDC. 14 de janeiro de 2016. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2016 
  7. a b c d «Anthrax». FDA. 17 de junho de 2015. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 7 de maio de 2016 
  8. a b Anthrax: Global Status. [S.l.]: GIDEON Informatics Inc. 2016. p. 12. ISBN Cópia arquivada em 10 de setembro de 2017 
  9. «Types of Anthrax». CDC. 21 de julho de 2014. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2016 
  10. a b c d «How People Are Infected». CDC. 1 de setembro de 2015. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2016 
  11. a b c Turnbull, Peter (2008). Anthrax in humans and animals (PDF) 4 ed. Geneva, Switzerland: World Health Organization. pp. 20, 36. ISBN (PDF) em 30 de novembro de 2016 
  12. Schlossberg, David (2008). Clinical Infectious Disease. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 897. ISBN Cópia arquivada em 10 de setembro de 2017 
  13. «Anthrax». CDC. National Center for Emerging and Zoonotic Infectious Diseases. 26 de agosto de 2009. Consultado em 14 de maio de 2016. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2016 
  14. Cherkasskiy, B. L. (1999). «A national register of historic and contemporary anthrax foci». Journal of Applied Microbiology. 87 (2): 192–195. 10475946. 10.1046/j.1365-2672.1999.00868.x 
  15. http://www.amse.es/index.php?option=com_content&view=article&id=164:carbunco-epidemiologia-y-situacion-mundial&catid=42:inf-epidemiologica&Itemid=50
  16. http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/spanish/ency/esp_imagepages/19057.htm
  17. a b c http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/spanish/druginfo/meds/a607013-es.html
  18. http://emergency.cdc.gov/agent/anthrax/faq/treatment.asp
  19. PERRET P, Cecilia et al. Ántrax (Carbunco). Rev. chil. infectol. [online]. 2001, vol.18, n.4 [citado 2014-08-14], pp. 291-299 . Disponible en: <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0716-10182001000400008&lng=es&nrm=iso>. ISSN 0716-1018. http://dx.doi.org/10.4067/S0716-10182001000400008.
  20. «Degelo na Sibéria pode resgatar uma das doenças mais letais da História». 19 de agosto de 2016. Consultado em 19 de agosto de 2016 
  21. «Menino morre por antraz na Rússia» 
  22. «Surto de antraz deixa 20 infectados e um morto na Rússia» 
  23. Madigan M; Martinko J (editors). (2005). Brock Biology of Microorganisms 11th ed. [S.l.]: Prentice Hall. ISBN 0-13-144329-1 
  24. Michael C. Fishbein. "Anthrax – From Russia with Love". Infectious Diseases: Causes, Types, Prevention, Treatment and Facts. MedicineNet.com. Retrieved 13 August 2008.