Papa Leão X
English: Pope Leo X

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja João de Médici.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Leão X
Papa da Igreja Católica
217° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
DioceseDiocese de Roma
Eleição9 de março de 1513
Entronização19 de março de 1513
Fim do pontificado 1 de dezembro de 1521 (8 anos)
PredecessorJúlio II
SucessorAdriano VI
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral15 de março de 1513
por Dom Raffaele Cardeal Riario
Nomeação episcopal9 de março de 1513
Ordenação episcopal17 de março de 1513
por Dom Raffaele Cardeal Riario
Nomeado arcebispo9 de março de 1513
Cardinalato
Criação9 de março de 1489 (in pectore)
26 de março de 1492 (Publicado)

por Papa Inocêncio VIII
OrdemCardeal-diácono
TítuloSanta Maria em Domnica
Brasão
Coat Cardinal De Medici.svg
Papado
Brasão
Medici popes.svg
ConsistórioConsistórios de Leão X
Dados pessoais
Nascimento11 de dezembro de 1475
Florença, Itália
Morte1 de dezembro de 1521 (45 anos)
Roma, Itália
NacionalidadeItaliano
Nome nascimentoGiovanni di Lorenzo de Medici
ProgenitoresMãe: Clarice Orsini
Pai: Lourenço de Médici
SepulturaSanta Maria sopra Minerva
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

Leão X, nascido João de Lourenço de Médici (em italiano: Giovanni di Lorenzo de Medici ); (Florença, 11 de dezembro de 1475Roma, 1 de dezembro de 1521) foi papa de 1513 até sua morte. Ele foi o último não-sacerdote a ser eleito Papa. Ele é conhecido principalmente por ser o papa do início da Reforma Protestante, iniciada por Martinho Lutero por suas 95 teses e por ter sido o último papa a ter visto a Europa Ocidental totalmente católica. Ele era o segundo filho de Clarice Orsini e Lourenço de Médici, o governante mais famoso da República Florentina. Seu primo, Giulio di Giuliano de Medici, viria a suceder-lhe como Papa Clemente VII (1523-34).

Vida inicial

Desde sua jovem idade, Giovanni e sua família demonstraram interesse por uma carreira eclesiástica. Seu pai pressionou o Papa Inocêncio VIII, que foi obrigado a nomeá-lo cardeal-diácono de Santa Maria em Domnica em março de 1489, quando tinha apenas treze anos, embora ele não tenha sido autorizado a usar as insígnias e demais deliberações do colégio dos cardeais até três anos depois.[1] Giovanni recebeu uma cuidadosa educação na corte de Lorenzo, foi colega de humanistas como Angelo Poliziano, Giovanni Pico della Mirandola, Marsílio Ficino e Bernardo Dovizio Bibbiena. De 1489 a 1491, estudou teologia e direito canônico em Pisa sob instrução de Filippo Decio.

Em 23 de março de 1492, com apenas 16 anos, foi formalmente admitido no Colégio dos Cardeais e assumiu a sua residência em Roma. A morte de Lorenzo no ano seguinte em 8 de abril, fez Giovanni mudar-se para Florença. Ele participou do conclave de 1492 que se seguiu à morte de Inocêncio VIII, e se opôs terminantemente à eleição do cardeal Rodrigo Borgia, que foi eleito como o Papa Alexandre VI. Posteriormente ele morou com seu irmão mais velho, Piero di Lorenzo de Médici em Florença, durante a agitação provocada por Girolamo Savonarola e a invasão do rei Carlos VIII de França, permanecendo lá até à revolta dos florentinos e a expulsão dos Médici, em novembro de 1494. Enquanto Piero encontrou refúgio em Veneza e em Urbino, Giovanni viajou para Alemanha, Holanda e França.

Em maio de 1500, retornou a Roma, onde foi recebido com cordialidade por Alexandre VI, e onde viveu por vários anos estudando arte e literatura. Em 1503, apoiou Júlio II como papa, e no mesmo ano, após a morte de Piero de Médici, Giovanni tornou-se chefe de sua família. Em 1 de outubro de 1511, foi nomeado legado papal de Bolonha e da Romanha, e quando a república florentina declarou-se a favor dos pisanos cismáticos, Júlio II mandou-o contra sua cidade natal como líder do exército papal. Esta e outras tentativas para recuperar o controle político de Florença foram frustradas, até que uma revolução pacífica permitiu o retorno dos Médici. O irmão mais novo de Giovanni, Giuliano foi colocado na liderança da república, mas Giovanni tinha grande influência no governo.