Albert Einstein | ver também

Ver também

Notas

  1. Conforme relatado por Karl Kruszelnicki, em Great Mythconceptions: The Science Behind the Myths, p. 20, no último ano de Einstein na escola em Aargau, o sistema de notas, que pontuava entre 1 e 6, foi invertido: se em anos anteriores a 1896 a nota 1 era a maior e a nota 6 a pior, a partir desse ano a nota 6 passou a ser a melhor. Como sua nota outrora estivera próxima de 1 em um sistema que ia de 1 a 6, surgiu o boato de que fora mau aluno na escola. Na verdade, sua nota próxima a 1 corresponderia, no novo padrão, a uma nota global de 4,91 em 6, uma nota nada ruim.[18][19]
  2. Abraham Pais, em seu livro Subtle is the Lord : The Science and the Life of Albert Einstein, cita as notas de Einstein em seu Matura da Escola Politécnica: alemão 5, italiano 5, história 6, geografia 4, álgebra 6, geometria 6, geometria descritiva 6, física 6, química 5, história natural 5, desenho (artístico) 4, desenho (técnico) 4.[21]
  3. Paul Arthur Schilpp, editor (1951). «Albert Einstein: Philosopher-Scientist, Volume II». Nova Iorque: Harper and Brothers Publishers (edição da Harper Torchbook) (em inglês): 730–746  Seus trabalhos não científicos incluem: About Zionism: Speeches and Lectures by Professor Albert Einstein (1930), "Why War?" (1933, coautoria de Sigmund Freud),The World As I See It (1934), Out of My Later Years (1950), e um livro sobre ciência para leitura geral, The Evolution of Physics (1938, coautoria de Leopold Infeld).
  4. Para uma discussão sobre a recepção da teoria da relatividade em todo o mundo, e as diferentes controvérsias que encontramos, veja os artigos de Thomas F. Glick, ed., The Comparative Reception of Relativity (Kluwer Academic Publishers, 1987), ISBN 90-277-2498-9.
  5. Em setembro de 2008, foi relatado que Malcolm McCulloch, da Universidade de Oxford, estava dirigindo um projeto de três anos para desenvolver aparelhos mais robustos que poderiam ser usados em locais com falta de eletricidade, e que sua equipe tinha completado um protótipo da geladeira de Einstein. Ele teria dito que a melhoria do projeto e alteração dos tipos de gases utilizados pode permitir que a eficiência do projeto seja quadruplicada.[174]

Referências

  1. Stern 2001, p. 89.
  2. Pais 1982, p. 37.
  3. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 332.
  4. Isaacson 2007, p. 22.
  5. Brian 1996, p. 1.
  6. a b Calaprice & Lipscombe 2005, p. 4.
  7. Stachel 2002, p. 59-61.
  8. Stern 2001, p. 91.
  9. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 6-8.
  10. Isaacson 2007, p. 23.
  11. Fölsing 1997, p. 30-31.
  12. Isaacson 2007, p. 53.
  13. Stachel 2008, vol. 1 (1987), doc. 5.
  14. Fölsing 1997, p. 36-37.
  15. Highfield & Carter 1993, p. 21, 31, 56–57.
  16. Fox & Keck 2004, p. 48.
  17. Fölsing 1997, p. 40.
  18. Stachel 2008, vol. 1, docs. 21-27.
  19. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 7.
  20. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 333.
  21. a b Pais 1982, p. 41.
  22. Stachel 2008 (1987), p. 29.
  23. Stachel 2008, vol. 1 (1987), doc. 67.
  24. Troemel-Ploetz 1990, p. 415–432.
  25. Stachel 2001, p. 209.
  26. Pais 1994, p. 1–29; Holton 1996, p. 177–193.
  27. Stachel 2002, p. 26–38, 39–55.
  28. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 55.
  29. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 21.
