Margaret Thatcher

A Muito Honorável
A Baronesa Thatcher
LG OM PC FRS FRIC
Primeira-Ministra do Reino Unido
Período4 de maio de 1979
até 28 de novembro de 1990
MonarcaIsabel II
AntecessorJames Callaghan
SucessorJohn Major
Líder da Oposição
Período11 de fevereiro de 1975
até 4 de maio de 1979
Primeiro-MinistroHarold Wilson (1975–1976)
James Callaghan (1976–1979)
AntecessorEdward Heath
SucessorJames Callaghan
Líder do Partido Conservador
Período11 de fevereiro de 1975
até 28 de novembro de 1990
AntecessorEdward Heath
SucessorJohn Major
Secretária de Estado para
Educação e Ciência
Período20 de junho de 1970
até 4 de março de 1974
Primeiro-ministroEdward Heath
AntecessorEdward Short
SucessorReg Prentice
Membro do Parlamento por Finchley
Período8 de outubro de 1959
até 9 de abril de 1992
AntecessorJohn Crowder
SucessorHartley Booth
Membro da Câmara dos Lordes
Lorde Temporal
Período30 de junho de 1992
até 8 de abril de 2013
Dados pessoais
Nome completoMargaret Hilda Roberts
Nascimento13 de outubro de 1925
Grantham, Lincolnshire,
Reino Unido
Morte8 de abril de 2013 (87 anos)
Londres, Reino Unido
ProgenitoresMãe: Beatrice Stephenson
Pai: Alfred Roberts
Alma materSomerville College, Oxford
MaridoDenis Thatcher (1951–2003)
Filhos2 (Mark e Carol)
PartidoConservador
ReligiãoMetodista (1925–1951)
Anglicanismo (1951–2013)
ProfissãoQuímica
Advogada
Consultante
Política

Margaret Hilda Thatcher, Baronesa Thatcher de Kesteven LG, OM, PC, FRS, FRIC (Grantham, 13 de outubro de 1925Londres, 8 de abril de 2013) foi uma política britânica que serviu como Primeira-Ministra do Reino Unido de 1979 a 1990 e Líder da Oposição entre 1975 e 1979. Foi a Primeira-Ministra com o maior período no cargo durante o século XX e a primeira mulher a ocupá-lo. Thatcher também era conhecida pela alcunha "Dama de Ferro", dada por um jornalista soviético e que associou-se ao seu estilo de liderança. Como Primeira-Ministra, implementou políticas que passaram a ser conhecidas como Thatcherismo.

Graduada em Química pela Somerville College, Universidade de Oxford, Thatcher também trabalhou como barrister antes de ser eleita para a Câmara dos Comuns pelo distrito de Finchley em 1959. O Primeiro-Ministro Edward Heath nomeou-a sua Secretária de Estado para Educação e Ciência em seu governo conservador. Em 1975, Thatcher derrotou Heath na eleição pela liderança do Partido Conservador, tornando-se a Líder da Oposição, bem como a primeira mulher a liderar um grande partido político no Reino Unido. Após vencer as eleições de 1979, foi empossada como Primeira-Ministra.

Thatcher introduziu uma série de iniciativas políticas e econômicas destinadas a reverter o alto desemprego e as dificuldades do país na sequência de uma recessão. Sua filosofia política e suas políticas econômicas enfatizaram a desregulamentação (particularmente do setor financeiro), mercados de trabalho flexíveis, a privatização de empresas estatais e a redução do poder e influência dos sindicatos. A popularidade de Thatcher durante seus primeiros anos no cargo diminuiu em meio à recessão e ao aumento do desemprego, até a vitória na Guerra das Malvinas em 1982 e a recuperação da economia, que fizeram seu apoio popular ressurgir e ser decisivamente reeleita em 1983. Em 1984, sobreviveu a uma tentativa de assassinato.

Thatcher foi reeleita em 1987. Em seu terceiro mandato, o seu apoio a um imposto comunitário foi amplamente impopular, e suas opiniões sobre a Comunidade Europeia não foram compartilhadas por outros integrantes de seu gabinete. Em novembro de 1990, após sua liderança no Partido Conservador ser desafiada, renunciou como Primeira-Ministra. Depois de se retirar da Câmara dos Comuns em 1992, recebeu um par vitalício como Baronesa Thatcher (de Kesteven no condado de Lincolnshire), um título que lhe garantiu um assento da Câmara dos Lordes. Em 2013, morreu vitimada por um acidente vascular cerebral aos 87 anos. Sempre uma figura controversa, Thatcher recebeu boas classificações nas pesquisas sobre os melhores e mais influentes governantes da história do país, mesmo que os argumentos sobre o Thatcherismo persistam.

