Wilhelm Dilthey

Wilhelm Dilthey
Nascimento19 de novembro de 1833
Wiesbaden-Biebrich, Confederação Alemã
Morte1 de outubro de 1911 (77 anos)
Seis am Schlern, Áustria-Hungria
CidadaniaAlemanha
Irmão(s)Karl Dilthey
Alma materUniversidade de Heidelberg, Universidade Humboldt de Berlim
Ocupaçãofilósofo, historiador, psicólogo, teólogo, pedagogo, sociólogo, professor universitário, crítico literário
PrêmiosOrdem do Mérito para as Artes e Ciência
EmpregadorUniversidade de Breslávia, Universidade de Basileia, Universidade Humboldt de Berlim, Universidade de Kiel
Escola/tradiçãoHermenêutica
Principais interessesVerstehen, Teoria da literatura, Crítica literária, História intelectual, Ciências humanas, Círculo hermenêutico, Geistesgeschichte, Facticidade
Movimento estéticofilosofia ocidental

Wilhelm Christian Ludwig Dilthey (Wiesbaden, 19 de novembro de 1833 - Siusi allo Sciliar, Castelrotto, 1º de outubro de 1911)[1] foi um filósofo hermenêutico, , historiador, e pedagogo alemão. Dilthey lecionou filosofia na Universidade de Berlim. Considerado um empirista, o que contrastava com o idealismo dominante na Alemanha em sua época, mas sua concepção do empirismo e da experiência difere da concepção britânica de empirismo.

Seus principais conceitos procuram fundamentar as "ciências do espírito" (ciências humanas) como forma de conhecimento, em oposição às "ciências da natureza".[2] Para tal dialoga e aprofunda o pensamento de Kant, John Locke, Auguste Comte, Stuart Mill, Berkeley, Rudolf Hermann Lotze, entre outros. [3]

Biografia

Começou a frequentar a Universidade de Berlim em 1863. Diplomado com 24 anos, tornou-se professor da Universidade de Basileia. Durante esse período, sob influência do clima positivista que dominava a filosofia alemã, estudou a ótica de Helmholtz e a psicofísica de Fechner.

Seus gostos e sua curiosidade desenvolveram-se com rapidez: dirigiu-se para as pesquisas psicológicas e para estudos históricos e literários. Após lecionar nas universidades de Kiel e Bratislava, ocupou, em 1882, a cátedra de Lotze na Universidade de Berlim. Viveu nesse cidade até sua morte.

Em 1867 Dilthey havia publicado Vida de Schleiermacher e, em 1883, apareceu o primeiro volume de sua Introdução ao Estudo das Ciências Humanas. Nessa obra, o filósofo procurou assegurar uma independência de método às ciências do homem ou ciências do espírito. Essa distinção entre ciências da natureza e ciências do espírito teria enormes repercussões, causando polêmicas e discussões que perduram até hoje no pensamento filosófico.