Moldávia
English: Moldova

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Moldávia (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Republica Moldova
República da Moldávia
Bandeira da Moldávia
Brasão de armas da Moldávia
BandeiraBrasão de armas
Lema: Limba noastră-i o comoară ("Nossa língua e um tesouro")
Hino nacional: Limba noastră ("Nossa Língua")
Gentílico: moldávio, moldávico, moldavo, moldovo[1][2][3][4][5]

Localização da Moldávia

Localização da Moldávia (em verde)
No continente europeu (em cinza escuro)
CapitalQuichinau
Língua oficialRomeno1
Línguas reconhecidasGagauz e ucraniano
GovernoRepública parlamentarista
 - PresidenteIgor Dodon
 - Primeira-ministraMaia Sandu
Independência 
 - da União Soviética27 de agosto de 1991 
Área 
 - Total33.844 km² (139.º)
 - Água (%)1,4
População 
 - Censo 20173 350 900[6] hab. 
 - Densidade75 hab./km² (145.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2007
 - TotalUS$ 9 367 milhões (141.º)
 - Per capitaUS$ 2 962 (135.º)
IDH (2017)0,700 (112.º) – médio[7]
MoedaLeu moldávio (MDL)
Fuso horário(UTC+2)
 - Verão (DST) (UTC+3)
Cód. Internet.md
Cód. telef.+373
Website governamentalwww.moldova.md

Mapa da Moldávia

1 Até 2013 a Constituição da Moldávia declarava que o nome da língua oficial do país era o "moldávio". Apesar de, linguisticamente, tratar-se do mesmo que romeno.[8]

A Moldávia[9][10][11][12][13] ou Moldova,[14][15] (República da Moldávia; protocolarmente[16][17][18] República da Moldova, em romeno: Republica Moldova; pronunciado: [reˈpublika molˈdova] (Sobre este somescutar )) é um país sem costa marítima da Europa oriental, que faz fronteira com a Ucrânia e com a Roménia (pela região romena também chamada "Moldávia"). Sua capital é a cidade de Quichinau (em romeno Chișinău).

Em 1991, a então República Socialista Soviética da Moldávia declarou independência da União Soviética, durante o processo de dissolução da URSS.

Apenas uma região que pertencia à extinta República Soviética da Moldávia, porém, recusou-se a integrar a nova "República da Moldávia": a região conhecida como Transnístria (uma pequena faixa territorial situada a leste do rio Dniestre) preferiu declarar sua própria independência, e de fato governa-se autonomamente desde a década de 1990, embora seja atualmente reconhecida por todos os países membros da ONU como parte integrante da Moldávia.

Desde o colapso da União Soviética, o peso relativo do setor dos serviços na economia da Moldávia cresceu e começou a dominar o seu Produto Interno Bruto (hoje cerca de 62,5%) como resultado de um decréscimo do peso da sua indústria e agricultura. Contudo, o país ainda é o mais pobre da Europa, e o único país europeu que ainda apresenta um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) considerado "médio" pela ONU.

A Moldávia é uma república parlamentar com um presidente como chefe de Estado e um primeiro-ministro como chefe de governo. O país é membro das Nações Unidas, do Conselho da Europa, da Organização Mundial do Comércio (OMC), da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), do GUAM — Organização para a Democracia e o Desenvolvimento Económico, da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), da Organização de Cooperação Económica do Mar Negro (OCEMN), entre outras organizações internacionais. O país tenciona tornar-se membro da União Europeia,[19] e já implementou o primeiro Plano de Ação trianual, no contexto da Política de Vizinhança Europeia (PEV).[20]

História

Ver artigo principal: Lista de governantes da Moldávia

No século XV, o Reino da Moldávia era um importante centro regional de poder. Ocupava a Bessarábia, a Moldávia Ocidental e a Bucovina. A partir do século XVI, teve sucessivos suseranos (senhores feudais) húngaros, lituanos, romenos e turcos. Em 1812, a região foi dividida pelo Tratado de Bucareste: a Bessarábia, localizada entre os rios Prut e Dniestre, foi entregue pelo Império Turco-Otomano ao Império Russo. Em 1878, a Romênia proclamou a independência e uniu-se à Moldávia Ocidental. O Império Russo controlou a Bessarábia até a Primeira Guerra Mundial. Em 1918, a Bessarábia uniu-se à Roménia.

Durante o domínio russo, uma forte política de russificação foi implementada, com a substituição do alfabeto latino pelo cirílico, a deportação da população local e sua substituição por nacionais russos.

A Primeira Guerra Mundial trouxe mais consciência política e cultural à população, já que cerca de 300 mil bessarábicos foram enviados ao recém-formado exército russo em 1917 e grandes unidades de soldados moldavos foram formadas. Acompanhando a Revolução Russa em 1917, um parlamento bessarábico, Sfatul Ţării (outubro-novembro 1917), inaugurado no dia 3 de dezembro daquele ano, proclamou a República Democrática da Moldávia, ainda como parte do Federação Russa, e formou seu governo em 21 de dezembro. A Bessarábia proclamou sua independência da Rússia em fevereiro de 1918, e, sob proteção do exército romeno, que havia entrado na região em janeiro a pedido das autoridades locais para impor a ordem (as tropas russas ainda presentes no território mas em retirada desorganizada iniciaram uma série de ataques, assaltos e violações). O Sfatul Ţării decidiu (86 votos a favor, 3 contra e 36 abstenções) unir-se ao Reino da Romênia. Essa união foi logo reconhecida pelo Tratado de Paris (1920), mas a Rússia soviética não reconheceu o domínio romeno sobre a Bessarábia, em razão de antigas reivindicações sobre essa região. No Tratado de Kellogg-Briand de 1928 e no Tratado de Londres de julho de 1933, a União Soviética e a Romênia acordaram o princípio da não violência para tratar de suas disputas territoriais.

Numa tentativa de afastar a influência russa, as autoridades romenas permitiram que a língua de formação e educação fosse escolhida pelos moldavos. A longo prazo, seu objetivo era substituir pelo idioma romeno a língua imposta pelos russos.

Em 1939, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, URSS e Alemanha assinam o Pacto Molotov-Ribbentrop no qual, secretamente, inseria-se a intenção russa de anexar diversos territórios, dentre os quais a Bessarábia, que já havia estado sob seu domínio. Após o encerramento do conflito, Moscou garantiu sua soberania sobre a Bessarábia, que, somada a um ínfimo pedaço do território ucraniano, a Transnístria, deu origem à República Soviética da Moldávia.