Telegrafia

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Samuel Morse
Esquema de funcionamento do telégrafo

A telegrafia foi inventada por Samuel Finley Breese Morse, nascido em 27 de abril de 1791, em Charlestown, Massachusetts, nos Estados Unidos.

História

Morse estudou na Universidade Yale, onde se interessou por eletricidade. Em 1832, durante uma viagem de navio, participou de uma conversa sobre o eletroímã, dispositivo ainda pouco conhecido. Em 1835 construiu finalmente seu primeiro protótipo funcional de um telégrafo, pesquisando-o até 1837, quando finalmente passou a dedicar-se inteiramente ao seu invento. Em meados de 1838, finalmente estava com um código de sinais realmente funcional chamado código Morse.

Conseguindo em 1843 recursos financeiros para seu invento através do Congresso norte-americano, em 1844, foi terminada a primeira linha telegráfica ligando Baltimore a Washington, DC, quando se deu a primeira transmissão oficial cuja mensagem foi: "What hath God wrought!" (Que obra fez Deus!)

A telegrafia foi muito utilizada pelas corporações militares, sendo que na Primeira Guerra Mundial o seu acesso ao uso civil foi dificultado.[1] A partir da Segunda Guerra Mundial passou a ser usada em paralelo com outras modalidades de transmissão como o SSB Single Side Band, atualmente utiliza-se o rádio pacote para comunicações criptografadas, mas o código Morse ainda continua sendo usado em NDB que são uma espécie de radiofarol utilizado na navegação aérea e marítima.

Também alguns satélites utilizam o código Morse para seu sinal de identificação e localização por telemetria.

Samuel Morse faleceu em 2 de abril de 1872, em Nova York.

Ainda hoje o código Morse é amplamente utilizado no mundo inteiro pelo radioamadorismo. Todos os dias milhares de "pontos e traços" cruzam os ares através das transmissões de milhares de entusiastas deste modo de emissão.

Na internet podemos encontrar softwares de treinamento de código Morse como o LCWO por exemplo.