Rosa Magalhães

Rosa Magalhães
Nome completoRosa Lúcia Benedetti Magalhães
Nascimento8 de janeiro de 1947 (72 anos)
Rio de Janeiro
ResidênciaRio de Janeiro, RJ
Nacionalidadebrasileira
Ocupaçãocarnavalesca, artista plástica, cenógrafa, figurinista e professora

Rosa Lúcia Benedetti Magalhães, mais conhecida como Rosa Magalhães (Rio de Janeiro, 8 de janeiro de 1947), é uma professora, artista plástica, figurinista, cenógrafa e carnavalesca brasileira. É a maior detentora de títulos na era Sambódromo, sendo campeã em 1982 (antes do Sambódromo),1994, 1995, 1999, 2000, 2001 e 2013.

História

Vida pessoal

Filha do escritor e acadêmico Raimundo Magalhães Júnior, integrante do juri do primeiro desfile das escolas de samba, em 1932, e imortal da Academia Brasileira de Letras, e da autora teatral Lúcia Benedetti.

Formada em Pintura, pela Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro e em Cenografia, pela Escola de Teatro da Uni-Rio, foi também professora de Cenografia e Indumentária na Escola de Belas Artes da UFRJ e da Faculdade de Arquitetura Benett.

Início no carnaval e auge no Império Serrano

Sua participação no carnaval começou com o grupo que ajudou Fernando Pamplona e Arlindo Rodrigues no carnaval de 1971 do Salgueiro, juntamente com Maria Augusta, Lícia Lacerda e Joãosinho Trinta.

Depois desenhou figurinos para a Beija-Flor e trabalhou na Portela onde, em dupla com Lícia Lacerda, criou figurinos e alegorias para enredos desenvolvidos por Hiram Araújo.

Em 1982, Rosa e Lícia assumem pela primeira vez um carnaval, no Império Serrano, onde realizaram o famoso enredo campeão daquele ano "Bumbum Paticumbum Prugurundum".

Em 1984, a dupla é responsável pelo carnaval da Imperatriz Leopoldinense. Apesar da grande dificuldade financeira por que passava, a escola consegue se classificar em quatro lugar, empatada com o poderoso Salgueiro que festejava a volta de Arlindo Rodrigues. Por seu trabalho naquele ano, as duas receberiam o Estandarte de Ouro de personalidade. em 1987, ainda juntas, Rosa e Lícia assumem a Estácio de Sá que obtém grande sucesso com seu enredo "Tititi do sapoti".

O ano de 1988 marca o primeiro carnaval exclusivo de Rosa Magalhães, ainda na Estácio, com o enredo "O boi da bode". No ano seguinte, continuando na escola, a carnavalesca apresenta outro enredo de sucesso: "Um, dois, feijão com arroz". De volta ao Salgueiro, dessa vez como carnavalesca, conquista o terceiro lugar (1990) e o vice-campeonato (1991).

Anos de glórias na Imperatriz e saída conturbada

De 1992 a 2009 assumiu o carnaval da Imperatriz Leopoldinense onde ajudaria a escola a conquistar cinco de seus oito campeonatos, incluindo o primeiro tricampeonato da Era Sambódromo (1999, 2000 e 2001). Na Imperatriz Rosa realizaria carnavais inesquecíveis como "Marquês que é marquês do saçarico é freguês" (vice-campeã, 1993), "Catarina de Médicis na corte dos Tupinambôs e Tabajeres" (campeã, 1994), "Mais vale um jegue que me carregue que um camelo que me derrube, lá no Ceará" (campeã, 1995), "Leopoldina, Imperatriz do Brasil" (vice-campeã, 1996), "Quem descobriu o Brasil, foi seu Cabral, no dia 22 de abril, dois meses depois do carnaval" (campeã, 2000) e "João e Marias" (6º lugar, 2008) entre tantos outros.

Consagrando-se como a maior campeã do Sambódromo, com seis títulos conquistados, e uma das mais importantes artistas brasileiras contemporâneas. Sua saída da escola se deu sem muitas explicações, após 18 anos à frente dos desfiles da agremiação.

