Rato (informática)

Disambig grey.svg Nota: "Mouse" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Mouse (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mouse contemporâneo, com as características mais comuns - dois botões e um botão de rolagem.

O rato (português europeu) ou mouse (português brasileiro) [máuss][1] é um periférico de entrada que, historicamente, se juntou ao teclado como auxiliar no processo de entrada de dados, especialmente em programas com interface gráfica. O rato ou mouse (estrangeirismo, empréstimo do inglês "mouse", que significa "camundongo") tem, como função, movimentar o cursor (apontador) pelo ecrã ou tela do computador. Foi criado pela Xerox mas somente se tornou um produto comercializado com a Apple.[2]

O mouse funciona como um apontador sobre a tela/ecrã do computador e disponibiliza, normalmente, quatro tipos de operações: movimento, clique, duplo clique e arrastar e largar. Existem modelos com um, dois, três ou mais botões, cuja funcionalidade depende do ambiente de trabalho e do programa que está a ser utilizado. Claramente, o botão esquerdo é o mais utilizado.

O mouse é, normalmente, ligado ao computador através de uma porta serial PS2 ou, mais recentemente, USB (Universal Serial Bus). Também existem conexões sem fio: as mais antigas em infravermelho, as atuais em Bluetooth.

Outros dispositivos de entrada competem com o rato, como por exemplo os painéis táteis (usados basicamente em portáteis) e bolas de comando (trackballs). Também é possível ver o manípulo eletrónico (joystick) como concorrente, mas os manípulos eletrónicos não são comuns em computadores. É interessante notar que uma bola de comando pode ser vista como um rato de cabeça para baixo.

Funcionamento

Interior de um rato:
  1. A bola, que faz girar a roldana;
  2. Roldana que irá alterar a passagem de luz entre o LED e o sensor;
  3. Sensor fotoeléctrico;
  4. Botão de clique (esquerdo);
  5. LED.

O rato ou mouse original possuía dois discos que rolavam nos eixos X e Y e tocavam directamente na superfície. O modelo mais conhecido de rato é, provavelmente, o rato baseado em uma esfera, que roda livremente, mas que, na prática, gira dois discos que ficam em seu interior. O movimento dos discos pode ser detectado tanto mecanicamente quanto por meio óptico.

Os modelos mais modernos de rato (ou mouse) são totalmente ópticos, não tendo peças móveis. De modo muito simplificado, eles tiram fotografias que são comparadas e que permitem deduzir o movimento que foi feito. O rato óptico não é uma invenção tão moderna quanto parece: já no início da década de 1990 a Sun fornecia máquinas com um rato óptico que exigia um mousepad especial, com uma padronagem matricial. O rato óptico actual, porém, usa uma tecnologia muito mais avançada, que pode funcionar em qualquer superfície não reflexiva. O mouse ou rato, por padrão, possui, pelo menos, dois botões: o esquerdo é usado para selecionar e clicar (acionar) ícones e o direito realiza funções secundárias como, por exemplo, exibir as propriedades do objeto apontado. Há, ainda, na maioria dos ratos (ou mouses), um botão scroll em sua parte central, que tem, como função principal, movimentar a barra de rolagem das janelas.