Primeiros anos, família e educação

A mercearia de Alfred Roberts e local de nascimento de sua filha Margaret.[1]

Thatcher nasceu chamando-se Margaret Hilda Roberts em 13 de outubro de 1925, em Grantham, Lincolnshire.[2] Seus pais eram Alfred Roberts, de Northamptonshire, e Beatrice Ethel (née Stephenson), de Lincolnshire.[3] Margaret passou sua infância em Grantham, onde seu pai era dono de duas mercearias.[4] Antes da Segunda Guerra Mundial, em 1938 a família Roberts deu refúgio a Edith Muhlbauer, uma jovem judia adolescente que escapou da Alemanha nazista.[5] Com 12 anos de idade, Margaret e sua irmã mais velha Muriel arrecadaram dinheiro suficiente com uma campanha no Rotary Club para pagar a viagem e a estadia da adolescente.[6][7][8] Muhlbauer permaneceu na casa dos Roberts até 1940; mais tarde, sua filha relatou que Muhlbauer costumava dizer que os Roberts "salvaram sua vida."[9][10]

Além de comerciante, Alfred Roberts foi um vereador e pregador da fé metodista, tendo criado suas filhas seguindo estritamente os mandamentos de sua religião.[11] Ele era proveniente de uma família simpática ao Partido Liberal, mas, como era costume no governo local, candidatava-se nas eleições como um político independente. Alfred foi o prefeito de Grantham entre 1945 e 1946, perdendo seu cargo de vereador em 1952 depois que o Partido Trabalhista ganhou sua primeira maioria no Conselho de Grantham em 1950.[11][12]

Margaret aos 13 anos de idade.

Margaret Roberts estudou na Escola Primária Huntingtower Road e transferiu-se para a Escola para Meninas Kesteven e Grantham após ganhar uma bolsa de estudos.[13][14] Seus registros escolares revelam um trabalho árduo e melhoria contínua; suas atividades extracurriculares incluíam piano, hóquei em campo, recitais de poesia, natação e caminhadas.[15][16] Em seu último ano em Kesteven e Grantha, candidatou-se a uma bolsa de estudos para estudar Química no Colégio Somerville, pertencente à Universidade de Oxford, na época uma faculdade que aceitava apenas mulheres. Inicialmente rejeitada, ofereceram-lhe uma vaga somente depois que outra candidata desistiu.[17][18]

Roberts chegou a Oxford em 1943 e graduou-se em 1947 com honras de segunda classe, nos quatro anos de licenciatura em Bacharelado de Ciência em Química, especializando-se em cristalografia de raios X sob a supervisão de Dorothy Hodgkin.[19][20] Sua dissertação abordou a estrutura do antibiótico gramicidina.[21] Roberts não se dedicou inteiramente ao estudo da química, pois só pretendia ser uma química por um curto período de tempo.[22] Mesmo quando trabalhava nesta área, já estava pensando em leis e política.[23] Ela teria ficado mais orgulhosa de tornar-se a primeira Primeira-Ministra com um Bacharelado de Ciência do que a primeira mulher a ocupar o cargo, e como Primeira-Ministra tentou preservar Somerville como uma faculdade apenas para mulheres.[24][25] Em 1946, tornou-se a presidente da Associação Conservadora da Universidade de Oxford.[26][27] Ela foi influenciada por trabalhos como O Caminho da Servidão de Friedrich Hayek, que condenou a intervenção econômica do governo como precursor de um estado autoritário.[28][29]

Durante seus estudos em Oxford, Roberts foi reconhecida por sua postura isolada e séria.[30] Nesta época, conheceu e namorou um jovem chamado Tony Bray (1926–2014), que ficou impressionado com Roberts e posteriormente recordou que ela era "muito pensativa e muito boa conversadora. Provavelmente o que me interessou. Ela era boa com assuntos gerais."[30][31] Sendo mulher, seu entusiasmo pela política o fez pensar que ela era "incomum."[30] Bray conheceu os pais de Roberts e descreveu Alfred como "um pouco austero" e "totalmente correto" e Beatrice como "muito adequada" e "maternal."[30][31] Bray e Roberts afastaram-se e, depois da graduação, Roberts mudou-se para Colchester, em Essex, para trabalhar como pesquisadora da BX Plastics.[32] Em 1948, candidatou-se a um emprego na Imperial Chemical Industries, mas foi rejeitada depois que o departamento de recursos humanos a avaliou como "teimosa, obstinada e perigosamente dona da verdade."[33] O professor Jon Agar explorou sua carreira como química e argumentou que sua compreensão da pesquisa científica moderna impactou seus pontos de vista como Primeira-Ministra.[34]