Paul Valéry

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde outubro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Paul Valéry
Paul Valéry em 1938
Nome completoAmbroise-Paul-Toussaint-Jules Valéry
Nascimento30 de outubro de 1871
Sète
Morte20 de junho de 1945 (73 anos)
Paris
Nacionalidade França
OcupaçãoFilósofo, escritor e poeta
Influências
Influenciados
Principais trabalhosO senhor teste
Movimento literárioSimbolismo
Assinatura
Firma Valery Paul.jpg

Ambroise-Paul-Toussaint-Jules Valéry[1] (Sète, 30 de outubro de 1871Paris, 20 de julho de 1945) foi um filósofo, escritor e poeta francês da escola simbolista cujos escritos incluem interesses em matemática, filosofia e música.

Valéry nasceu em Sète,[2] filho de um pai corso e uma mãe genovesa-Ístria, em uma cidade na costa mediterrânea do Hérault, mas ele foi criado em Montpellier, maior centro urbano da região. Após a educação católica romana tradicional, ele estudou direito na universidade, então residia em Paris a maior parte do resto de sua vida, onde estava, por um tempo, parte do círculo de Stéphane Mallarmé.

Realizou os estudos secundários em Montpellier e iniciou sua carreira em Direito em 1889. Na mesma época publicou seus primeiros versos, fortemente influenciados pela estética da literatura simbolista dominante na época. Em 1894 se instalou em Paris, onde trabalhou como redator no Ministério de Guerra. Depois da Primeira Guerra Mundial se dedicou inteiramente à literatura e foi aceito pela Academia Francesa em 1925.

Sua obra poética foi influenciada pelo simbolista Stéphane Mallarmé, que consequentemente influenciou outro francês, Jean-Paul Sartre.

Livros

  • Introduction à la méthode de Léonard de Vinci (1895) ;
  • La soirée avec monsieur Teste (1896) ;
  • Essai d'une conquête méthodique (1897) ;
  • La jeune parque (1917) ;
  • Album de vers anciens (1920) ;
  • Charmes (1922) ;
  • Eupalinos ou l'architecte (1923)
  • L'âme et la danse (1923)
  • Dialogue de l'arbre (1923)
  • Regards sur le monde actuel (1931) ;
  • Amphion (1931)
  • L'idée fixe ou deux hommes à la mer (1932)
  • Discours en l'honneur de Goethe (1932)
  • Sémiramis (1934)
  • Pièces sur l'art (1936)
  • Degas, danse, dessin (1938)
  • Discours aux chirurgiens (1938)
  • Variété I et II.
  • Variété III (1936), IV (1938) et V (1944).
  • Mauvaises pensées et autres (1942) ;
  • Tel quel (1941 (Cahier B 1910; Moralités; Littérature et Choses tues);
  • Mon Faust (1946)
  • L'ange (1947)
  • Histoires brisées (1950)
  • Vues (1948, póstumo).
  • Œuvres I (1957, póstumo).