Sociedade Literária do Rio de Janeiro

A Sociedade Literária do Rio de Janeiro foi uma entidade intelectual existente na cidade do Rio de Janeiro entre as últimas duas décadas do século XVIII[1][2]. Teve como membros o poeta Silva Avarenga (tido como o principal fundador) e Mariano Pereira da Fonseca, depois Marquês de Maricá. Seu fechamento e investigações posteriores tiveram a participação do poeta português Antonio Dinis da Cruz e Silva, então Desembargador e Chanceler da Relação no Rio de Janeiro [3].

  • história

História

A Sociedade Literária do Rio de Janeiro foi criada em 1786 por um grupo de intelectuais como, poetas, escritores e médicos, para debaterem novidades que chegavam de fora da então colônia portuguesa, como a Revolução Francesa, a federação dos Estados Unidos, as ideias do Iluminismo e assuntos científicos como eclipse lunar, alcoolismo, entre outros. Passado alguns anos, este grupo aumentou, fazendo parte agora professores, médicos, padres, advogados, marceneiros, sapateiros e ourives que discutiam idéias filosóficas e políticas de Rousseau e Voltaire, o que começou a preocupar as autoridades portuguesas da colônia.

Estas preocupações fizeram que o vice-rei, Conde de Resende ordena-se o fechamento da Sociedade em 1794, juntamente com uma devassa nas vidas dos seus associados[4][5]. Presos e investigados como conspiradores, nada foi provado e assim libertos. A atitude executada pelo vice-rei ficou conhecida como a Conjuração Carioca. Alguns dos ex-associados participaram, anos mais tardes, de importantes fatos históricos, como Conjuração Baiana ou a própria Independência do Brasil.

Referências

  1. Conjuração Carioca Portal EducaBrasil.org - acesso em 31 de janeiro de 2012
  2. Autos da Devassa – Prisão dos Letrados do Rio de Janeiro – 1794 Portal Web Letras - acesso em 31 de janeiro de 2012
  3. MONTEIRO,Clóvis - Esboços de história literária - Livraria Acadêmica - 1961 - Rio de Janeiro - pg. 104
  4. José Luiz de Castro IHP - Instituto Histórico de Petrópolis - acesso em 31 de janeiro de 2012
  5. Aspectos históricos da divulgação científica no Brasil Brasiliano - A divulgação científica no Brasil - acesso em 31 de janeiro de 2012