Politeia

  • text document with red question mark.svg
    este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
    por favor, este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
    o povo sendo coroado pela democracia. estela grega, cerca de 336 a.c.

    politeia (do grego antigo: Πολιτεία ou Πολίτευμα, transl. politeía ou políteuma) era originalmente um termo usado na grécia antiga para se referir às muitas cidades-estado (pólis) que possuíam uma assembleia de cidadãos como parte de seu processo político.

    o sufrágio em tais democracias não incluía mulheres, escravos, servos ou estrangeiros. assim, os cidadãos votantes geralmente eram apenas uma minoria de homens adultos. segundo o historiador tucídides, a pólis são os homens. a ideia de um estado separado dos cidadãos era inconcebível na antiga atenas.[1] embora quase sempre traduzido como constituição, o significado do termo é bem mais amplo e complexo.

    hoje em dia o termo geralmente é usado em referência a organização política de um grupo ou uma sociedade frouxamente organizada, tal como uma tribo ou comunidade, mas pode significar qualquer grupo político, incluindo um governo, império, corporação ou academia. também é usado como sinônimo de comunidade eclesiástica.[carece de fontes?]

    a república de platão tem o termo como seu título original em grego, com a versão que hoje conhecemos decorrendo de uma tradução do diálogo para o latim por cícero.

    referências

  • ligações externas

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
O Povo sendo coroado pela Democracia. Estela grega, cerca de 336 a.C.

Politeia (do grego antigo: Πολιτεία ou Πολίτευμα, transl. Politeía ou Políteuma) era originalmente um termo usado na Grécia Antiga para se referir às muitas cidades-estado (pólis) que possuíam uma assembleia de cidadãos como parte de seu processo político.

O sufrágio em tais democracias não incluía mulheres, escravos, servos ou estrangeiros. Assim, os cidadãos votantes geralmente eram apenas uma minoria de homens adultos. Segundo o historiador Tucídides, a pólis são os homens. A ideia de um Estado separado dos cidadãos era inconcebível na antiga Atenas.[1] Embora quase sempre traduzido como constituição, o significado do termo é bem mais amplo e complexo.

Hoje em dia o termo geralmente é usado em referência a organização política de um grupo ou uma sociedade frouxamente organizada, tal como uma tribo ou comunidade, mas pode significar qualquer grupo político, incluindo um governo, império, corporação ou academia. Também é usado como sinônimo de comunidade eclesiástica.[carece de fontes?]

A República de Platão tem o termo como seu título original em grego, com a versão que hoje conhecemos decorrendo de uma tradução do diálogo para o latim por Cícero.

Referências

  1. "A Pólis grega e a constituição da democracia", por Cornelius Castoriadis in As Encruzilhadas do Labirinto II, tradução de José Oscar de Almeida Marques, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.