Montagem
English: Film editing

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)

Montagem ou edição é um processo que consiste em selecionar, ordenar e ajustar os planos de um filme ou outro produto audiovisual a fim de alcançar o resultado desejado - seja em termos narrativos, informativos, dramáticos, visuais, experimentais, etc. Em geral, a montagem é realizada pelo montador, em um equipamento compatível com a tecnologia empregada na realização do produto, sob a supervisão do diretor ou, em alguns casos, do produtor .[1]

Como é realizada após a filmagem, a montagem é um processo de pós-produção e durante muito tempo foi considerada como o único processo original do cinema, aquilo que tornaria o cinema uma arte ou uma linguagem diferenciada das demais. Hoje, no entanto, vários autores consideram que há muitas semelhanças entre a montagem e os processos de composição em outras formas artísticas, tais como a poesia ou o romance .[2]

Uma editora de filmes no trabalho em 1946

A edição de filmes é tanto uma peça criativa quanto uma parte tecnológica do processo de pós-produção do cinema . O termo é derivado do processo tradicional de trabalhar com filme, que envolve cada vez mais o uso da tecnologia digital. O editor de filmes trabalha com as imagens brutas, selecionando fotos e as combina em sequências que criam um filme finalizado. A montagem cinematográfica é descrita como uma arte ou habilidade, a única arte que é exclusiva do cinema, separando o cinema de outras formas de arte que a precederam, embora haja paralelos próximos com o processo de edição em outras formas de arte, como poesia e romance. A edição de filmes é muitas vezes referida como a "arte invisível"[3] porque, quando é bem praticada, o espectador pode ficar tão envolvido que não está ciente do trabalho do editor.

Em seu nível mais fundamental, a edição de filmes é a arte, a técnica e a prática de montar tomadas em uma sequência coerente. O trabalho de um editor não é simplesmente unir mecanicamente partes de um filme, cortar lousas de filme ou editar cenas de diálogo. Um editor de cinema deve trabalhar criativamente com as camadas de imagens, história, diálogo, música, ritmo, bem como as performances dos atores para efetivamente "re-imaginar" e até mesmo reescrever o filme para criar um todo coeso. Editores geralmente desempenham um papel dinâmico na produção de um filme. Às vezes, diretores de cinema auteuristas editar seus próprios filmes, por exemplo, Akira Kurosawa, Bahram Beyzai e os irmãos Coen .

Com o advento da edição digital, os editores de filmes e seus assistentes tornaram-se responsáveis por muitas áreas do cinema que antes eram responsabilidade de outros. Por exemplo, nos últimos anos, os editores de imagens lidavam apenas com isso - foto. Som, música e (mais recentemente) editores de efeitos visuais lidavam com os aspectos práticos de outros aspectos do processo de edição, geralmente sob a direção do editor de imagens e do diretor. No entanto, os sistemas digitais têm cada vez mais colocado essas responsabilidades no editor de imagens. É comum, especialmente em filmes de orçamento mais baixo, que o editor às vezes corte música temporária, faça efeitos visuais e adicione efeitos sonoros temporários ou outros substitutos sonoros. Esses elementos temporários são geralmente substituídos por elementos finais mais refinados produzidos pelas equipes de som, música e efeitos visuais contratados para completar a imagem.

Conceitos

Montagem em cinema (e, por extensão, em qualquer meio audiovisual) pode ser entendida de três maneiras diferentes: como uma habilidade, como uma técnica e como uma arte) [4]

Montagem-habilidade

Enquanto habilidade, a montagem pode ser descrita como uma série de procedimentos utilizados para arranjar as imagens e os sons de um filme, até que este tome a sua forma definitiva. O conjunto das habilidades necessárias para o processo de montagem varia muito quer se monte em filme, em vídeo ou em sistema digital.

Em filme, monta-se (ou montava-se) num aparelho chamado mesa de montagem (ou moviola), com o auxílio de uma coladeira, tesoura e fita adesiva .[5] O ato de montar um filme (do ponto de vista da habilidade) consiste em cortar pedaços do filme, selecioná-los, rearranjá-los e colá-los. O filme montado é um rearranjo de partes selecionadas do filme original (não-montado). A própria bitola do filme determina procedimentos mecânicos diferentes (e portanto uma habilidade diferente) na sua montagem: montar em 35 mm é diferente de montar em 16 mm ou super-8.

Em vídeo, monta-se (ou montava-se) num sistema chamado ilha de edição, que consiste em dois ou mais aparelhos de vídeo ligados a um controlador de edição .[6] O ato de montar (ou editar) um vídeo consiste em copiar trechos selecionados de uma fita para outra, dando-lhes um novo arranjo. O vídeo montado é uma cópia eletrônica de trechos selecionados e rearranjados do vídeo original (não montado). O próprio sistema de vídeo utilizado determina procedimentos mecânicos diferentes (e portanto uma habilidade diferente) na sua montagem: montar em VHS é diferente de montar em U-matic ou Betacam.

Em sistema digital, monta-se na memória de um computador, através de um programa de montagem. O ato de montar (ou compor) um filme ou vídeo em sistema digital consiste apenas em selecionar e rearranjar trechos dentro da memória do computador. O filme montado é uma projeção virtual (que não existe fisicamente em parte alguma) de trechos selecionados e rearranjados do filme original (não montado) .[7] O próprio programa utilizado determina procedimentos mecânicos diferentes (e portanto uma habilidade diferente) na montagem: montar em Final Cut Pro é diferente de montar em Avid ou em Premiere.

O responsável pela montagem-habilidade de um produto audiovisual é o operador do equipamento (mesa de montagem, ilha de edição, programa de computador).

Montagem-técnica

Enquanto técnica, a montagem é um conjunto de regras, caminhos e atalhos (e até mesmo a possibilidade sempre aberta de modificar, atualizar e subverter essas regras) para obter o melhor resultado possível a partir de um material previamente filmado.

A técnica da montagem é a mesma quer se trate de filme, vídeo ou sistema digital, e independe da bitola do filme, do sistema de vídeo ou do programa de montagem utilizado. Se os botões a apertar são outros, se a maneira concreta de cortar não é a mesma, se o resultado físico final é diferente (um filme cortado e colado, uma cópia eletrônica, uma projeção virtual), tudo isto se refere à montagem-habilidade e não à montagem-técnica .[8]

O responsável pela montagem-técnica de um produto audiovisual é o montador ou editor, que muitas vezes pode ser o próprio operador do equipamento, e portanto acumular as duas funções.

Montagem-arte

Enquanto arte, a montagem diz respeito a uma concepção geral do filme, que começa no planejamento anterior à filmagem (decupagem), inclui a própria forma de filmar (a execução da decupagem) e a montagem propriamente dita.

A arte da montagem, evidentemente, é a mesma quer se trate de filme, vídeo ou sistema digital, e independe da bitola do filme, do sistema de vídeo ou do programa de montagem utilizado. No entanto, muitas vezes usam-se palavras diferentes: montagem para filme, edição para vídeo, composição para alguns programas digitais -ou, às vezes, montagem para a imagem, edição para o som. Na verdade, a única diferença real entre montagem e edição é que uma palavra vem do francês (montage) e a outra do inglês (edition), significando rigorosamente a mesma coisa: a habilidade, a técnica e a arte de colocar um produto audiovisual em sua forma definitiva, selecionando e rearranjando as imagens e os sons originalmente captados.

O responsável pela montagem-arte de um produto audiovisual é, em princípio, o diretor - embora, em algumas situações absolutamente industriais, o produtor assuma essa responsabilidade, em parte ou no todo.