Sociedade Esportiva do Gama

Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde abril de 2018). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não acadêmico)
Gama
SE Gama logo.png
NomeSociedade Esportiva do Gama
AlcunhasVerdão
Gamão do Povão
Esquadrão Verde
Periquito Verde
Torcedor/AdeptoGamense
MascotePeriquito
Fundação15 de novembro de 1975 (43 anos)
EstádioEstádio Walmir Campelo Bezerra
Capacidade20.310 pessoas
LocalizaçãoGama, DF, Brasil
PresidenteBrasil Weber Magalhões
TreinadorBrasil Carlos Alberto Costa Dias
Material (d)esportivoSEG75 (Marca própria)
CompetiçãoCampeonato Brasiliense

Campeonato Brasileiro série D

Ranking nacionalBaixa 133º, 410 pontos
Website[1]
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

A Sociedade Esportiva do Gama é um clube de futebol brasileiro, sediado em Gama, no Distrito Federal. Fundado em 15 de novembro de 1975, o Gama tem como cores o verde e o branco e seus torcedores são denominados gamenses. O Gama apresenta a maior torcida do Distrito Federal, teve um ótimo período nos anos seguintes a sua fundação, entretanto, amargou nos anos 80 uma grave crise econômica e política. Nos anos 90, o clube renasceu nas mãos do presidente Carlos Antônio Macedo, do presidente de honra do Clube, Wagner Marques, e do presidente executivo, Agrício Braga Filho, que reestruturaram o clube trazendo muitos títulos, um deles sendo a conquista do Campeonato Brasileiro da Série B em 1998. Nos anos 2000, o Gama tem se mantido como um dos grandes clubes do Distrito Federal e nome frequente nas disputas pela Série B, porém, o retrospecto recente da equipe nos últimos anos não empolga, entre o final dos anos 2000 até atualmente, a equipe do Distrito Federal foi rebaixada e nunca mais retornou a Série B. Hoje, o Gama disputa vaga para disputar a última divisão do nacional.

História

Fundação

Fundado por um grupo de desportistas que costumava matar o tempo discutindo o futebol amador que fervilhava em Gama nos idos anos 70, o Boteco do Zé, no Setor Central de Gama, foi o palco do evento maior do futebol candango: a fundação da Sociedade Esportiva do Gama. Num domingo de sol -nenhum fundador sabe o dia exato-, um dos integrantes do grupo sugeriu a criação de um clube de futebol profissional que representasse o Gama no Campeonato Brasiliense. Os pioneiros, no dia 15 de novembro de 1975, lavraram a ata de fundação da Sociedade Esportiva do Gama, no Centro de Desenvolvimento Social. Entre os pioneiros, constam os nomes de Hermínio Ferreira Neves, Antônio Domingos de Aguiar, Antônio José Gonçalves, Luiz Alberto Brasil de Carvalho, Palmiro Bueno Nogueira Barros, Esmerindo Valeriano da Silva e Otacílio Nascimento de Freitas. Além destes, também participou o pioneiro Jaime do Santos, cujo nome não consta na ata devido ao fato de, na época, precisarem de nomes conhecidos. O time da SEG é oriundo do antigo time de futebol de Gama chamado de Mariano, e seu campo ficava onde hoje fica um edfício de apartamentos no setor central de Gama, defronte para a avenida que divide o setor de indústrias do setor central, em cujas arquibancadas de madeiras muitos torcedores viram um time pequeno mas de raça forte nascer. Era o campo da Associação Atlética Vila Maria, fonte inspiradora para seu fundadores.

Primeira assembleia

Por maioria de votos, Hermínio Ferreira Neves foi eleito o primeiro presidente do Gama. Nessa mesma assembleia foram escolhidas as cores oficiais, verde e branca, o escudo, simbolizando duas mãos segurando uma bola e o mascote: o periquito, um fiel amuleto que traz as cores da equipe estampadas em sua plumagem.

O Gama começou a disputar o campeonato de profissional em 1976. Faltava dinheiro até para comprar uniforme, bolas e chuteiras. "Vaquinhas" entre os diretores eram a salvação.

Primeiro título

No Distrito Federal havia o Torneio Incentivo antes de cada campeonato local, e foram juntamente estas as primeiras conquistas da Sociedade Esportiva do Gama vencendo as disputas de 1977 e 1978, mas o primeiro grande triunfo foi realmente o Campeonato Brasiliense de 1979.

Apesar da profunda penúria Osvando Pimentel de Lima, no início de 1979 assumiu a presidência e montou um grande escrete, onde despontavam Hélio, Carlão, Fantato, Manoel Ferreira,Robertinho, Kidão, Odair, Péricles, o artilheiro do campeonato com 10 gols, entre outros, comandados pelo "velho gênio" Martim Francisco que pegou o time classificado em quarto lugar no primeiro turno. Este time, montado por Almir Vieira, era sustentado com o dinheiro da promoção Gamão Milionário. O Gama foi campeão Metropolitano de 1979, desbancando o Brasília e impedindo o tetracampeonato do Colorado. Foi o melhor time do campeonato naquele ano e apontado, até hoje, como o melhor time de todas as épocas da Sociedade esportiva do Gama, tanto é que até hoje muitos torcedores sabem o time titular de cor.

