Rodolfo Agrícola

Rodolfo Agrícola
Retrato de Rudolph Agricola por Lucas Cranach, o Velho
Nascimento17 de fevereiro de 1444
Baflo
Morte27 de outubro de 1485 (41 anos)
Heidelberg
Nacionalidade Países Baixos
OcupaçãoHumanista, escritor, erudito

Rodolfo Agrícola também Rudolph(us) Agricola, na verdade: Roelof Huesman , (Baflo, 17 de fevereiro de 1444 (ou 23 de agosto de 1443) – Heidelberg, 27 de outubro de 1485) foi um humanista pré-Erasmo do norte dos Países Baixos, famoso por seu domínio do latim e um dos primeiros ao norte dos Alpes a saber bem o grego. Até o fim de sua vida, Agrícola foi: erudito em hebraico, educador, músico e construtor de um órgão de igreja, poeta, com trabalhos em latim, bem como na sua língua vernacular, diplomata e praticante de uma modalidade esportiva que assemelha-se ao boxe. Atualmente, é mais conhecido como o autor da De inventione dialectica, como o pai do Humanismo no norte da Europa e como um zeloso anti-escolástico do final do século XV.

Biografia

Nascido em Baflo, próximo a Groningen, Agrícola originalmente chamava-se Roelof Huesman. Educado inicialmente pela célebre escola de São Martinho, em Groningen, matriculou-se nas universidades de Erfurt (em 1458) e Louvain (em 1465), onde ganhou notoriedade pela pureza do seu latim e sua habilidade nos debates acadêmicos (disputationes). Concentrou seus estudos em Cícero e Quintiliano, e durante seus anos de universidade adicionou o francês e o grego na sua crescente lista de idiomas. No final de sua vida, aprendeu hebraico, a fim de ser capaz de ler o Antigo Testamento, e especialmente o Livro de Salmos não adulterados pela tradução.

Na década de 1460, Agrícola viajou para a Itália, onde se associou aos mestres humanistas e estadistas. De 1468 (?) até 1475, estudou Direito civil na Universidade de Pavia, e depois foi para Ferrara (1475-1479), onde tornou-se o protegido do Príncipe d'Este de Ferrara. Foi aluno de Teodoro Gaza e frequentou as aulas do famoso Giovanni Battista Guarini. Dedicou-se inteiramente ao estudo dos textos clássicos. Ganhou notoriedade pela elegância de seu estilo de latim e seu conhecimento de filosofia. Além disso, enquanto esteve em Ferrara, foi formalmente empregado como organista da capela ducal, que era um dos estabelecimentos musicalmente mais opulentos da Europa. Manteve este posto até 1479, quando retornou ao Norte para assumir a secretaria da cidade de Groningen. Ali na abadia cisterciense de São Bernardo, em Aduard, próximo a Groningen, e em 's-Heerenberg, perto de Emmerich am Rhein, no sudeste, Agrícola estava no centro de um grupo de acadêmicos e humanistas, com quem manteve uma correspondência animada. Entre seus correspondentes estão os músicos e maestro de Antuérpia, Jacobus Barbirianus (Barbireau), Alexander Hegius von Heek, reitor da escola de latim em Deventer, e o estudioso humanista e mais tarde, famoso estudante de hebraico, Johannes Reuchlin.

Em 1470, Agrícola ensinou a uma criança surda como se comunicar oralmente e por escrito. De inventione dialectica documenta este esforço pioneiro de ensino.

Novamente na Alemanha, Agrícola passou algum tempo em Dillingen, onde continuou a se corresponder com amigos humanistas e colegas de toda a Europa, promovendo o interesse no seu projeto para promover o estudo da cultura clássica e os studia humanitatis. Permaneceu sendo um acadêmico independente, sem vínculos com nenhuma instituição universitária ou religiosa. Essa independência tornou-se uma marca registrada dos humanistas. Foi em Dillingen, em 1479, que Agrícola completou seu De inventione dialectica (Sobre a Dialética da Invenção), que defendeu a aplicação precisa dos loci na argumentação científica.

Em 1481, Agrícola passou seis meses em Bruxelas, na corte do arquiduque Maximiliano (mais tarde, Maximiliano I, o Sacro Imperador Romano). Os amigos tentaram dissuadi-lo de aceitar o patrocínio do arquiduque; eles temiam que a influência do arquiduque prejudicasse seus ideais filosóficos. Ele também recusou a oferta para tornar-se chefe de uma escola de latim na Antuérpia.

Em 1484, mudou-se para Heidelberg a convite de Johann von Dalberg, bispo de Worms. Os dois haviam se conhecido em Pavia, e se tornaram grandes amigos em Heidelberg. O bispo era um generoso benfeitor do ensino. Nessa época Agrícola começou a estudar hebraico, e disse ter publicado uma tradução original do Livro dos Salmos. Em 1485, Dalberg foi enviado para Roma como embaixador do Papa Inocêncio VIII. Agrícola acompanhou-o e ficou gravemente enfermo durante a viagem.

Morreu pouco depois de seu retorno a Heidelberg. Ermolao Barbaro escreveu um epitáfio para ele.[1]