  30. Neffe 2007, p. 123.
  31. Wüthrich, Urs (11 de abril de 2015). «Die Liebesbriefe des untreuen Einstein» (em alemão). BZ Berner Zeitung. Consultado em 20 de maio de 2015. 
  32. Calaprice & Lipscombe 2005, p. xix.
  33. Mih 2000, p. 12.
  34. Fox & Keck 2004, p. 99.
  35. Stern 2001, p. 98.
  36. Renn & Schulmann 1992, p. 73-74, 78.
  37. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 22-23.
  38. Highfield & Carter 1993, p. 147.
  39. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 50.
  40. Pais 1982, p. 452; Highfield & Carter 1993, p. 216.
  41. Fox & Keck 2004, p. 51.
  42. Pais 1982, p. 47; Isaacson 2007, p. 63.
  43. a b Galison 2000, p. 355–389.
  44. Isaacson 2007, p. 79-84.
  45. Fölsing 1997, p. 82.
  46. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 39.
  47. Fox & Keck 2004, p. vi.
  48. a b Calaprice & Lipscombe 2005, p. 30.
  49. Stachel 2001, p. 35.
  50. Calaprice & Lipscombe 2005, p. xvi, 19.
  51. Shillady 2011, p. 35.
  52. Fox & Keck 2004, p. 174.
  53. Pais 1982, p. 48-150.
  54. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 68.
  55. Calaprice & Lipscombe 2005, p. xviii.
  56. Stern 2001, p. 101.
  57. Isaacson 2007, p. 164.
  58. Calaprice & Lipscombe 2005, p. xix.
  59. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 58.
  60. Fox & Keck 2004, p. 265.
  61. Andrzej 2003, p. 236.
  62. Pais 1982, p. 306-307.
  63. Pais 1982, p. 308.
  64. Earman & Glymour 1980, p. 49–85.
  65. a b Kennefick 2009, p. 37–42.
  66. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 19.
  67. Shillady 2011, p. 223.
  68. Hoffmann & Dukas 1972, p. 145–148.
  69. Fölsing 1997, p. 499–508.
  70. Rowe & Schulmann 2013, p. 194.
  71. Isaacson 2007, p. 307-308.
  72. Isaacson 2007, p. 308.
  73. a b c d Moreira & Passos Videira 1995
  74. a b c d e Tolmasquim 1996, p. 1-7.
  75. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 93.
  76. Isaacson 2007, p. 368.
  77. Isaacson 2007, p. 370.
  78. Isaacson 2007, p. 374.
  79. Fox & Keck 2004, p. 173.
  80. Chaplin 1964, p. 346–347.
  81. Chaplin 1964, p. 320.
  82. Chaplin 1964, p. 374.
  83. Chaplin 1964, p. 322.
  84. Isaacson 2007, p. 404; Fölsing 1997, p. 659.
  85. a b c d e Isaacson 2007, p. 407–410.
  86. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 104.
  87. Pais 1982, p. 450.
  88. Holton 1984, p. 18–24.
  89. Brian 1996, p. 249.
  90. Calaprice & Lipscombe 2005, p. xxi.
  91. Fox & Keck 2004, p. 187.
  92. Isaacson 2007, p. 422.
  93. Hoffmann & Dukas 1972, p. 165–171.
  94. Fölsing 1997, p. 666–677.
  95. Isaacson 2007, p. 419–420.
  96. Clark 1971, p. 619.
  97. Fölsing 1997, p. 649, 678.
  98. Fölsing 1997, p. 686–687.
  99. Clark 1971, p. 642.
  100. Fölsing 1997, p. 686-687.
  101. a b Calaprice & Lipscombe 2005, p. 111.
  102. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 107.
  103. Pais 1982, p. 495.
  104. Evans-Pritchard, Ambrose. «Obama could kill fossil fuels overnight with a nuclear dash for thorium» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 2 de março de 2013. 
