Plano Cohen

Plano Cohen foi um documento elaborado por militares brasileiros com a intenção de simular, para efeitos de estudo, uma revolução judaico-comunista no Brasil.[1][2][3] Embora tratasse de situações hipotéticas, o plano foi falsamente atribuído à Internacional Comunista e usado como instrumento político para a implantação de um regime ditatorial contrarrevolucionário no Brasil, o Estado Novo.[2]

Origens

Olímpio Mourão Filho, o articulador do Plano Cohen

O plano foi elaborado pelo capitão Olímpio Mourão Filho, na época chefe do estado-maior da milícia da Ação Integralista Brasileira e chefe de seu serviço secreto.[2] Embora tenha sido usado politicamente como sendo objeto de uma conspiração comunista, seu conteúdo refere-se mais especificamente a uma conspiração judaico-comunista, incluindo elementos típicos do antissemitismo da época e uma série de traços em comum com outros documentos forjados com intenções semelhantes, como Os Protocolos dos Sábios de Sião.[3]