Tráfico de escravos para o Brasil

Quadro de Johann Moritz Rugendas (1802-1858) retratando o interior de um navio negreiro.

Tráfico de escravos para o Brasil refere-se ao período da história em que houve uma migração forçada de africanos para as colônias portuguesas da América, de meados do século XVI até meados do século XIX. Africanos, portugueses, holandeses, ingleses e brasileiros dominaram um comércio que envolveu a movimentação de mais de 3 milhões de pessoas.

Fases

Se dividiu em quatro fases:[1]

  1. Ciclo da Guiné (século XVI)
  2. Ciclo de Angola (século XVII): traficou bacongos, ambundos, benguelas e ovambos.
  3. Ciclo da Costa da Mina, hoje chamado Ciclo de Benim e Daomé (século XVIII - 1815): traficou iorubás, jejes, minas, hauçás, tapas e bornus.
  4. Tráfico ilegal, reprimido pela Inglaterra (1815-1851): nesse período, os traficantes de escravos, para fugir à fiscalização dos navios ingleses, passaram a buscar rotas alternativas ao tráfico tradicional do litoral ocidental africano: entre elas, a captura de escravos em Moçambique.[2]