  105. Isaacson 2007, p. 630; Pais 1982, p. 490.
  106. Lanouette & Silard 1992, p. 199.
  107. Galison, Holton & Schweber 2008, p. 75.
  108. Lanouette & Silard 1992, p. 198–200.
  109. Margulies & Squassoni 2009, p. 4.
  110. Diehl & Moltz 2008, p. 218.
  111. Mih 2000, p. 51.
  112. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 110.
  113. Clark 1971, p. 752.
  114. Brian 1996, p. 321.
  115. Isaacson 2007, p. 432.
  116. Schweber 2008, p. 87-88.
  117. Jerome & Taylor 2006, p. x.
  118. Jerome & Taylor 2006, p. 118-148.
  119. Jerome & Taylor 2006, p. 52.
  120. Isaacson 2007, p. 521-522.
  121. Isaacson 2007, p. 522.
  122. Fox & Keck 2004, p. 70.
  123. Neffe 2007, p. 402.
  124. a b Fox & Keck 2004, p. 70-71.
  125. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 339.
  126. Fox & Keck 2004, p. 37-38.
  127. Fox & Keck 2004, p. 39.
  128. Brian 1996, p. 437.
  129. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 151.
  130. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 97–118.
  131. Fox & Keck 2004, p. 260; Galison, Holton & Schweber 2008, p. 95.
  132. «Einstein papers». Instituut-Lorentz. Consultado em 8 de março de 2013. 
  133. a b «Scientific Background on the Nobel Prize in Physics 2011. The accelerating universe» (PDF). Fundação Nobel (em inglês). Página Oficial do Prêmio Nobel. 4 de outubro de 2011. Consultado em 2 de setembro de 2014. 
  134. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 25-26.
  135. Ashok 2003, p. 59.
  136. Spielberg & Anderson 1995, p. 263.
  137. Clark, Robert. "Uber die von der molekularkinetischen Theorie der Wärme gefordete Bewegung von in ruhenden Flüssigkeiten suspendierten Teilchen". The Literary Encyclopedia. Ed. Robert Clark, Emory Elliott and Janet Todd
  138. Major 2007, p. 142.
  139. Lindsay & Henry 1981, p. 330.
  140. Will 2005, p. 33-58.
  141. Talita Alves Dos Anjos. «O princípio da relatividade». Terra. Mundo Educação. Consultado em 13 de março de 2013. 
  142. O'Connor, J.J.; Robertson, E.F. (Maio de 1996). «General relativity». Escola de Matemática e Estatística (em inglês). Universidade St. Andrews. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  143. «Fundamental Ideas and Problems of the Theory of Relativity». Les Prix Nobel (em inglês). Página Oficial do Prêmio Nobel. Consultado em 3 de abril de 2013. 
  144. Pais 1982, p. 179-183.
  145. Stachel 2008, vol. 2: pp. 273-274.
  146. Pais 1982, pp. 194-195.
  147. Stachel 2001, p. vi, 15, 90, 131, 215.
  148. Pais 1982, p. 382–386.
  149. Fox & Keck 2004, p. 278-293.
  150. Goldsmith & Bartusiak 2008, p. 259.
  151. «Wilhelm Wien - Biography». The Nobel Foundation (em inglês). Página Oficial do Prêmio Nobel. Consultado em 24 de março de 2013. 
  152. Sommerfeld 1919
  153. Pais 1982, p. 522.
  154. Fox & Keck 2004, p. 44.
  155. Einstein & Stern 1913, p. 551.
  156. a b c Laidler 2001, p. 324.
  157. «Celebrating Einstein "Solid Cold"» (em inglês). Office of Scientific and Technical Information. 2011. Consultado em 19 de março de 2013. 
  158. Thomas Levenson. «Einstein: Genius Among Geniuses». Public Broadcasting Service. NOVA. Consultado em 28 de março de 2013. 
