Quarta Internacional (pós-reunificação)

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a Quarta Internacional após 1963. Para para desenvolvimentos prévios, veja Quarta Internacional.

A Quarta Internacional (pós-reunificação) também conhecida como Secretariado Unificado da Quarta Internacional (SU-QI) é a organização surgida na reunificação da Quarta Internacional no Congresso Mundial de 1963. A cisão ocorrera em 1953, em torno da tática apropriada para o período pós Segunda Guerra. No Congresso de 1951, a maioria dos delegados aprovou a proposta defendida por um de seus principais dirigentes, Michel Pablo, segundo a qual as sessões da IV Internacional deveriam realizar entrismo nos partidos Comunistas, Social-democratas e Nacionalistas-anti-imperialistas. Essa tática, que ficou conhecida como Entrismo sui generis foi defendida como uma forma de aproximar as sessões da IV, ao movimento real de massas, além de um prognóstico de que os chamados Estados Operários burocratizados (URSS e Leste Europeu, etc) e o stalinismo, iriam "inevitavelmente" a uma guerra contra o imperialismo norte-americano, retomando assim o caráter revolucionário que haviam perdido a partir da política do "socialismo em um só país".

Em 1953, um número considerável de dirigentes (como James Patrick Cannon, Pierre Lambert e Moreno) abandonam a Internacional, apoiados pela maioria das sessões australianas, inglesas, chinesas, francesas (PCI), neo-zelandesas, suíças, americanas (SWP) e argentina (PST, que depois se tornaria o Movimiento al Socialismo - MAS). Formam então o Comitê Internacional da Quarta Internacional (CI).

A maioria da IV Internacional mantém o Secretariado Internacional (SI), enquanto instância de direção da Internacional, que se unificará em 1963 ao Comitê Internacional (CI) para formar o Secretariado Unificado da Quarta Internacional (SU ou SU-QI).

Durante os dez anos seguintes a divisão de 1953 da Quarta Internacional, a maioria dos dois setores desenvolveram posições semelhantes para os principais problemas internacionais: oposição ao Stalinismo durante as crises de 1956 na Polônia e Hungria, o apoio à Guerra de Independência Argelina e a Revolução Cubana de 1959. Ao mesmo tempo, partes do Secretariado Internacional (SI) rejeitaram a orientação de Pablo sobre os Partidos Comunistas. Em 1960, sessões da CI-QI e SI-QI se reunificam no Chile, Índia e Japão. Em 1962, a convergência Política entre as maiorias dos dois setores era suficientemente forte para que o SI-QI e CI-QI estabelecessem um Comitê Paritário para preparar um Congresso Mundial conjunto. Esse congresso almejava a reunificação da Quarta Internacional.

No entanto, alguns grupos dos dois setores não apoiaram a movimentação em direção a reunificação. No processo do Congresso de 1961 os apoiadores do argentino Juan R Posadas, a liderança do Secretariado Latino Americano, entraram em desacordo com os apoiadores de Michel Pablo sobre a ênfase da Revolução anticolonial: a maioria do SI-QI enfatizava o desenvolvimento das atividades na Europa. Além de Posadas e Pablo desenvolveram diferentes reações nas disputas no Stalinismo: Posadas tendeu para o lado de Mao Tsé-Tung, enquanto Pablo se aproximava de Khrushchov e Tito.

Um processo semelhante ocorreu no CI-QI. Em 1961 se dividiu politicamente, o Partido Comunista Internacionalista (PCI) na França e a Social Labour League (SLL) na Inglaterra argumentaram que um Estado Operário não havia sido criado em Cuba, o que os colocava em oposição ao SWP Americano e outras organizações no CI-QI. Em 1963, a divisão era também organizativa. Cada lado realizou um congresso que se reivindicou ser a maioria do CI-QI. Por um lado, as sessões Australianas, Chinesas e Neo Zelandezas (incluindo Nahuel Moreno) participaram do Congresso com o SWP e aprovaram a participação no Congresso de Reunificação. Por outro lado, O PCI de Pierre Lambert e o SLL de Gerry Healy convocaram uma “Conferencia Internacional dos Trotskistas” para continuarem o trabalho do CI-QI sob sua própria liderança.

A IV internacional nos dias atuais

Hoje, a Internacional é considerada pela maioria dos outros grupos trotskistas como o maior e mais desenvolvido dos grupos trotskistas internacionais, com sessões e grupos simpatizantes em mais de 60 países. Apesar de outros grupos internacionais de trotskistas existirem, nenhuma reivindica ser maior que a Quarta Internacional Reunificada.

Desde o Congresso de 1995, a Internacional continua a se abrir a participação de outras correntes. Em 2004, por exemplo, Democratic Socialist Perspective da Austrália, International Socialist Movemente da Escócia e International Socialist Organization dos Estados Unidos participaram das reuniões do Comitê Internacional. A Internacional organizou também um Encontro Internacional dos Partidos Radicais no quarto Fórum Social Mundial.

O Congreso é a instância superior da Internacional. Mas os debates, comunicados e as decisões não se limitam aos Congressos Mundiais. Através de diferentes jornais, principalmente Inprecor (revista em francês da Quarta Internacional), International Viewpoint (versão inglesa da Inprecor) e La Gauche, e suas instâncias como o Comitê Internacional e o Bureau Executivo, a Internacional apresenta suas análises sobre a Conjuntura mundial e nacional, aconselha orientações políticas para suas sessões, dialoga com elas e as ajuda de diversas maneiras quando é necessário (materialmente, financeiramente, intercâmbio com militantes experiêntes), demonstrando assim sua capacidade de intervenção na realidade.

Além disso, há 20 anos é realizado anualmente o Encontro Internacional de Jovens que é o acampamento de verão da Juventude da Quarta Internacional. Ele reúne centenas de jovens de dezenas de países (do continente europeu, mas também asiático, americano e africano) em um acampamento para uma semana de debates, troca de experiências, reencontros e decisões em um ambiente festivo. Ele se realiza habitualmente no sul da Europa e ocorre no fim de julho. Os jovens da Internacinal em cada país ficam encarregados de organizar o Acampamento sob o princípio da Autogestão. O próximo acampamento será na Itália.