Mantendo escola na Elite e retorno às conquistas

No ano de 2010 assumiu o carnaval da União da Ilha com a intenção de mantê-la no Grupo Especial, o que aconteceu, tendo saído da escola poucas semanas após do carnaval.[1] Para 2011, assume o carnaval da Vila Isabel.[2]

Em 2013, Rosa conquista o campeonato do Grupo Especial com a Vila Isabel, que apresentou o enredo "A Vila canta o Brasil celeiro do mundo - água no feijão que chegou mais um...".[3] Depois de todas as comemorações do título e até noticias de que teria renovado seu contrato com a azul e branca de Noel, Rosa teve uma saída conturbada da escola[4], inclusive com boatos de dividas por partes da escola para com a carnavalesca. [5]

Jogos Olímpicos Rio 2016

Encerramento da Rio2016, que foi idealizado pela carnavalesca.

Rosa foi responsável pela Cerimônia de Encerramento das Olimpíadas de 2016, disputada no Rio de Janeiro. [6] O evento celebrou a cultura popular brasileira: samba, forró e frevo.

Atualmente

Rosa recebdo o Estandarte de Ouro de melhor enredo em 2015

Após a conquista de mais um título na Vila Isabel em 2013, Rosa foi especulada na São Clemente, na Portela, onde foi procurada por uma chapa que concorre a eleição[7]e até na Mocidade. Sendo que em grande sigilo a Mangueira, por meio de seu presidente eleito Chiquinho da Mangueira confirmou Rosa como carnavalesca da escola.[8][9]

Além de atuar na Mangueira Rosa foi confirmada como carnavalesca da escola de Samba paulistana Dragões da Real para elaborar o desfile de 2014.[10] E ainda em setembro de 2013 fora convidada para desenvolver, junto a uma comissão, o enredo da Unidos de Lucas, sobre sua mãe, Lúcia Benedetti. Por uma incompatibilidade de agendas, designou seu assistente Mauro Leite para a elaboração do projeto alegórico da vermelho e amarelo da Zona Norte, ainda que sob sua supervisão.

Após não lograr êxito nas escolas em que trabalhou em 2014, Rosa decidiu afastar-se de ambas e pensou, até mesmo, na aposentadoria[11][12], mas por fim, acertou com a São Clemente onde tem como objetivos afastar a sina de "iô-iô", levar a escola ao desfile das campeãs e torna-la de fato uma grande escola do carnaval carioca.[13][14]

Abertura dos Jogos Pan-Americanos de 2007, que foi idealizado pela carnavalesca e onde levou o Prêmio Emmy, por esta cerimônia.

Em seu primeiro desfile pela Amarela e Preta da Zona Sul, o objetivo de Rosa de livrar a escola do rotulo de escola "iô-iô" foi alcançado com exito, tendo em vista que segundo a critica especializada e o público em geral o desfile de 2015 foi o melhor da escola em toda sua história e um dos melhores do carnaval, tendo inclusive sido premiado com o Estandarte de Ouro de Melhor Enredo e o premio de 'Melhor Escola' pelo Portal SRZD. Ao final da apuração, a escola obteve a oitava colocação, ainda que para muitos merecesse uma vaga no sábado das campeãs.[15][16]

Para 2016, de contrato renovado com a São Clemente, Rosa aposta em um enredo critico e irreverente para colocar a escola entre as seis melhores do carnaval. O título do enredo é "Mais de Mil Palhaços No Salão".

Para 2017, renovou com a São Clemente e fez um carnaval intitulado "Onisuáquimalipanse" sobre a história de corrupção que levou à construção do Palácio de Versailles. O título do enredo foi uma brincadeira com a expressão "Honit sois qui mal y pense", traduzida livremente como "Envergonhe-se quem pensar mal disso".

Para o carnaval de 2018, Rosa foi contratada pela Portela, aonde desenvolveu o enredo "De repente de lá pra cá e dirrepente daqui pra lá", que pretende contar a história de judeus e europeus que se estabeleceram na cidade do Recife (PE) holandês no século XVII e que, anos depois, foram expulsos pelos portugueses, ajudaram a fundar a cidade de Nova York.

Em 2019, ainda na Portela, coloca na avenida um enredo sobre Clara Nunes e o bairro de Madureira" entitulado: Na Madureira Moderníssima, hei sempre de ouvir cantar um sabiá". A escola de Oswaldo Cruz e Madureira, fez um belo desfile, ficando no 4° lugar. No dia 12 de Março, no entanto, a Portela anuncia o desligamento da carnavalesca, com elogios e gratidão de ambas as partes.