Platina
English: Platinum

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Platina (desambiguação).
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «Platinum» na Wikipédia em inglês. e colabore com a tradução.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2017). Ajude a este artigo inserindo fontes.
Pix.gifPlatinaStylised atom with three Bohr model orbits and stylised nucleus.svg
IrídioPlatinaOuro
Pd
 Cubic-face-centered.svg
 
78
Pt
 
        
        
                  
                  
                                
                                
Pt
Ds
Tabela completaTabela estendida
Aparência
branco acinzentado


Cristais de platina
Informações gerais
Nome, símbolo, númeroPlatina, Pt, 78
Série químicaMetal de transição
Grupo, período, bloco10, 6, d
Densidade, dureza21 090 3, 3,5
Número CAS7440-06-4
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica195,084(9) u
Raio atómico (calculado)139 pm
Raio covalente128 pm
Raio de Van der Waalspm
Configuração electrónica[Xe] 4f14 5d9 6s1
Elétrons (por nível de energia)2, 8, 18, 32, 17, 1 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação6, 5, 4, 3 , 2, 1, -1, -2
Óxidoligeiramente básico
Estrutura cristalinacúbica centrada nas faces
Propriedades físicas
Estado da matériasólido
Ponto de fusão2 041,15 K
Ponto de ebulição4 098 K
Entalpia de fusão19,6 kJ/mol
Entalpia de vaporização510 kJ/mol
Temperatura crítica K
Pressão crítica Pa
Volume molar3/mol
Pressão de vapor100 Pa a 2815 K
Velocidade do som2 680 m/s a 20 °C
Classe magnéticaparamagnético
Susceptibilidade magnética2,8x10-4
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling)2,28
Calor específico130 J/(kg·K)
Condutividade elétrica9,66 × 106 S/m
Condutividade térmica71,6 W/(m·K)
Potencial de ionização870 kJ/mol
2º Potencial de ionização1791 kJ/mol
3º Potencial de ionizaçãokJ/mol
4º Potencial de ionizaçãokJ/mol
5º Potencial de ionizaçãokJ/mol
6º Potencial de ionizaçãokJ/mol
7º Potencial de ionizaçãokJ/mol
8º Potencial de ionizaçãokJ/mol
9º Potencial de ionizaçãokJ/mol
10º Potencial de ionizaçãokJ/mol
Isótopos mais estáveis
isoANMeia-vidaMDEdPD
MeV
190Pt0,01%6,5 x 1011 aα3,249186Os
192Pt0,782estável com 114 neutrões
193Ptsintético50 aε0,057193Ir
194Pt32,97%estável com 116 neutrões
195Pt33,83%estável com 117 neutrões
196Pt25,24%estável com 118 neutrões
198Pt7,16%estável com 120 neutrões
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

A platina (do espanhol platina, diminutivo de plata, prata) é um elemento químico de símbolo Pt de número atômico 78 (78 prótons e 78 elétrons), e de massa atômica igual a 195,08 u (78 u de prótons e 117,1 u de nêutrons). Ele é um elemento químico denso, maleável, dúctil, tem pouca reatividade, precioso, tem coloração prata branqueada e é um metal de transição. Seu nome deriva do termo espanhol platina, do qual sua tradução literal é "pequena prata".[1][2][3]

A platina é membro do grupo de platina e está no Grupo 10. Ela tem naturalmente seis isótopos. Ela é um elemento químico escasso, do qual se encontra em média na litosfera aproximadamente 5 μg/kg. Ela está especialmente nos depósitos dos minérios de níquel e cobre, principalmente na África do Sul, que responde por 80% da produção mundial. Por causa da sua escassez na crosta da Terra, já que são produzidas somente alguns milhões de toneladas, ela é considerada o metal mais caro e precioso.

A platina é um precioso elemento químico com baixa reatividade. E tem uma extraordinária resistência à corrosão, inclusive sob altas temperaturas, e é também considerada um metal nobre. Consequentemente, a platina é geralmente descoberta pela produção de um fase da platina com outro elemento químico. Como a platina é encontrada naturalmente nos aluviões de diversos rios, ela foi utilizada pela primeira vez pelos nativos pré-colombianos da América do Sul para produzir artefatos. O seu primeiro registro na Europa data do Século XVI. Porém somente com Antonio de Ulloa vieram a conhecê-lo em 1735, porém só foi publicado à Europa em 1748.

A platina é utilizada nos conversores catalíticos, nos equipamentos de laboratório, nos contatos elétricos e nos eletrodos, nas termorresistências, nos equipamentos odontológicos e na indústria de joias. Como é considerado um metal pesado, ele conduz a muitos problemas de saúde sob o contato de seus sais, apesar de não ser um elemento químico tóxico.[4]Os compostos que contém platina, especialmente a cisplatina são aplicados no tratamento de quimioterapia para certos tipos de câncer.[5]

Características principais

Físicas

A platina em seu estado nativo é um material de coloração branca acinzentada opaca, precioso, maleável e dúctil.[6] Ela é mais dúctil do que o ouro, a prata ou o cobre, assim sendo entre os metais puros o mais dúctil, porém menos maleável do que o ouro.[7][8] A pureza deste elemento torna-o mais duro que o ferro em estado nativo. A platina tem uma excelente resistência à corrosão, e é um material com estabilidade em suas propriedades elétricas e sob altas temperaturas, porém ele é corroído por halogênios, cianetos, sulfetos e alcalinos cáusticos. A platina é insolúvel em ácido clorídrico e ácido nítrico, porém dissolve-se em água régia aquecida produzindo o ácido cloroplanítico, H2PtCl6.[9]

Suas propriedades físicas e líquidas estáveis o fazem convenientes nas aplicações industriais.[10] Sua resistência ao desgaste e sua opacidade é muito requisitada em joias de alto valor comercial.

Químicas

A platina dissolve em água régia aquecida.

O estado de oxidação mais comum da platina são os +2 e +4. Os estados de oxidação +1 e +3 são mais complexas de encontrar, e são somente estabilizadas por uma ligação metálica em espécies bimetálicas (ou polimetálicas). Como é esperado, os compostos de platina (II) tetracoordenados tendem a adotar 16 elétrons de valência. Embora a platina é geralmente inerte, ela dissolve a água régia produzido o ácido cloroplatínico aquoso (H2PtCl6):[11]

Pt + 4 HNO3 + 6 HCl → H2PtCl6 + 4 NO2 + 4 H2O

De acordo com a teoria HSAB, a platina tem uma grande afinidade com os sulfetos, como o dimetilsulfóxido; os numerosos completos de DMSO tem sido apresentados e podem ser utilizados na seleção de solventes reativos.[12]

Obtenção

Pepita de platina extraída da mina Kondyor em Krai de Khabarovsk, Rússia.

A platina pode ser obtida através de três processos: pela amalgamação, pela fusão e destilação fracionada e pela eletrólise ígnea da água com óxido de platina.