Terra Nova

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a ilha canadense. Para a província, veja Terra Nova e Labrador. Para outros significados, veja Terra Nova (desambiguação).
Terra Nova
Terra Nova está localizado em: Canadá
Terra Nova
Localização no Canadá
49° N 56° O
49º N 56º O
Geografia física
PaísCanadá
LocalizaçãoOceano Atlântico
Ponto culminanteLewis Hills, 814 m
Área111 390  km²
Perímetro9 656  km
Geografia humana
População479538[1] ((2016))
Newfoundland map.png
Mapa da ilha da Terra Nova.

A ilha da Terra Nova (em inglês Newfoundland, em francês Terre-Neuve, em mi'kmaq Taqamkuk, em irlandês Talamh an Éisc, em inuttitut Kallunasillik / Ikkarumikluak[2]) encontra-se no noroeste do Oceano Atlântico. Juntamente com Labrador, forma a província canadense da Terra Nova e Labrador, e onde se encontra a maior parte da sua população.

A ilha está separada do continente americano pelo Estreito de Belle Isle e da Ilha do Cabo Bretão pelo Estreito de Cabot. Obstrui a foz do Rio de São Lourenço e dá origem ao golfo homónimo e maior estuário mundial. O território mais próximo é a coletividade ultramarina francesa de São Pedro e Miquelon.

Conta com uma área de 108.860 km², é a 16.ª maior do mundo, a 4.ª maior do Canadá e a 1.ª maior excluindo as ilhas do Norte. A capital provincial, São João da Terra Nova, está localizada na costa sudoeste da ilha e o Cabo da Esperança, a sul, é o ponto mais oriental da América do Norte, excluindo a Gronelândia.

De acordo com o censo de 2006, 57% dos inquiridos declaram ter ascendência britânica ou irlandesa. 43,2% declara ter pelo menos um parente inglês, 21,5% pelo menos um parente irlandês e 7% um parente de origem escocesa. Além do mais, 6,1% têm pelo menos um parente francês. A população total da ilha de acordo com o censo é de 479,105 habitantes.

Na área conhecida como Iceberg Alley, ao largo da costa da ilha, situa-se o ponto exato do afundamento do transatlântico RMS Titanic, em 1912. Entre 1882 e 1890, foi palco de 14 acidentes semelhantes. Após este acidente, um acordo internacional levou à formação da Patrulha Internacional do Gelo.[3]

História

A história da Terra Nova antes da sua colonização é algo obscura. Crê-se que os primeiros humanos tenham visitado a região há cerca de 10,000 anos, no sul de Labrador.[4][5] Sabe-se que estavam inseridos na cultura Arcaica Marítima, subsistindo da caça e pesca no subártico[6] e que deram lugar a grupos paleoesquimós (povos Dorset e Groswater;[7][8] posteriormente Índios Recentes — índios de Little Passage Complex[9]), antecessores dos Beothuk.[10] Provas arqueológicas da sua presença encontram-se em L'Anse Amour, no estreito de Belle Isle, por onde se crê que há 4000 anos tenham cruzado em direção à ilha da Terra Nova.[4] No entanto, a partir desse perídodo torna-se difícil certificar a presença dos povos índios e nórdicos na zona. Os vestígios dos primeiros são escassos,[11] e só com a chegada das primeiras expedições se pode reafirmar com convicção a sua presença.[12][13][14] Quanto aos segundos, a natureza dos relatos, de teor literário — sagas da Gronelândia e de Erik, o Vermelho — tornam complicado definir com precisão qual foi o primeiro ponto de contacto dos europeus com o continente americano. A hipótese de que a Terra Nova tenha sido o terceiro local avistado por Leif Ericson, Vinlândia,[15] foi contestada, sendo provável que este nome se referisse a uma área geográfica mais abrangente, de Anse-aux-Meadows para sul até ao Rio São Lourenço e Novo Brunswick.[16][17] A certeza existe, porém, de que o lugar de Anse-aux-Meadows foi estabelecido por viquingues,[18] e que quando os primeiros exploradores chegaram à ilha, os Beothuk eram os seus únicos habitantes.[13][14]

Terras descobertas por Caboto. Em Navigationi et viaggi de Giovanni Battista Ramusio (Veneza, 1583).

É em finais do século XV que se intensifica o contato com os europeus, que se deve sobretudo à corrida por encontrar um novo caminho marítimo para o Oriente, dando aso a várias expedições de ingleses, portugueses e franceses. A primeira visita do seu tipo à ilha pode ser atribuída a Giovanni Caboto, navegador genovês a serviço do rei Henrique VII de Inglaterra. A expedição parte de Bristol em 1497, apesar de nâo existir um consenso sobre o local exato por ele avistado.[19] Qualquer que seja o caso, o Reino de Portugal assevera à coroa inglesa o nulo direito desta à colonização da área, de acordo com o estipulado no Tratado de Tordesilhas.[20] Em resposta, acaba por patrocinar as expedições de João Álvares Fagundes e dos irmãos Gaspar e MIguel Corte Real em 1501 e 1502.[19][21] Estes mapearam a costa da então chamada Terra Nova dos Bacalhaos[22] numa tentativa malfadada de encontrar a Passagem do Noroeste.[23] Do ponto de vista português, isto traduziu-se numa hipótese futura de expansão do seu império para noroeste do Atlântico.[19] No entanto, a principal vantagem a ser obtida da potencial colonização, a pesca do bacalhau, poderia facilmente ser contornada através de trocas comerciais por outros recursos mais valiosos provenientes da Ásia e América. Assim, Portugal faz pouca questão de concretizar essa expansão. No entanto, e até à primeira metade do século XVI, ainda mantinha alguma influência na pesca do bacalhau.[23] Pela mesma altura, embarcações inglesas começam a frequentar os bancos de pesca da Terra Nova. A 5 de agosto de 1583, Sir Humphrey Gilbert reivindica a Terra Nova como a primeira colónia ultramarina inglesa, por Decreto Régio da rainha Isabel I de Inglaterra, estabelecendo officialmente as bases daquilo que mais tarde seria o Império Britânico[4].[24] É portanto considerada a mais antiga colónia britânica.[25]

Os emigrantes europeus deram origem a vários dialetos associados ao estabelecimento de povoados na ilha, nomeadamente às variedades de inglês e francês autóctonas. Até ao século XIX, era também lar às variedades próprias de gaélico escocês (particularmente pela área do Vale de Codroy) e, até ao século XX, de gaélico irlandês. Os topónimos das duas línguas são indicativas da ligação à pesca por parte dos imigrantes, com Eilean a' Trosg[26] (Ilha do Bacalhau) e Talamh an Éisc (Terra do Peixe) como nomes escoceses e irlandeses, respetivamente.