Monte Everest
English: Mount Everest

Disambig grey.svg Nota: "Sagarmatha" redireciona para este artigo. Para a divisão administrativa, veja Sagarmatha (zona). Para outros significados, veja Everest (desambiguação).
Monte Everest
सगरमाथाSagarmāthā
ཇོ་མོ་གླང་མChomolungma
珠穆朗玛峰Zhūmùlǎngmǎ Fēng
A face norte do Everest vista do caminho para o acampamento base do lado tibetano
Monte Everest está localizado em: Planalto tibetano
Monte Everest
Localização no planalto tibetano
Coordenadas27° 59' 17" N 86° 55' 31" E
Altitude8 848 m (gelo)
8 844,43 m (rocha)[1]
Posição: 1
Proeminência8 848 m (gelo)
8 844,43 m (rocha)
Posição: 1
Cume-pai: nenhum
Isolamento40030.22 km
ListasSete cumes

8000s
Ponto mais alto de um país
Ultra
ContinenteÁsia
PaísesFlag of Nepal.svg Nepal
 China
Distrito do NepalSolukhumbu
Distrito do TibeteTingri
CordilheiraHimalaias
Primeira ascensão29 de maio de 1953 por Tenzing Norgay e Edmund Hillary
Rota mais fácilColo Sul (Nepal)

O monte Everest, também conhecido no Nepal como Sagarmāthā (सगरमाथा), no Tibete como Chomolungma (ཇོ་མོ་གླང་མ) e Zhūmùlǎngmǎ Fēng em chinês (珠穆朗玛峰), é a montanha de maior altitude da Terra. Seu pico está a 8 848 metros acima do nível do mar, na subcordilheira Mahalangur Himal dos Himalaias. A fronteira internacional entre o distrito nepalês do Solukhumbu e o distrito de Tingri da Região Autônoma do Tibete da China passa no cume. O maciço do Everest inclui, entre outros os picos do Lhotse (8 516 m), Nuptse (7 855 m) e Changtse (7 580 m).

O nome em inglês foi atribuído em 1865 pela Royal Geographical Society sob recomendação de Andrew Waugh, diretor do Survey of India, o organismo central de cartografia e topografia da Índia britânica. Não tendo conseguido saber os nomes locais da montanha, Waugh batizou-a com o nome do seu antecessor no Survey of India, George Everest.[2]

O Everest atrai muitos alpinistas, alguns deles experientes. Existem duas rotas principais de escalada: uma que se aproxima ao cume pela face sudeste, no Nepal (conhecida como a rota padrão) e outra pela face norte, no Tibete. Apesar da rota padrão não colocar desafios substanciais na técnica de escalada, o Everest apresenta perigos, tais como mal da montanha, condições climáticas, vento, bem como os perigos objetivos importantes, como avalanches. Em 2016, havia bem mais de 200 cadáveres na montanha, sendo que alguns deles chegam a servir como pontos de referência.[3][4]

Os primeiros esforços registrados para alcançar o topo do Everest foram feitos por alpinistas britânicos. Como na época o Nepal não permitia que estrangeiros fossem ao país, os britânicos fizeram várias tentativas na rota pelo lado norte, no território tibetano. Após a primeira expedição de reconhecimento pelos britânicos em 1921 chegar a 7 000 m pela encosta norte, uma expedição de 1922 chegou até 8 320 m, marcando a primeira vez que um humano esteve acima de 8 000 metros de altitude. Uma tragédia atingiu a equipe na descida, quando sete alpinistas foram mortos em uma avalanche. A expedição de 1924 resultou no maior mistério no Everest: George Mallory e Andrew Irvine fizeram uma tentativa de chegar ao cume em 8 de junho, mas nunca mais voltaram, o que provocou debate sobre se eles foram os primeiros a chegar ao topo. Eles haviam sido localizados no alto da montanha naquele dia, mas desapareceram nas nuvens e nunca mais foram vistos, até que o corpo de Mallory foi encontrado em 1999 a 8 155 metros de altitude na face norte da montanha. Em 1953, Tenzing Norgay e Edmund Hillary fizeram a primeira subida oficial do Everest usando a rota sudeste. Tenzing havia atingido 8 595 m no ano anterior como membro da expedição suíça de 1952. A equipe de montanhismo chinesa de Wang Fuzhou, Gonpo e Qu Yinhua fez a primeira ascensão relatada do pico pelo lado norte em 25 de maio de 1960.[5][6]

Origem

Maciço do Everest visto desde um avião comercial
Principais rotas de ascensão pela face norte da montanha
Principais rotas de ascensão pela face sul da montanha
Animação do terreno ao redor do Everest e de suas rotas de ascensão

O monte Everest está localizado na cordilheira dos Himalaias, a qual surgiu de um processo natural conhecido como dobramentos modernos (também conhecidos como cadeias orogênicas ou cinturões orogênicos). São estruturas geológicas que se originaram em virtude das ações do tectonismo e correspondem à formação de cadeias montanhosas, apresentando as maiores altitudes do planeta por serem relativamente jovens se comparadas a outras formações no planeta,[7] dessa forma o lento processo de erosão ainda atua sobre suas formações, diferente dos dobramentos antigos, onde os processos de erosão foram responsáveis pela formação de planaltos e bacias sedimentares.[8] O início da formação das principais cadeias de montanhas da Terra não ocorreu antes de 250 milhões de anos atrás, durante o período terciário. Estima-se que o Himalaia tenha surgido cerca 50 a 40 milhões de anos atrás, quando as massas de terra da Índia e da Eurásia, impulsionadas pelo movimento das placas tectônicas, colidiram.[9]