Recife

Disambig grey.svg Nota: Para a formação rochosa, veja arrecife.
Município do Recife
"Veneza Brasileira"
"Mauriceia"
"Florença dos Trópicos"
"Capital dos Naufrágios"
Do topo, em sentido horário: Assembleia Legislativa de Pernambuco na Rua da Aurora; vista aérea do bairro de Boa Viagem; "Torre de Cristal" no Parque das Esculturas Francisco Brennand; Praça Rio Branco, local do Marco Zero do Recife; Castelo do Instituto Ricardo Brennand e Ilha de Antônio Vaz com as pontes do Centro Histórico.

Do topo, em sentido horário: Assembleia Legislativa de Pernambuco na Rua da Aurora; vista aérea do bairro de Boa Viagem; "Torre de Cristal" no Parque das Esculturas Francisco Brennand; Praça Rio Branco, local do Marco Zero do Recife; Castelo do Instituto Ricardo Brennand e Ilha de Antônio Vaz com as pontes do Centro Histórico.
Bandeira do Recife
Brasão do Recife
BandeiraBrasão
Hino
Aniversário12 de março
Fundação12 de março de 1537 (481 anos)
Gentílicorecifense
LemaUt luceat omnibus
"Que a luz brilhe para todos"
Padroeiro(a)Santo Antônio e Nossa Senhora do Carmo
Prefeito(a)Geraldo Júlio (PSB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização do Recife
Localização do Recife em Pernambuco
Recife está localizado em: Brasil
Recife
Localização do Recife no Brasil
08° 03' 14" S 34° 52' 51" O08° 03' 14" S 34° 52' 51" O
Unidade federativaPernambuco
Região
intermediária

Recife IBGE/2017[1]

Região
imediata

Recife IBGE/2017[1]

Região metropolitanaRecife
Municípios limítrofesJaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata, Camaragibe, Paulista e Olinda.
Distância até a capital2 220 km[2]
Características geográficas
Área218,435 km² [3]
População1 637 834 hab. (PE: 1º; BR: 9º) –  IBGE/2017[4]
Densidade7 498,04 hab./km²
Altitude4 m
Climatropical As'
Fuso horárioUTC−3
Indicadores
IDH-M0,772 elevado PNUD/2010[5]
Gini0,68 PNUD/2010[5]
PIBR$ 48 032 462,96 mil (BR: 14º) – IBGE/2015[6]
PIB per capitaR$ 29 701,32 IBGE/2015[6]
Página oficial
Prefeiturawww.recife.pe.gov.br
Câmarawww.recife.pe.leg.br

Recife é um município brasileiro, capital do estado de Pernambuco, localizado na Região Nordeste do país. Com área territorial de aproximadamente 218 km², é formado por uma planície aluvial, tendo as ilhas, penínsulas e manguezais como suas principais características geográficas.[3][7] Cidade nordestina com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M), o Recife é a quarta capital brasileira na hierarquia da gestão federal, após Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, e possui o quarto aglomerado urbano mais populoso do Brasil, com 4 milhões de habitantes em 2017, superado apenas pelas concentrações urbanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.[5][8][9] A capital pernambucana tem, num raio de 300 km, três capitais estaduais sob sua influência direta: João Pessoa (122 km), Maceió (257 km) e Natal (286 km).[10][11]

O Recife é sede do aglomerado urbano mais rico do Norte-Nordeste e oitavo mais rico do Brasil, além de ter o décimo quarto maior PIB do país e o maior PIB per capita entre as capitais nordestinas.[12][13][14] A cidade é a nona mais populosa do país, e sua região metropolitana é a sétima do Brasil em população, além de ser a terceira área metropolitana mais densamente habitada do país, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro.[4][15] A metrópole pernambucana desempenha um forte papel centralizador em seu estado e região: abriga sedes de instituições como a Sudene, a Eletrobras Chesf, o Comando Militar do Nordeste, o TRF da 5ª Região, a Procuradoria-Regional da Fazenda Nacional na 5.ª região, dentre muitas outras, e o maior número de consulados estrangeiros fora do eixo Rio-São Paulo, sediando Consulados-Gerais de países como Estados Unidos, China, Alemanha, França e Reino Unido.[8][16] O município foi eleito por pesquisa da MasterCard Worldwide como uma das 65 cidades com economia mais desenvolvida dos mercados emergentes no mundo: apenas cinco cidades brasileiras entraram na lista, tendo o Recife recebido a quarta posição, após São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, e à frente de Curitiba.[17]

Mais antiga entre as capitais estaduais brasileiras, o Recife surgiu como "Ribeira de Mar dos Arrecifes dos Navios" no ano de 1537, na principal área portuária da Capitania de Pernambuco, a mais rica capitania do Brasil Colônia, conhecida em todo o mundo comercial da época graças à cultura da cana-de-açúcar e ao pau-brasil (ou pau-de-pernambuco).[18][19][20] No século XVII, a cidade foi por vinte e quatro anos a sede da colônia de Nova Holanda, que teve como um dos administradores o conde Maurício de Nassau.[18] Após a expulsão dos neerlandeses, feita na Insurreição Pernambucana, o Recife emerge como a cidade mais importante de Pernambuco, tendo uma grande vocação comercial influenciada principalmente pelos comerciantes portugueses, os chamados "mascates".[18] O Centro Histórico do Recife — em que pesem as demolições e descaracterizações — representa em conjunto com os sítios históricos de Olinda, Igarassu e dos Guararapes um dos mais valiosos patrimônios barrocos do Brasil.[18]

Dentre as suas muitas alcunhas atribuídas, "Veneza Brasileira" é a mais conhecida. O romancista francês Albert Camus esteve no Recife em 1949 e comparou a capital pernambucana a outra cidade italiana ao descrevê-la, em seu livro Diário de Viagem, como a "Florença dos Trópicos".[21]

Etimologia

Arrecife é a forma antiga do vocábulo recife, ambos originários do árabe ár-raçif, que significa calçada, caminho pavimentado, linha de escolhos, dique, paredão, cais, molhe. Em sua forma arcaica, “arracefe”, o vocábulo já era utilizado em 1258, segundo registra o dicionarista José Pedro Machado. Assim, o topônimo da atual cidade do Recife resulta do acidente geográfico, cuja designação é registrada pela primeira vez no Diário de Pero Lopes de Souza, que denominou o seu porto natural de “Barra dos Arrecifes” (1532), e no chamado Foral de Olinda (1537), no qual o primeiro donatário, Duarte Coelho, nomeia-o “ribeiro do mar dos Arrecifes dos Navios”.[22] No mapa do cartógrafo João Teixeira Albernaz (1618) o local encontra-se registrado como “Lugar do Recife”, menção certa aos primórdios da antiga povoação, depois chamada Vila de Santo Antônio do Recife (1709) e, finalmente, cidade do Recife (1823).[23]

Geralmente, o nome do município dentro de frases é antecedido de artigo masculino, como acontece com os municípios do Rio de Janeiro, do Crato, do Cabo de Santo Agostinho e outros. A esse respeito, muitos intelectuais recifenses e pernambucanos já se pronunciaram,[24] [25] entre eles Gilberto Freyre, em seu livro "O Recife, sim! Recife, não!", em 1960.[26][27] Por outro lado, o gramático Napoleão Mendes de Almeida afirma, em longo arrazoado, que não se deve usar o artigo definido para fazer referência à cidade, mas apenas ao bairro homônimo: "o bairro do Recife na cidade de Recife".[28]