Novela

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Novela (desambiguação).
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Telenovela, ou Radionovela.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)

Uma novela (do italiano novella: notícia; narração de acontecimento real ou imaginário[1]) em português, é um gênero literário que consiste em uma narrativa breve, sendo porém maior do que um conto e menor do que um romance.[2] Também se caracteriza por apresentar uma espécie de concentração temática em torno de um número restrito de personagens. Em comparação ao romance, pode dizer-se que a novela apresenta uma maior economia de recursos narrativos; em relação ao conto, há um maior desenvolvimento de enredo e personagens. A novela seria, então, uma forma intermédia entre o conto e o romance, caracterizada, em geral, por uma narrativa de extensão média, na qual toda a ação acompanha a trajetória de um único personagem, enquanto o romance, em geral, apresenta diversas tramas e linhas narrativas.

A novela literária

Os estudos de gênero da literatura de língua portuguesa classificam, grosso modo, uma narrativa em romance, novela ou conto. É comum dividirmos romance, novela e conto pelo número de páginas. Em média, a novela tem entre 50 e 100 páginas, ou seja 20 mil a 40 mil palavras. Entretanto, o romance tem diferenças importantes em relação à novela, e convém notar a diferença dos termos em diferentes línguas. Os equivalentes de novela em inglês, francês e espanhol são novella, nouvelle e novela corta ou novele, respectivamente, enquanto o romance é chamado novel, em inglês, roman, em francês, e novela, em espanhol.

Para Carlos Reis (2003), enquanto no conto a ação manifesta-se como uma ação singular e concentrada, no romance há um paralelo de várias ações e, na novela, há uma concatenação de ações individualizadas. Eikhenbaum, formalista russo, define a diferença entre um e outro em artigo de 1925. Para ele "o romance é sincrético, provém da história, do relato de viagem, enquanto novela é fundamental: provém do conto (Poe) e da anedota (Mark Twain). A novela baseia-se num conflito e tudo o mais tende para a conclusão."