  159. Van Dongen 2010, p. 23.
  160. Fox & Keck 2004, p. vi.
  161. Hans-Josef Kuepper. «List of Scientific Publications of Albert Einstein» (em inglês). Einstein-website.de. Consultado em 12 de março de 2013. 
  162. a b Davidovich & Lifshitz 1951, capítulo: 11
  163. van Dongen 2010, p. 130.
  164. Moore 1989
  165. Stachel 2001, p. 523.
  166. Fox & Keck 2004, p. 34.
  167. Stachel 2001, p. 537.
  168. Fox & Keck 2004, p. 35.
  169. Calaprice & Lipscombe 2005, p. 143.
  170. Fox & Keck 2004, p. 36.
  171. Cramer, John G. (7 de dezembro de 1996). «Bose-Einstein Condensation, A New Form of Matter». Center for Experimental Nuclear Physics and Astrophysics (em inglês). Universidade de Washington. Consultado em 20 de janeiro de 2017. 
  172. Pais 1982, p. 490.
  173. Patente E.U.A. 1 781 541
  174. Alok, Jha (21 de setembro de 2008). «Einstein fridge design can help global cooling» (em inglês). The Guardian. Consultado em 26 de maio de 2013.. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2011 
  175. Ghose 2006, p. xi.
  176. Trautman 2006, p. 189.
  177. Einstein, Albert (maio de 1949). «Why Socialism?». Nova Iorque. Monthly Review (em inglês). 1 (1). Consultado em 30 de maio de 2013. 
  178. Rowe, David E.; Schulmann, Robert (8 de junho de 2007). «What Were Einstein's Politics?». Universidade George Mason. History News Network da Universidade George Mason (em inglês). Consultado em 30 de maio de 2013. 
  179. Clark 1971
  180. Isaacson 2007, p. 390.
  181. Brian, Denis (1996). Einstein: A Life. New York: J. Wiley, p. 344. Carta de Einstein em julho de 1949; cf. Michael Shermer 13 de dezembro de 2016
  182. «5 reflexões de cientistas sobre ateísmo e agnosticismo». Consultado em 20 de janeiro de 2017. 
  183. «Em carta inédita, Albert Einstein ataca Deus». Folha de S.Paulo. 25 de maio de 2008. Consultado em 8 de setembro de 2013. 
  184. «Carta que revela desdém de Einstein por religião vai a leilão». BBC. 13 de maio de 2008. Consultado em 8 de setembro de 2013. 
  185. Steiner 2005, p. 204.
  186. Galison, Holton & Schweber 2008, p. 161
  187. a b c Galison, Holton & Schweber 2008, p. 161–164.
  188. Fox & Keck 2004, p. 288-289.
  189. Neffe 2007, p. 304.
  190. Brian 1996, p. 187.
  191. Galison, Holton & Schweber 2008, p. 162.
  192. Cariaga, Daniel (22 de dezembro de 1985). «Not Taking It With You: A Tale Of Two Estates». Tribune Company (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 30 de maio de 2013. 
  193. «Relaxed Einstein signs for a fellow violinist before sailing to Germany for the last time» (em inglês). RR Auction. 13 de outubro de 2010. Consultado em 30 de maio de 2013. 
  194. Schweber 2008, p. 326.
  195. Fox & Keck 2004, p. 76.
  196. Jha, Alok (5 de abril de 2014). «E=mc2: Einstein's equation that gave birth to the atom bomb». The Guardian (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2016. 
  197. Zahar 2001, p. 41.
  198. Whittaker 1955, p. 37-67.
  199. McTee, Cindy. «Einstein's Dream for orchestra» (em inglês). Cindymctee.com. Consultado em 1 de junho de 2013. 
  200. Golden, Frederic (3 de janeiro de 2000). «Person of the Century: Albert Einstein» (em inglês). Time. Consultado em 1 de junho de 2013.. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2006 
  201. «Einstein the greatest». BBC (em inglês). BBC News. 19 de novembro de 1999. Consultado em 18 de fevereiro de 2013.