Paródia

Uma lata de Buzz Cola. Uma paródia "simpsoniana" baseada nos refrigerantes Coca-Cola e Pepsi.

A paródia é uma releitura cômica de alguma composição literária , que frequentemente utiliza ironia e deboche. Ela geralmente é parecida com a obra original, e quase sempre tem sentidos diferentes.

A paródia surge a partir de uma nova interpretação, da recriação de uma obra já existente e, em geral, consagrada. Seu objetivo é adaptar a obra original a um novo contexto, passando diferentes versões para um lado mais despojado, e aproveitando o sucesso da obra original para passar um pouco de alegria. A paródia pode ter intertextualidade.

Aparece como importante elemento no modernismo brasileiro e na poesia marginal da chamada "Geração mimeógrafo".

Em Parodia, paráfrase & cia, lembra que o termo paródia foi institucionalizado a partir do séc 16/17, também traz os significados de Parodia segundo o dicionário de literatura que discrimina três tipos básicos, sendo eles:

  • Verbal: Altera uma palavra ou outra do texto original;
  • Formal: O estilo e os efeitos técnicos de um escritor são usados como forma de zombaria;
  • Temática: em que se faz a caricatura da forma e do espírito de um autor.

A parodia se define através de um jogo de intertextualidade e intratextualidade(quando o autor retoma sua obra e reescreve).

Poema

"Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossos campos tem mais flores."

(Canção do exílio - Gonçalves Dias, poeta romântico brasileiro)

A paródia de Oswald de Andrade:

"Minha terra tem palmares onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá"

Reparem que "palmares", na verdade trata-se do Quilombo dos Palmares, ou seja, a expressão do nacionalismo crítico do movimento modernista brasileiro da vertente Pau-Brasil.