Universidade do Minho

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Universidade do Minho
UMinho (ou UM)
LemaRes ipsas examinare:
versus est sciendi modus
Francisco Sanches
Fundação11 de agosto de 1973
Tipo de instituiçãoPública
LocalizaçãoBraga (Reitoria, Campus de Gualtar, Unidade de Arqueologia, Escola de Enfermagem), Guimarães (Campus de Azurém)
Funcionários técnico-administrativos610[1]
Reitor(a)Rui Vieira de Castro[2]
Vice-reitor(a)Rui Reis, Margarida Casal, Ricardo J. Machado, Manuela Martins
Docentes1.258[1]
Total de estudantes19.500[1]
Graduação12.500[1]
Pós-graduação5.000[1]
Doutorado2.000[1]
Orçamento anual106,5 milhões de euros (2014) [3]
Página oficialhttp://www.uminho.pt

A Universidade do Minho (UM, UMinho) foi fundada em Braga em 1973 e integrou-se no chamado grupo das "Novas Universidades" que vieram alterar o panorama do ensino superior em Portugal. Iniciou as suas actividades académicas em 1975/76. A universidade é governada por uma reitoria, composta por um reitor e um conselho geral, e cinco unidades internas que agrupam por áreas de intervenção as várias entidades internas.

"A UMinho constitui uma referência de ensino e aprendizagem de elevada qualidade, não apenas para as universidades Portuguesas, mas também Europeias e Mundiais. (…) A Comissão de Avaliação considera que a UMinho é um dos melhores exemplos na Europa na implementação da estrutura de Bolonha."[4]

Apesar de ser uma Universidade recente, desde o inicio, foi incutida à universidade toda a tradição académica milenar, de origem religiosa, da cidade de Braga, desde os trajes académicos, as festividades do enterro da Gata e o primeiro de Dezembro, e as bibliotecas da cidade. Em 2012, o jornal The Times coloca Universidade do Minho entre as 400 melhores academias do mundo.[5]

A partir de 13 de janeiro de 2016, tem o estatuto de fundação pública de direito privado. A Universidade passa a reger-se pelo direito privado, nomeadamente no que respeita à sua gestão financeira, patrimonial e do pessoal. Ao pessoal que atualmente trabalha na instituição “com relação jurídica de emprego público” está garantida a manutenção integral do seu estatuto jurídico, designadamente no que se refere à progressão na carreira. O governo determinou ainda que ao fim de um “período experimental de cinco anos” será feita uma “avaliação independente” da aplicação do regime fundacional mesmo. Em consequência desta avaliação, o Conselho Geral da Universidade “pode propor, justificadamente, o regresso da instituição ao regime não fundacional”. O executivo poderá decidir, no entanto, o regresso ao regime atual “durante o período experimental” se não se verificarem os “pressupostos que presidiram à adoção” do novo modelo.[6]

Na edição de 2017 do Ranking de Xangai, a instituição ficou classificada no intervalo [401-500], sendo a quinta universidade portuguesa naquela classificação, após a Universidade de Lisboa, a Universidade do Porto, a Universidade de Aveiro e a Universidade de Coimbra.[7]

Unidades Orgânicas de Ensino e Investigação

As Unidades Orgânicas de Ensino e Investigação são as unidades principais da Universidade, responsáveis pelo ensino e investigação associado às unidades de ensino. Encontram-se divididas por seis escolas e quatro institutos, e estes encontram-se ainda subdivididas por departamentos (trinta e um),[8] conforme as áreas do "saber". Existe ainda o departamento autónomo de arquitectura. Estas instituições são equivalentes às tradicionais faculdades portuguesas exceptuando que não possuem a gestão dos projectos de ensino.

Edifício da Reitoria da Universidade do Minho, no Largo do Paço, em Braga.

Unidades Orgânicas de Investigação

As Unidades Orgânicas de Investigação agrupam os Centros de Investigação independentes ou financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia do governo português, espanhol e marroquino

  • Ciências: Centro de Biologia Molecular e Ambiental, Centro de Física, Centro de Matemática, Centro de Química, Núcleo de Ciências da Terra, e Núcleo de Investigação Geológica, Ordenamento e Valorização de Recursos.
  • Ciências da Saúde: Instituto de Ciências da Vida e da Saúde.
  • Ciências Sociais: Centro de Investigação em Ciências Sociais, Centro em Rede de Investigação em Antropologia (com sede no ISCTE), Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade.
  • Direito: Centro de Investigação Interdisciplinar em Direitos Humanos, e Núcleo de Estudos de Direito das Autarquias Locais.
  • Economia e Gestão: Núcleo de Estudos em Administração e Políticas Públicas, Núcleo de Estudos em Gestão, Núcleo de Investigação em Ciência Política e Relações Internacionais, Núcleo de Investigação em Economia Europeia, Internacional e Industrial, Núcleo de Investigação em Microeconomia Aplicada, e Núcleo de Investigação em Políticas Económicas.
  • Educação: Centro de Investigação em Educação, e Centro de Estudos da Criança.
  • Engenharia: Biomaterials, Biodegradables and Biomimetics Research Group - integra o Laboratório Associado IBB, Centro Algoritmi, Centro de Ciências e Tecnologias da Computação, Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil, Centro de Engenharia Biológica - integra o Laboratório Associado IBB, Centro de Tecnologias Mecânicas e de Materiais, Centro de Território, Ambiente e Construção, Centro Interdisciplinar de Tecnologias da Produção e da Energia, Institute for Sustainability and Innovation in Structural Engineering, e Instituto de Polímeros e Compósitos - integra o Laboratório Associado I3N.
  • Humanidades: Centro de Estudos Humanísticos.
  • Psicologia: Centro de Investigação em Psicologia.
  • Outros Centros de Investigação: Centro de Engenharia de Sistemas de Produção, Centro de Estudos de Direito, Centro de Investigação em Formação de Profissionais de Educação da Criança, Centro de Investigação em Interfaces e Comportamento de Superfícies, Centro de Investigação em Promoção da Literacia e Bem-Estar da Criança, Núcleo de Investigação em Enfermagem, Núcleo de Investigação em Geografia e Planeamento, Núcleo de Investigação em Marketing e Estratégia, e Instituto de Estudos de Economia e Gestão.
UM - Polo de Gualtar

Unidades Culturais

As Unidades Culturais promovem a cultura não só no meio académico como também para toda comunidade.

Unidades de Apoio e Serviços

As Unidades de Apoio e Serviços reúnem todas as entidades de serviços e apoio à comunidade académica. Desde as bibliotecas internas, apoio social, serviços técnicos, transportes, relações públicas, entre outros e mesmo outras

Bibliotecas internas

A Universidade do Minho tem duas Bibliotecas principais, uma em cada Campus, perfazendo um total de livros superior a meio milhão. A Biblioteca da UM é também depositária das publicações da ONU e do INE, Instituto Nacional de Estatística.

Além desta, existe em cada Departamento e Escola/Instituto uma biblioteca especializada em livros infantis e de crianças.

Dentro do edifício sede da Escola de Economia e Gestão está sediado um Centro de Informação da União Europeia.

Unidades Diferenciadas

As Unidades Diferenciadas distinguem-se das restantes unidades por resultarem de parcerias com entidades externas à Universidade.