Século XV
English: 15th century

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Milénios: primeiro milénio d.C. - segundo milénio d.C. - terceiro milênio d.C.
Séculos: Século XIV - Século XV - Século XVI

O Século XV foi o século do calendário Juliano de 1401 até 1500.

Na Europa, o século XV foi visto como a ponte entre o final da Idade Média e o início do Renascimento e da Idade Moderna. Muitos desenvolvimentos tecnológicos, sociais e culturais levaram a que várias nações do continente europeu dominassem o mundo nos séculos vindouros. Em termos religiosos, o papado romano foi dividido em dois durante várias décadas (Grande Cisma do Ocidente), uma crise que só terminou com o Concílio de Constança. A divisão da Igreja Católica e o surgimento do movimento Hussita são factores que mais tarde levariam à Reforma Protestante no século seguinte.

Constantinopla, actualmente conhecida como Istambul (capital da Turquia), então a capital do Império Bizantino, é conquistada pelos muçulmanos otomanos, marcando o fim do influente Império Bizantino, um evento que a maior parte dos historiadores marcam como o final da Idade Média e o começo da Idade Moderna.[1] Este evento forçou as potenciais comerciais europeias a procurar uma nova rota comercial para o extremo oriente, o que deu mais ímpeto ao que já começava a surgir como a Era dos Descobrimentos, que levaria ao descobrimento e mapeamento de todo o globo pelas potências europeias. Explorações realizadas pelos portugueses e pelos espanhóis levou à descoberta do continente americano e de uma rota, através do Cabo da Boa Esperança, até à Índia, isto na última década do século. Estas duas descobertas levaram aos impérios coloniais portugueses e espanhóis.

A queda de Constantinopla levou à migração de intelectuais gregos e muitos textos para Itália, enquanto Johannes Gutenberg inventava um mecanismo que cópia de textos, o que levou à Prensa Móvel. Estes dois eventos desempenharam importantes catalisadores para o desenvolvimento do Renascimento.[2][3]

A reconquista espanhola levou à queda do Emirado de Granada na Península Ibérica no final do século, terminando assim uma ocupação muçulmana na península que já durava à séculos.

A Guerra dos Cem Anos terminou com uma vitória decisiva dos franceses contra a Inglaterra. Problemas financeiros na Inglaterra depois desta conflito resultaram na Guerra das Rosas, uma série de conflitos dinásticos pelo trono de Inglaterra. Os conflitos terminaram com a derrota de Ricardo III por Henrique VII na Batalha de Basworth Field, estabelecendo a dinastia Tudor no poder.

Na Ásia, sob o Imperador Yongle, que mandou construir a Cidade Proibida e mandou Zheng He explorar o mundo além-mar, a o território da Dinastia Ming alcançou a sua extensão máxima. No médio-oriente e na Ásia central Tamerlane estabeleceu um grande império para tentar ressuscitar o Império Mongol.

Em África a expansão do Islamismo leva à destruição dos reinos cristãos da Nubia, sendo que no final do século apenas restava Alódia (que também colapsaria em 1504). O vasto Império Mali estava à beira do colapso, sob pressão do emergente Império Songhai.

No continente americano, tanto o Império Inca como o Império Asteca alcançaram o seu pico de influência e desenvolvimento.

  • invenções, descobertas e introduções
  • anos

Invenções, descobertas e introduções

  • O Renascimento surge, influenciando a filosofia, a ciência e a arte.
  • A Era dos Descobrimentos começa
  • A língua inglesa moderna surge a partir do inglês médio.
  • Bancos públicos
  • Enciclopédia Yongle
  • Alfabeto Hangul na Coreia
  • Whisky escocês
  • Hospitais psiquiátricos
  • Desenvolvimento da Prensa Móvel na Europa, dando início às impressões em série, por Johannes Gutenberg
  • Perspectiva Linear aperfeiçoada por Filippo Brunelleschi
  • Invenção do Cravo (instrumento musical)
  • Descoberta do continente americano por Colombo
  • Descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama