Portugal

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Portugal (desambiguação).
Portugal
República Portuguesa
Bandeira de Portugal
Selo da República Portuguesa
BandeiraBrasão de armas
Hino nacional: A Portuguesa
Gentílico: Português, portuguesa[nota 1]

Localização de Portugal

Localização de Portugal (em vermelho)
Na União Europeia (em branco)
No continente europeu (em cinza)
Capital9° 10' O
Cidade mais populosaLisboa
(Pop. 2015: 504 471)[1]
Área Metropolitana (Pop. 2015: 2 812 678)
Língua oficialPortuguês[nota 2]
GovernoRepública
constitucional unitária
semipresidencialista[2]
 - Presidente[nota 3]Marcelo Rebelo de Sousa
 - Presidente da Assembleia da RepúblicaEduardo Ferro Rodrigues
 - Primeiro-ministroAntónio Costa
Formação868 d.C. 
 - Independência[nota 4]1139 
 - Reconhecida pelo Reino de Leão1143 
 - Reconhecida pela Igreja Católica1179 
Entrada na UE1 de janeiro de 1986
Área 
 - Total92 256[3][4] km² (112.º)
 - Água (%)0,48
 FronteiraEspanha
População 
 - Estimativa para 201410 374 822[5] hab. 
 - Censo de 201110 562 178[6] hab. 
 - Densidade115,3 hab./km² (66.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 275 997 mil milhões *[7] (50.º)
 - Per capitaUS$ 26 306[7] (45.º)
PIB (nominal)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 228 168 mil milhões *[7] (46.º)
 - Per capitaUS$ 21 747[7] (39.º)
IDH (2015)0,843 (41.º) – muito elevado[8]
Gini (2009)33.7[9]
MoedaEuro[nota 5] (EUR)
Fuso horárioWET[nota 6] (UTC−1 a 0)
 - Verão (DST)WEST (UTC+1)
 [nota 7]
ClimaTemperado Mediterrânico (Portugal Continental e Madeira)
e Temperado Oceânico (Açores)
Org. internacionaisUE, NATO, FMI, OCDE, OEI, União Latina, CPLP
Cód. ISOPRT
Cód. Internet.pt[nota 8]
Cód. telef.+351
Website governamentalGoverno de Portugal
Site da Presidência de Portugal

Mapa de Portugal

Portugal, oficialmente República Portuguesa,[10][nota 9] é um país soberano[nota 10] unitário localizado no sudoeste da Europa, cujo território se situa na zona ocidental da Península Ibérica e em arquipélagos no Atlântico Norte. O território português tem uma área total de 92 090 km²,[11] sendo delimitado a norte e leste por Espanha e a sul e oeste pelo oceano Atlântico, compreendendo uma parte continental e duas regiões autónomas: os arquipélagos dos Açores e da Madeira. Portugal é a nação mais a ocidente do continente europeu. O nome do país provém da sua segunda maior cidade, Porto, cujo nome latino-celta era Portus Cale.[12][13]

O território dentro das fronteiras atuais da República Portuguesa tem sido continuamente povoado desde os tempos pré-históricos: ocupado por celtas, como os galaicos e os lusitanos, foi integrado na República Romana e mais tarde colonizado por povos germânicos, como os suevos e os visigodos. No século VIII, as terras foram conquistadas pelos mouros. Durante a Reconquista cristã foi formado o Condado Portucalense,  estabelecido no século IX por Vímara Peres, um vassalo do rei das Astúrias.[14] O condado tornou-se parte do Reino de León em 1097, e os condes de Portugal estabeleceram-se como governantes independentes do reino no século XII, após a batalha de São Mamede.[15] Com o estabelecimento do Reino de Portugal em 1139, cuja independência foi reconhecida em 1143. Em 1297 foram definidas as fronteiras no tratado de Alcanizes, tornando Portugal no mais antigo Estado-nação da Europa.[16][17] Nos séculos XV e XVI, como resultado de pioneirismo na Era dos Descobrimentos (ver: descobrimentos portugueses), Portugal expandiu a influência ocidental e estabeleceu um império que incluía possessões na África, Ásia, Oceânia e América do Sul, tornando-se a potência económica, política e militar mais importante de todo o mundo. O Império Português foi o primeiro império global da História[18] e também o mais duradouro dos impérios coloniais europeus, abrangendo quase 600 anos de existência, desde a conquista de Ceuta em 1415,[19] até à transferência de soberania de Macau para a China em 1999. No entanto, a importância internacional do país foi bastante reduzida durante o século XIX, especialmente após a independência do Brasil, a sua maior colónia.

Com a Revolução de 1910, a monarquia terminou, tendo desde 1139 até 1910, 34 monarcas. A Primeira República Portuguesa foi muito instável, devido ao elevado parlamentarismo. O regime deu lugar à ditadura militar devido a um levantamento em 28 de maio de 1926. Em 1933, um novo regime autoritário, o Estado Novo, presidido por Salazar até 1968, geriu o país até 25 de abril de 1974. A democracia representativa foi instaurada após a Revolução dos Cravos, em 1974, que terminou a Guerra Colonial Portuguesa. As províncias ultramarinas de Portugal tornaram-se independentes, sendo as mais proeminentes Angola e Moçambique.

Portugal é um país desenvolvido,[20] com um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) considerado como muito elevado. O país foi classificado na 19.ª posição em qualidade de vida (em 2005),[21] tem um dos melhores sistemas de saúde do planeta e é, também, uma das nações mais globalizadas e pacíficas do mundo.[22] É membro da Organização das Nações Unidas (ONU), da União Europeia (incluindo a Zona Euro e o Espaço Schengen), da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Portugal também participa em diversas missões de manutenção de paz das Nações Unidas.

Etimologia

O nome Portugal apareceu entre os anos 930 a 950 da Era Cristã, sendo no final do século X que começou a ser usado com mais frequência. O Rei Fernando I de Leão e Castela, chamado o Magno, denominou oficialmente o território de Portugal, quando, em 1067, o deu ao seu filho D. Garcia, que se intitulou rei do mesmo nome.[23] No século V, durante o reinado dos Suevos, Idácio de Chaves já escrevia sobre um local chamado Portucale, para onde fugiu Requiário:

Rechiarius ad locum qui Portucale appellatur, profugus regi Theudorico captivus adducitur: quo in custodiam redacto, caeteris qui de priore certamine superfuerant, tradentibus se Suevis, aliquantis nihilominus interfectis, regnum destructum et finitum est Suevorum[24] (Requiário fugitivo ao lugar ao qual chamam Portucale, foi levado como prisioneiro ao rei Teodorico. Foi posto sob custódia, enquanto o resto dos suevos sobreviventes à anterior batalha renderam-se — apesar de alguns terem morrido —; desta maneira o reino dos Suevos foi extinto.)

Cale, a atual Vila Nova de Gaia, já era conhecida por Portucale no tempo dos godos.[23] Num diploma de 841, surge por incidente, a primeira menção da província portugalense. Afonso II das Astúrias, ampliando a jurisdição espiritual do Bispo de Lugo, diz:

Totius galleciae, seu Portugalensi Provintiae summun suscipiat Praesulatum.[25] (Que ele tome o governo supremo de toda a província da Galiza e de Portugal.)

Há quem afirme que Portugal teria derivado de Portogatelo, nome dado por um chefe oriundo da Grécia chamado Catelo, ao desembarcar e se estabelecer junto do atual Porto.[26] A primeira vez que o nome de Portugal aparece como elemento de raiz heráldica, é numa carta de doação da Igreja de São Bartolomeu de Campelo por D. Afonso Henriques em 1129.[27]