World Trade Center (1973–2001)

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja World Trade Center.
World Trade Center
World Trade Center, New York City - aerial view (March 2001).jpg

As torres gêmeas do World Trade Center em Março de 2001. Todos os edifícios do complexo podem ser vistos nesta foto.

História
Arquiteto
Minoru Yamasaki
Emery Roth & Sons
Engenheiro
Leslie E. Robertson Associates
Período de construção
1966-1973
Abertura
Demolição
Status
Uso
Comercial
Arquitetura
Material
Antena
526,3 m
Telhado
417,0 m
Altura do último andar
413,0 m
Altura
510 m, 527,9 mVisualizar e editar dados no Wikidata
Superfície
930 000 m² (1 & 2)
Pisos
220 (1 & 2)
Elevador
198 (1 & 2)
Administração
Contratante
Tishman Realty & Construction Company
Proprietário
Localização
Localização
Endereço
Coordenadas

O World Trade Center (WTC) original foi um grande complexo de sete edifícios na região de Lower Manhattan, Nova Iorque, Estados Unidos. O WTC original, caracterizado pelas marcantes "Torres Gêmeas", foi inaugurado em 4 de abril de 1973 com 110 andares, e destruído durante os ataques de 11 de setembro de 2001, juntamente com o World Trade Center 7. Os outros edifícios do complexo foram danificados nos ataques e suas ruínas foram então demolidas. No momento de sua conclusão, as Torres Gêmeas – o original World Trade Center 1, com 417 m (1.368 pés); e o World Trade Center 2, com 415,1 m (1.362 pés) – eram os prédios mais altos do mundo.  O local está sendo reconstruído com cinco novos arranha-céus e um memorial para as vítimas dos ataques. Até setembro de 2018, o One World Trade Center, o World Trade Center 4, o World Trade Center 7, o Memorial & Museu Nacional do 11 de Setembro, o World Trade Center 3 e a Estação World Trade Center (PATH) foram concluídas. O One World Trade Center, concluído em em 10 de Maio de 2013, se tornou o edifício mais alto da cidade de Nova Iorque e o mais alto do hemisfério ocidental, com 541 m (1.776 pés).

No momento da sua conclusão, o World Trade Center 1 (Torre Norte) e o World Trade Center 2 (Torre Sul) originais, conhecidos em conjunto como "Torres Gêmeas", eram um dos edifícios mais altos do mundo. Os outros edifícios incluídos no antigo complexo eram o WTC 3 (o Marriott World Trade Center), WTC 4, WTC 5, WTC 6 e WTC 7. Todos estes edifícios foram construídos entre os anos de 1975 e 1985. O custo da construção foi de 400 milhões de dólares (equivalentes a US $ 2,27 bilhões em 2018).[1] O complexo, localizado no coração do Distrito Financeiro de Nova York, tinha 1 240 000 metros quadrados de espaço para escritórios (1.340.000 pés quadrados).[2][3]

O World Trade Center passou por um incêndio em 13 de fevereiro de 1975,[4] um atentado a bomba em 26 de fevereiro de 1993[5] e um assalto a banco em 14 de janeiro de 1998.[6] Em 1998, a Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey decidiu privatizar o complexo, ao arrendar os edifícios para uma empresa privada gerenciar, escolhendo a Silverstein Properties em julho de 2001.[7] Na manhã de 11 de setembro de 2001, sequestradores membros da organização fundamentalista islâmica Al-Qaeda colidiram dois jatos Boeing 767 contra as Torres Gêmeas do complexo, em um ataque terrorista coordenado. Depois de queimar por 56 minutos, a Torre Sul (WTC 2) desmoronou, seguido depois de meia hora pela Torre Norte (WTC 1), resultando em 2.753 mortes.[8] Os escombros das torres, combinados aos incêndios que os destroços iniciaram em vários edifícios vizinhos, levou ao colapso parcial ou completo de todos os outros edifícios no complexo e causou danos maiores a dez outras grandes estruturas na zona próxima.

O processo de limpeza e recuperação no local do World Trade Center levou oito meses, durante os quais os restos dos outros edifícios foram demolidos. O complexo do World Trade Center foi reconstruído ao longo de mais de uma década. O local está sendo reconstruído com seis novos arranha-céus, enquanto um memorial para os mortos nos ataques e um novo centro de trânsito rápido foram abertos. O One World Trade Center é o principal edifício do novo complexo, alcançando mais de 100 andares.[9]

Antes do World Trade Center

A porção ocidental do local do World Trade Center estava originalmente sob o Rio Hudson, com a costa nas proximidades da Greenwich Street. Foi nesse litoral perto do cruzamento de Greenwich com a antiga Dey Street que o navio do explorador holandês Adriaen Block, o Tyger, incendiou-se na linha d'água em novembro de 1613, atropelando Block e sua equipe e obrigando-os a acampar na ilha. Eles construíram o primeiro assentamento europeu em Manhattan. Os restos do navio foram enterrados em aterros quando o litoral foi ampliado a partir de 1797 e descobertos durante o trabalho de escavação em 1916. Os restos de um segundo navio do século XVIII foram descobertos em 2010 durante o trabalho de escavação no local. O navio, que se acredita ser uma chalupa do rio Hudson, foi encontrado ao sul de onde as Torres Gêmeas costumavam ficar, a cerca de 6 metros abaixo da superfície.[10]

