Suspense

Disambig grey.svg Nota: Para o gênero cinematográfico, veja Thriller (gênero).
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e a coerência e o rigor deste artigo.

Suspense é um sentimento de incerteza ou ansiedade mediante as consequências de determinado fato, mais frequentemente referente à perceptividade da audiência em um trabalho dramático. Não é, porém, uma exclusividade da ficção, pode ocorrer em qualquer situação onde há a possibilidade de um grande evento ou um momento dramático, com a tensão como emoção primária mediante a situação.

Em uma definição mais ampla do suspense, tal emoção surge quando alguém está preocupado com sua falta de conhecimento sobre o desenvolvimento de um evento significativo; suspense seria, então, a combinação da antecipação com a lide da incerteza e obscuridade do futuro.

Narrativa de suspense

Toda ideia de suspense ou, mais precisamente, narrativa tensional,[1] não tem boa reputação no campo da literatura tradicional, considerada por alguns como um aspecto dinâmico do roteiro. Meir Sternberg,[2] em uma visão retórica-funcionalista, considera o suspense como um das vários componentes de interesse da narração. De acordo com ele, "a narração pode ser definida como a interação entre suspense/curiosidade/surpresa e o tempo de comunicação (em qualquer combinação, qualquer meio, qualquer manifesto ou forma latente)". Nas mesmas linhas funcionais, ele define a narrativa como um "discurso onde essa interação domina: a narratividade, então, ascende de um possível detalhe ou papel secundário, ao status de princípio regulador, o primeiro entre as prioridades de contar/ler". Nessa concepção, suspense pode ser o oposto de curiosidade, porque o primeiro precisa de uma narração cronológica (o interesse estando na obscuridade do futuro), enquanto o segundo cria mistério modificando a ordem de exposição dos eventos, na teleologia da narração.

Raphaël Baroni[1] usa o conceito mais generalizado de "narrativa tensional" para definir o tipo de ansiedade popular produzida por uma narração enigmática que adia ou estende a resolução, estressando através dos atos hesitantes e seus efeitos estéticos. Considerando a importância da tensão na dinâmica do enredo, pode-se considerar o recurso de intriga como essencial ao ato de configuração; ou o contrário, pode-se considerar que a construção de uma boa trama consiste na desfiguração da história por um narrador hesitante que quer transformar sua narrativa em um enigma.[1] Nessa visão, o roteiro enigmático pode contrastar com a narrativa clara e ordenada. De qualquer forma, no conceito amplo de narrativa de tensão, pode-se assumer que o suspense não é unicamente um recurso de ficção popular, de filmes de Hollywood ou de novelas policiais, mas também um aspecto fundamental da ficção tradicional, tanto quanto a forma de salientar as manifestações fenomenais. Suspense é um sentimento de medo assim como diz Edson Nobel José Paquissi que esta a estudar estes casos