Simbolismo

A morte do coveiro de Carlos Schwabe forma um compêndio visual dos temas fundamentais do simbolismo. Morte, anjos, neve e as poses vexatórias e dramáticas dos personagens.

Simbolismo é um movimento literário da poesia e das outras artes que surgiu na França, no final do século XIX, como oposição ao realismo, ao naturalismo e ao positivismo da época. Movido pelos ideais românticos, estendendo suas raízes à literatura, aos palcos teatrais, às artes plásticas. Não sendo considerado uma escola literária, teve suas origens de As Flores do Mal, do poeta Charles Baudelaire.[1][2]. Fundamentou-se principalmente na subjetividade, no irracional e na análise profunda da obra, a partir da sinestesia.

Etimologia

O termo "simbolismo" é derivado da palavra "símbolo", que por sua vez deriva de symbolum em latim, um símbolo de fé e symbolus, um sinal de reconhecimento, da língua grega clássica σύμβολον symbolon, um objeto cortado pela metade constituindo um sinal de reconhecimento.[3][4][5]