Portus Cale

Portus Cale na atualidade: Porto em primeiro plano e Gaia ao fundo

Portus Cale era o nome de uma cidade da Galécia romana, correspondente à atual cidade portuguesa do Porto.

Deste nome provém o atual Portugal, pois durante a Alta Idade Média a atual Região Norte portuguesa foi denominada como Condado Portucalense, para diferenciá-la do reino da Galiza. A denominação histórica para o território coberto por ambos era o de Galiza, herdando o nome da Galécia romana.

História

Cale era o nome de um assentamento localizado na foz do rio Douro, que deságua no oceano Atlântico, no norte do que é hoje Portugal.

Alguns historiadores têm defendido que os gregos foram os primeiros a assentar em Cale e que o nome deriva da palavra grega Καλλισ (Kallis), "belo", referindo-se a beleza do vale do Douro. Outros têm a hipótese de que a palavra Cale veio da palavra latina para "quente" (Portus Cale, assim, sentido "Porto Quente"). A principal explicação para o nome, porém, é que ele é um gentílico derivado do povo Castro que se estabeleceu na área da Cale - a galaicos que deram nome à Galécia (que incluía o Norte de Portugal). Outros ainda acreditam que o nome veio da deusa principal adorada por esta tribo, o que poderia ser o mesmo que Cailleach em Portugal.[carece de fontes?].

Segundo Hector Boece, a palavra Portugal derivaria de Porto Gatelli, o nome que Catelo deu a Braga, quando lá se estabeleceu[1], enquanto outros dizem que ele deu esse nome ao primitivo núcleo urbano que actualmente é a cidade do Porto[2][3]. Os vocábulos "Callaici" e "Cale" estão na origem de actuais topónimos como Gaia, Galiza, e do sufixo "-gal" em "Portugal". O significado de Cale ou "Calle" não está contudo totalmente esclarecido.

Em cerca de 200 a.C., ou seja durante a Segunda Guerra Púnica, os romanos estabeleceram-se definitivamente na Península Ibérica, começando por conquistar as feitorias e núcleos urbanos dos cartagineses. Na sequência deste processo também Cale foi conquistada e rebatizada com o nome de Portus Cale que posteriormente originou Portucale. Este facto deve-se ao general romano Décimo Júnio Bruto Galaico em torno de 136 a.C.. No final das campanhas de Bruto, Roma controlava o território entre os rios Douro e Minho, mais prováveis extensões ao longo da costa e no interior. No entanto foi somente na era do imperador Augusto ou mesmo um pouco mais tarde, isto é no final do século I a.C., que o actual norte de Portugal e a Galiza foram totalmente pacificados e caíram sob o controle romano.

Todas estas regiões foram submetidas ao domínio suevo entre 410 e 584. Esses germânicos estabeleceram-se principalmente nas áreas de Braga (Bracara Augusta), Porto (Portus Cale), Lugo (Luco Augusto) e Astorga (Astúrica Augusta). Bracara Augusta, a moderna cidade de Braga e antiga capital romana da Galécia, tornou-se a capital dos suevos.

Outros povos germânicos, os visigodos, também invadiram a Península Ibérica e conquistaram o reino suevo em 584. A região em torno de Cale tornou-se conhecido pelos visigodos como Portucale. Portucale caiu sob os árabes durante a invasão muçulmana da Península Ibérica em 711.

Em 868, Vímara Peres, guerreiro cristão de Galécia e vassalo do rei de Astúrias, Leão e Galiza, Afonso III, foi enviado em missiva para a região entre o rio Minho e o rio Douro para proceder à sua reconquista, bem como assegurar que não caísse novamente em poder dos mouros. Tal processo incluiu a cidade de Portucale assim como a área envolvente, fundando-se pois o primeiro condado de Portugal ou Condado de Portucale. Portus Cale, mais trade Portucale, é assim, não só o antigo nome da atual cidade do Porto, mas também o da área ribeirinha de Vila Nova de Gaia, que seria posteriormente usado para nomear toda a região e, depois, o país.