Maomé IX de Granada

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Maomé IX de Granada
Emir ou rei de Granada
COA of Nasrid dynasty kingdom of Grenade (1013-1492).svg
Brasão do Reino de Granada
Reinado14191453
Antecessor(a)Maomé VIII
Sucessor(a)Maomé XI
DinastiaNasridas
Nome completo
بو عبد الله الأيسر "الغالب" محم بن نصر;
ʾAbū ʿabd Allāh al-ʾaysar al-Ḡālib Muḥammad ben Naṣr
Nascimento1396
Morte1453 (57 anos)

Muḥammad aṣ-Ṣaḡīr ben Naṣr (em árabe: محمد الصغير بن نصر) ou ʾAbū ʿabd Allāh al-ʾaysar al-Ḡālib Muḥammad ben Naṣr [1] (بو عبد الله الأيسر "الغالب" محم بن نصر) ou simplesmente Maomé IX, alcunhado de al-'Aysar (أيسر; "o canhoto"), as-Saghir (صغير; "o pequeno") e al-Ghalib (غالب; "o vencedor; 13961453 ou 1454) foi o 15º rei nasrida de Granada, que reinou em quatro ocasiões entre 1419 e 1453 ou 1454.

Era neto do rei Maomé V de Granada, mas o seu pai não foi rei.[2] Começou por suceder ao seu parente Maomé VIII em 1419, na sequência duma rebelião. O seu reinado foi particularmente caótico, tendo sido interrompido três vezes.

Contexto histórico

Todos os reinados de Maomé IX foram marcados pela lutas entre os clãs mais influentes do emirado e pelas intervenções de Castela, o que resultou em três interrupções durante as quais reinaram outros emires.

Ao longo de todo o reinado de VIII, reinou em Castela João II, que subiu ao trono em 1406, quando tinha apenas um ano de idade e morreu em 1454. João II tem a reputação de ter sido um dos reis mais fracos e menos capazes da história castelhana. Durante o seu reinado, Castela não representou um grande perigo militar, mas isso não impediu João de fomentar desordens no emirado granadino explorando as rivalidades entre os clãs de Granada.

Também em Aragão, durante todo o reinado de Maomé IX, reinou Afonso V de Aragão (r. 1416–1456). No entanto este soberano não mostrou muito interesse pela política ibéricos, aparentemente preferindo dedicar-se a Nápoles, à Sardenha e à Sicília.

Este contexto está na origem de não terem ocorrido quaisquer grandes batalhas envolvendo os reino granadino, o que foi uma sorte para os Nasridas que já não tinham quaisquer aliados com quem pudessem contar para os auxiliar.