Mais tarde, a área se tornou a Radio Row. A Radio Row de Nova York, que existiu de 1921 a 1966, era um distrito de armazéns no Lower West Side, no Distrito Financeiro. Harry Schneck abriu a City Radio na Cortlandt Street em 1921, e eventualmente a área abrigou vários blocos de lojas de eletrônicos, com a Cortlandt Street como seu eixo central. Os rádios usados, os eletrônicos excedentes de guerra (por exemplo, os rádios ARC-5), o lixo e as peças muitas vezes empilhavam tão alto que se espalhavam pelas ruas, atraindo colecionadores e rebocadores. Segundo um escritor de negócios, também foi a origem do negócio de distribuição de componentes eletrônicos.[11]

A ideia de criar um World Trade Center (Centro Mundial do Comércio, em inglês) em Nova York foi proposta pela primeira vez em 1943. A Assembleia Legislativa do Estado de Nova York aprovou uma lei autorizando o governador de Nova York, Thomas E. Dewey, para começar a desenvolver planos para o projeto[12] mas os planos foram colocados em aguardo em 1949.[13] Durante o final dos anos 1940 e 1950, o crescimento econômico na cidade de Nova York estava concentrado na Midtown Manhattan. Para ajudar a estimular a renovação urbana na Lower Manhattan, David Rockefeller sugeriu que a Autoridade Portuária construísse um World Trade Center na Lower Manhattan.[14]

Planos de desapropriação para remover as lojas na Radio Row delimitada por Vesey, Church, Liberty e West Streets começaram em 1961, quando a Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey estava decidindo construir o primeiro centro comercial mundial. Eles tinham duas escolhas: o lado leste de Lower Manhattan, perto do South Street Seaport; e o lado oeste, perto da estação da H&M, o Terminal Hudson.[15] Os planos iniciais, tornados públicos em 1961, identificaram um local ao longo do East River para o World Trade Center.[16] Como uma agência de dois estados, a Autoridade Portuária exigiu a aprovação de novos projetos dos governadores de Nova York e Nova Jersey. O governador de Nova Jersey, Robert B. Meyner, objetou a Nova York a obtenção de um projeto de US$ 335 milhões.[17] No final de 1961, as negociações com a saída do governador de Nova Jersey, Meyner, chegaram a um impasse.[18]

O Radio Row em 1936, com a estação de Cortlandt Street ao fundo, como visto em uma fotografia por Berenice Abbott

Na época, o número de passageiros na Hudson e Manhattan Railroad (H&M) de Nova Jersey havia declinado substancialmente de 113 milhões de passageiros em 1927 para 26 milhões em 1958, depois que novos túneis e pontes de automóveis foram abertas no rio Hudson.[19] Em uma reunião em dezembro de 1961 entre o diretor da Autoridade Portuária, Austin J. Tobin, e o recém-eleito governador de Nova Jersey, Richard J. Hughes, a Autoridade Portuária se ofereceu para assumir a ferrovia Hudson & Manhattan. A Autoridade Portuária também decidiu transferir o projeto do World Trade Center para o canteiro de obras do Terminal de Hudson no lado oeste de Lower Manhattan, um local mais conveniente para os passageiros de Nova Jersey chegarem via PATH.[18] Com a nova localização e aquisição da Autoridade Portuária da H&M Railroad, Nova Jersey concordou em apoiar o projeto do World Trade Center.[20] Como parte do acordo, a Autoridade Portuária renomeou a H&M para "Autoridade Portuária Trans-Hudson (Port Authority Trans-Hudson)", ou PATH.[21]

Em compensação pelo deslocamento de proprietários de negócios da Radio Row, a Autoridade Portuária concedeu a cada empresa US$ 3.000 cada, sem levar em conta quanto tempo a empresa estava lá ou quão próspero era o negócio.[22] Após a área ter sido comprada para o World Trade Center em março de 1964,[23] a Radio Row começou a ser demolida a partir de março de 1965,[24] sendo completamente demolido em 1966.[25]

Também foi necessária a aprovação do prefeito da cidade de Nova York, John Lindsay, e da Câmara Municipal de Nova York. Desacordos com a cidade se concentraram em questões tributárias. Em 3 de agosto de 1966, chegou-se a um acordo para que a Autoridade Portuária fizesse pagamentos anuais à cidade, em vez de impostos, para a parte do World Trade Center alugada a inquilinos privados.[26] Nos anos subsequentes, os pagamentos aumentariam à medida que a taxa do imposto sobre imóveis aumentasse.[27]