Setor de Normatização das Telecomunicações
English: ITU-T

  • o setor de normatização das telecomunicações (em inglês: telecommunication standardization sector, itu-t) é uma área da união internacional de telecomunicações (itu) responsável por coordenar padronizações relacionadas a telecomunicações.[1]

    no presente, o itu-t é uma agência intergovernamental que congrega mais de 700 organizações públicas e privadas de 191 países.[2]

    baseado em genebra na suíça, o itu-t surgiu em 1947 como um comitê especializado da organização das nações unidas (onu). em 1956 esse comitê ganhou status de organização, passando a ser denominado, em francês: comité consultatif international téléphonique et télégraphique (ccitt). em 1993, passou a ter a designação corrente, itu-t.[3]

    o itu-t cria recomendações que, após aprovadas pelos membros, são empregadas como referência para o desenvolvimento de soluções tecnológicas envolvendo redes e telecomunicações.[4]

    as recomendações do ccitt tem designações como x400, x500, x700, etc.[5]

    referências

  • ligações externas

O Setor de Normatização das Telecomunicações (em inglês: Telecommunication Standardization Sector, ITU-T) é uma área da União Internacional de Telecomunicações (ITU) responsável por coordenar padronizações relacionadas a telecomunicações.[1]

No presente, o ITU-T é uma agência intergovernamental que congrega mais de 700 organizações públicas e privadas de 191 países.[2]

Baseado em Genebra na Suíça, o ITU-T surgiu em 1947 como um comitê especializado da Organização das Nações Unidas (ONU). Em 1956 esse comitê ganhou status de organização, passando a ser denominado, em francês: Comité consultatif international téléphonique et télégraphique (CCITT). Em 1993, passou a ter a designação corrente, ITU-T.[3]

O ITU-T cria recomendações que, após aprovadas pelos membros, são empregadas como referência para o desenvolvimento de soluções tecnológicas envolvendo redes e telecomunicações.[4]

As recomendações do CCITT tem designações como X400, X500, X700, etc.[5]

Referências

  1. Acesso em: 29 dez. 2009.
  2. «Acesso em: 29 dez. 2009.». Consultado em 29 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2009 
  3. Acesso em: 29 dez. 2009.
  4. «Acesso em: 29 dez. 2009.». Consultado em 29 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 30 de setembro de 2007 
  5. Acesso em: 29 dez. 2009