Para festejar os 30 anos da conquista foi organizado um jogo entre as equipes masters do Gama 79 x Brasília 79, no dia 16/08/2009 e lançado um DVD intitulado "ESCRETE 79: os bastidores de uma conquista." produzido por Marcio Almeida, onde todo o elenco reunido assistiu ao vídeo no lançamendo do DVD no dia 15/11/2009 (aniversário de 34 anos do clube).

Elenco: goleiros - Hélio, Lúcio e Jaidan. zagueiros - Décio, Kidão, Kell, Manoel Silva. laterais: Carlão, Odair, Newton Carneirinho e Vado. meio campistas - Santana, Manoel Ferreira, Péricles, Júlio, Vicente, Zú. Atacantes - Robertinho, Roldão, Fantato, Niltinho, Cleiton, Tico e Careca.

Anos 80

A década de 80, apesar da conquista da Copa Centro-Oeste em 81, foi muito difícil para o Gama: turbulência política e econômica, fracasso da promoção Gamão Milionário, etc. Em função disto, as gestões de apenas 2 anos não eram completadas porque vários presidentes desistiram diante das imensas dificuldades. Foi uma década negra, havendo sérios riscos de dissolução do clube.

Anos 90

Em 1992 foi o início de uma nova fase, com destaque para uma muito bem-sucedida parceria entre o presidente então de honra do Clube, Wagner Marques, e o presidente executivo, Agrício Braga Filho. O otimismo e a determinação do clube transformaram o Gama no melhor time do Distrito Federal. Neste período, o clube conquistou o bicampeonato (1994 e 1995) tendo como técnico, no ano de 1994, Joel Martins e como Preparador Físico o Professor Paulo Sergio R. Penna Marinho, e o tricampeonato (1997, 1998 e 1999).

Uma célebre ala direita com Carlinhos e Chaguinha encantava a torcida durante o bi-campeonato e as experiências na terceira divisão. Depois disso, a base formada por jogadores como Alexandre, Wilson Goiano, Nen, Gérson, Jairo, Deda, Romualdo e Lindomar ajudou a fortalecer a melhor formação da história do time que seria base da equipe durante os anos na primeira divisão.

Série B 1998

A alegria maior do Gama aconteceu em dezembro de 1998, com a conquista do Campeonato Brasileiro Série B, que levou o clube para a elite do futebol brasileiro. Foi um título histórico, que coroou uma gloriosa campanha do time, principalmente na reta final da competição e teve como destaques o meia Rodrigo Beckham e o técnico Vágner Benazzi.

Na fase decisiva, o Gama superou, no quadrangular final, o Londrina, a Desportiva e o Botafogo-SP (venceu duas partidas e empatou quatro). No último jogo, diante de um público estimado em 50 mil pessoas, no Estádio Mané Garrincha, o alviverde goleou o Londrina por 3-0, e conquistou a Série B de 1998.

Depois da primeira divisão

O GAMA, ficou mundialmente famoso, quando em 1999, através do Advogado Paulo Goyaz, deu entrada numa ação civil publica, contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rede Globo, Clube dos Treze e FIFA, em 1999/2000, em face de um rebaixamento ilegal da Primeira Divisão do futebol Brasileiro. Houve uma mudança na jurisprudência nacional e internacional sob o entendimento de que o torcedor é consumidor do campeonato e não de uma simples partida, como era anteriormente. Feito este que teve repercussões internacionais, acabou gerando duas CPIs, a mudança das regras do Futebol e a criação do Estatuto do Torcedor, do qual participou ativamente na sua elaboração. Sendo que o GAMA foi e é o único time de futebol que jogou um campeonato por força de decisão judicial em todo o Planeta. Paulo Goyaz foi Vice-Presidente e Presidente da Sociedade Esportiva do Gama.

Após quatro temporadas na primeira divisão o Gama caiu em 2002 para a segunda divisão do Brasileirão. Na sequência em 2003, apesar de ter ganho o Candango de 2003, a equipe foi rebaixada para a terceira divisão. Porém, logo em 2004 foi vice-campeão da terceira divisão voltando à segundona do Brasileiro. Disputou a segunda divisão de 2005 a 2008, nunca conseguindo campanhas acima da média. Em 2008 foi rebaixado para a terceira divisão do campeonato brasileiro pela segunda vez em cinco anos.

Em 2010, o time além de fazer uma campanha ruim no Campeonato Candango, já na Terceira Divisão, o time fez uma campanha ridicula e não conseguiu evitar seu rebaixamento para quarta divisão perdendo seu último jogo para o Macaé por 2 a 1. O Gama foi rebaixado sem nenhuma vitória na competição, a campanha só não chegou a ser pior que a do São Raimundo do Pará que era até então o atual campeão da Quarta Divisão.

Em 2015, em uma campanha dolorosa e com apoio de sua apaixonada torcida, o Gama volta a ser campeão estadual depois de 12 anos. O alvi-verde do Centro-Oeste derrotou o Brasília na final, nas duas partidas, com placares de 1-0 e 3-0, fora que, o Gama voltou a ter um calendário no futebol nacional após 3 anos, já que conseguiu classificação a Série D do Campeonato Brasileiro.