Papa Leão I
English: Pope Leo I

Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Leão I.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
São Leão I, o Magno
Papa da Igreja Católica
45° Papa da Igreja Católica
Pintura de São Leão I Magno.
Atividade Eclesiástica
DioceseDiocese de Roma
Eleição29 de setembro de 440
Fim do pontificado 10 de novembro de 461 (21 anos)
PredecessorSisto III
SucessorHilário
Ordenação e nomeação
Santificação
Veneração porIgreja Católica
Igrejas Orientais
Igreja Anglicana
Festa litúrgica10 de novembro
Atribuições Papa impedindo Átila de destruir Roma.
Dados pessoais
Nascimento400
Toscana, Império Romano do Ocidente
Morte10 de novembro de 461 (61 anos)
Roma, Império Bizantino
SepulturaBasílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

Leão I (em latim: Leo P.P. I), dito o Grande ou Magno, foi papa entre 29 de setembro de 440 e sua morte em 10 de novembro de 461.[1] Um aristocrata de origem italiana, Leão foi o primeiro a receber o título de "o Grande". Ele é, provavelmente, mais famoso por ter ido ao encontro de Átila, o Huno, em 452 para persuadi-lo a desistir de sua invasão da Itália. Ele é também considerado um Doutor da Igreja, lembrado teologicamente por seu "Tomo de Leão", um documento que foi fundamental durante os debates do Concílio de Calcedônia. Este concílio ecumênico, o quarto, tratou principalmente de questões cristológicas e elucidou a definição considerada ortodoxa de que Cristo é uma união hipostática de duas naturezas - humana e divina - unidas em uma única pessoa, "sem confusão e nem divisão" (diofisismo). A ele se seguiu um grande cisma entre os diofisitas e as igrejas monofisitas e miafisitas.[2]

Primeiros anos

De acordo com o "Liber Pontificalis", Leão era nativo da Toscana. Em 431, já como diácono, ocupou uma posição suficientemente importante na visão do patriarca Cirilo de Alexandria a ponto deste escrever para ele para pedir a intervenção de Roma nas reivindicações do também patriarca Juvenal de Jerusalém sobre a Palestina - a menos que esta carta tenha sido endereçada ao papa Celestino I e não a Leão. Mais ou menos na mesma época, João Cassiano dedicou-lhe um tratado contra Nestório escrito a seu pedido. Mas nada mostra mais a confiança que lhe era dedicada do que ele ter sido escolhido pelo imperador para mediar a disputa entre Aécio e ocônsul Cecina Décio Aginácio Albino, as duas maiores autoridades romanas na Gália.

Neste ínterim, o papa Sisto III morreu (11 de agosto de 440) e Leão foi unanimemente eleito pelo povo para sucedê-lo. Em 29 de setembro, ele iniciou um pontificado que seria marcante para a centralização do governo da Igreja Romana.