Ricardo III de Inglaterra

Disambig grey.svg Nota: ""Ricardo III"" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Ricardo III (desambiguação).
Ricardo III
Rei da Inglaterra e Lorde da Irlanda
Rei da Inglaterra
Reinado26 de junho de 1483
a 22 de agosto de 1485
Coroação6 de julho de 1483
Antecessor(a)Eduardo V
Sucessor(a)Henrique VII
 
EsposaAna Neville
DescendênciaEduardo de Middleham
CasaIorque
Nascimento2 de outubro de 1452
 Castelo de Fotheringhay, Northamptonshire, Inglaterra
Morte22 de agosto de 1485 (32 anos)
 Batalha de Bosworth Field, Leicestershire, Inglaterra
Enterro26 de março de 2015
Catedral de Leicester, Leicester, Leicestershire, Reino Unido
PaiRicardo, 3.° Duque de Iorque
MãeCecília Neville
ReligiãoCatolicismo
AssinaturaAssinatura de Ricardo III

Ricardo III (2 de outubro de 145222 de agosto de 1485) foi o Rei da Inglaterra de 1483 até sua morte (1485). Ele foi o último rei da Casa de Iorque e o último da dinastia Plantageneta. Sua derrota na Batalha de Bosworth Field, confronto decisivo da Guerra das Rosas, é algumas vezes considerada como o fim da Idade Média na Inglaterra. De acordo com Silveira (2012: p. 109): os súditos dos Tudors gostavam de considerar que a Idade Média chegou ao seu fim em 1485, e que uma nova era amanheceu com a ascensão com Henrique Tudor".

Ricardo foi nomeado Lorde Protetor de seu sobrinho de doze anos, Eduardo V, quando seu irmão Eduardo IV morreu em abril de 1483. Enquanto o jovem príncipe viajava de Ludlow a Londres, Ricardo se encontrou com ele e o levou até seus alojamentos na Torre de Londres. Arranjos foram feitos para a coroação de Eduardo, Príncipe de Gales, em 22 de junho de 1483, porém, pouco antes, o casamento de seu pai com sua mãe Isabel Woodville foi declarado inválido, transformando seus filhos em ilegítimos e inaceitáveis para o trono. Em 25 de junho, uma reunião de lordes e comuns apoiou as afirmações. Ricardo tomou o trono no dia seguinte, sendo coroado em 6 de julho. Eduardo V e seu irmão Ricardo de Shrewsbury nunca mais foram vistos depois de agosto, com várias acusações circulando que as crianças foram assassinadas com ordens do rei, gerando a lenda dos Príncipes da Torre.

Houve duas grandes rebeliões contra Ricardo. A primeira, em outubro de 1483, foi liderada por aliados de Eduardo IV e por Henrique Stafford, 2.º Duque de Buckingham, antigo aliado e primo de Ricardo. A revolta falhou e Stafford foi executado em Salisbury. Outra rebelião contra o rei começou em agosto de 1485, liderada por Henrique Tudor e seu tio Jasper Tudor. Henrique partiu de Pembrokeshire com um pequeno contingente de tropas francesas, marchando pelo País de Gales recrutando soldados e arqueiros. Ricardo III morreu na Batalha de Bosworth Field, fazendo dele o último e único rei inglês a morrer em batalha dentro da Inglaterra desde Haroldo II na Batalha de Hastings em 1066.

Por causa das circunstâncias de sua ascensão e as consequências da vitória de Henrique Tudor, que se transformou em Henrique VII, o corpo de Ricardo III foi enterrado sem nenhuma pompa e ficou perdido por mais de cinco séculos. Em 2012, uma escavação arqueológica foi conduzida em um estacionamento na cidade de Leicester usando um radar de penetração no solo, local anteriormente ocupado pelo mosteiro Greyfriars. A Universidade de Leicester confirmou em fevereiro de 2013 que o esqueleto encontrado nas escavações era, além de qualquer dúvida razoável, de Ricardo III. Essa conclusão foi baseada na combinação de evidências de datação por radiocarbono, comparação com relatos contemporâneos de sua aparência e comparação de seu DNA mitocondrial com descendentes de sua irmã Ana de Iorque.

Início de vida

Ricardo nasceu no Castelo de Fotheringhay, o décimo segundo filho de Ricardo Plantageneta, 3.° Duque de Iorque (grande reivindicante ao trono de Henrique VI) e Cecília Neville. Ricardo passou vários anos de sua infância no Castelo de Middleham em Wensleydale, Yorkshire, sob a tutelagem de Ricardo Neville, 16.º Conde de Warwick. Enquanto passava seu tempo na propriedade de Warwick, Ricardo desenvolveu uma grande amizade com Francisco Lovell, que permaneceria seu amigo pelo restante da sua vida. Outra criança na criadagem de Warwick era sua filha Ana Neville, futura esposa de Ricardo.

Após a morte de seu pai e do seu irmão Edmundo, Conde de Rutland, em 1450 na Batalha de Wakefield, Ricardo foi enviado por sua mãe junto com o irmão Jorge para os Países Baixos.[1] Eles voltaram para a Inglaterra após a derrota dos Lencastre na Batalha de Towton, participando da coroação do irmão mais velho como Eduardo IV em 1461. Nessa época, Ricardo foi nomeado Duque de Gloucester além de entrar para a Ordem da Jarreteira e Ordem do Banho. Ele então foi enviado para a propriedade de Warwick para seu treinamento de cavaleiro. Ricardo ficou em Middleham, com algumas interrupções, até 1465, quando tinha doze anos.[2] Durante sua adolescência ele desenvolveu escoliose idiopática.[3]

Ricardo se envolveu nas políticas da Guerra das Rosas desde cedo. Eduardo o nomeou em 1464 como o único Comissário da Matriz para os Condados do Leste, então com apenas onze anos. Aos dezessete anos, Ricardo já tinha um comando independente.[4]

Ricardo e Eduardo fugiram para Borgonha em outubro de 1470 depois de Warwick deserdar para o lado de Margarida de Anjou, esposa de Henrique VI. Pela segunda vez em sua vida, ele procurou refúgio nos Países Baixos, na época parte do Ducado de Borgonha. Em 1468, Margarida de Iorque, irmã de Ricardo, havia se casado com Carlos, Duque da Borgonha, assim eles podiam esperar uma boa recepção. Apesar de ter apenas dezoito anos, Ricardo teve papéis importantes nas batalhas de Barnet e Tewkesbury, resultando na restauração de Eduardo em 1471.[5]