Madureira Esporte Clube

Madureira Esporte Clube
Madureira EC (RJ).svg
NomeMadureira
AlcunhasTricolor Suburbano
Madura
Torcedor/AdeptoTricolor Suburbano
MascoteZé Carioca
Fundação8 de agosto de 1914 (105 anos)
EstádioConselheiro Galvão
Capacidade5 400
LocalizaçãoRio de Janeiro, Brasil
PresidenteBrasil Elias Duba
TreinadorBrasil Gaúcho
Material (d)esportivoBrasil Icone Sports
CompetiçãoCampeonato Carioca
Copa Rio
Website[1]
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Madureira Esporte Clube é uma agremiação esportiva brasileira, sediada no Rio de Janeiro e fundada a 8 de agosto de 1914. O clube é um dos times mais tradicionais do Rio de Janeiro. Também é conhecido como o Tricolor Suburbano, pelas cores de sua camisa em listras verticais grenás, azuis e amarelas; compõe o uniforme, calções azuis e meias tricolores, como as cores da camisa.

História

Madureira em 2007

Fundação e primeiros anos

No dia 16 de fevereiro de 1933, era fundado por comerciantes do bairro de Madureira o Madureira Atlético Clube, cuja grafia original era Madureira Athletico Clube, resultado da fusão de dois clubes, o Fidalgo Football Club, fundado em 08 de agosto de 1914, e o Magno Football Club, fundado em 15 de agosto de 1913.

Em 1936, o clube conquista seu primeiro título, o primeiro turno do Campeonato Carioca de 1936.[1] Com isso, o clube jogou a final do campeonato contra o Vasco da Gama, vencendo o primeiro jogo, porém perdendo os dois seguintes, sendo assim vice-campeão.

Fusão

Com o objetivo de criar uma equipe forte tanto no futebol quanto em outros esportes, o Madureira Atlético Clube se fundiu no dia 12 de outubro de 1971 com o Madureira Tênis Clube e o Imperial Basquete Clube, formando assim o Madureira Esporte Clube.[2]

Fatos históricos

O recorde brasileiro de permanência de um clube no exterior pertence ao Madureira, quando realizou 36 jogos em 144 dias no ano de 1961, viajando pela Europa, Ásia e Estados Unidos, obtendo 23 vitórias, 3 empates e 10 derrotas, marcando 107 gols, média de quase 3 gols por partida, sendo o primeiro clube de futebol brasileiro a visitar o Japão e Hong Kong, nesta excursão.[3] Foi também o primeiro clube latino-americano a visitar a China comunista.

Buscando ampliar as atividades esportivas do clube, em 12 de outubro de 1971 foi criado o Madureira Esporte Clube, após a fusão do Madureira Atlético Clube, Madureira Tênis Clube e Imperial Basquete Clube. Apesar disso, oficialmente a data de fundação do Madureira é 8 de agosto de 1914, data de fundação do Fidalgo, um dos clubes que no passado vieram a dar origem ao Madureira.

A vocação do Madureira sempre foi a de um clube revelador de talentos, frequentemente conseguindo bons resultados nas Categorias de Base, tanto que no ano de 1974 sagrou-se campeão carioca de juniores e em 1993 sagrou- se campeão carioca de juniores pela série B, em 1998 de juvenis e em 1997 e 2000 de infantis, já tendo revelado jogadores como Waldo Machado, Evaristo de Macedo, Jair Rosa Pinto, Lelé, Isaías, Marcelinho Carioca, Iranildo, Souza e Léo Lima.

Elias Duba, o presidente

Também passou pelo clube o jogador Derlei, que mais tarde viria a ser campeão da UEFA Champions League e Mundial de Clubes pelo FC Porto.

Em 2006, o Madureira, comandado por Alfredo Sampaio, sagrou-se vice-campeão carioca da 1º Divisão de profissionais, tendo conquistado ainda nesse campeonato, a Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca.

Em 2007, também fez excelente campanha no Campeonato Estadual do Rio de Janeiro, goleando inclusive, o Flamengo por 4 a 1, com 4 gols do atacante Marcelo. O time conseguiu chegar à final da Taça Guanabara (1º turno do campeonato carioca) contra o próprio Flamengo, tendo vencido a primeira partida por 1 a 0. Na segunda partida, porém, foi goleado por 4 a 1 e ficou com o vice-campeonato..

Em 2010, o dia 16 de outubro entrou para a história do Madureira: pela primeira vez, o Tricolor Suburbano conseguiu o acesso em uma divisão do Campeonato Brasileiro. Comandada pelo técnico Antônio Carlos Roy e recheada de jogadores formados em casa, a equipe derrotou o Operário-PR no Estádio Aniceto Moscoso por 6-2 (já havia vencido o primeiro confronto por 4-2), em partida válida pela Série D do mesmo ano. Com isso, o Madureira obteve vaga para disputar a Série C de 2011

A Diretoria de Competições da CBF divulgou em seu site oficial a classificação final do Campeonato Brasileiro da Série D de 2010, pouco mais de um mês após a decisão do STJD que puniu o América-AM com a perda de seis pontos e mais os pontos ganhos nas partidas disputadas contra o Joinville (total de quatro, sendo uma vitória e um empate), quando o time amazonense escalou irregularmente o jogador Amaral).

Com esta decisão, o Joinville terminou na quarta colocação e herdou a vaga na Série C. Outro time beneficiado foi o Madureira. Eliminado pelo próprio América-AM nas semifinais, o Tricolor Suburbano assumiu a segunda colocação na competição, se tornando vice-campeão brasileiro da Série D, sendo este o maior feito do clube carioca em competições nacionais.[4]

Já em 2011, o Madureira terminou a Série C em 3º no seu grupo, não se classificando para a 2ª fase. Na Copa Rio, o time foi campeão ao derrotar o Friburguense nas duas partidas da final, classificando-se para a Copa do Brasil de 2012.

No entanto, quando 2012 finalmente chegou, a equipe não fez boa campanha e foi eliminada do torneio na primeira fase, após um único jogo em casa, no qual foi derrotada por 2 a 0 pelo Criciúma. No Campeonato Carioca, o Madureira também não foi bem e terminou a classificação geral em 12º. Já na Série C, os primeiros jogos foram animadores: a equipe carioca chegou a liderar o Grupo B da competição por quatro rodadas, mas caiu de desempenho ao longo do campeonato e escapou por pouco do rebaixamento à Série D. Na Copa Rio, o Tricolor passou fácil pelas primeiras fases, mas foi eliminado na semifinal pelo Bangu após dois empates e uma disputa por pênaltis.

Em 2015, o Tricolor começou bem o ano e quase conseguiu uma vaga para as semifinais do Campeonato Carioca, terminando a competição em quinto lugar e conquistando o título da Taça Rio.[5][6] Porém, ao final da temporada, acabou rebaixado para a Série D do Campeonato Brasileiro, após cinco anos na Série C.[7]

Dois anos depois, foi a vez do clube viajar pelas Américas. Os amistosos, negociados por José da Gama Correia da Silva, o Zé da Gama, português que presidiu o Madureira no biênio 1959/60 e atuava como empresário de futebol, começaram na Colômbia, seguiram-se na Costa Rica, passando por El Salvador e México. Em Cuba, o Madureira fez um total de cinco jogos, vencendo todos: Industriales (campeão local, 5 a 2), Municipalidad de Morrón, da Província de Camaguey (6 a 1), um combinado universitário (11 a 1) e uma seleção de Havana (vitórias por 1 a 0 e 3 a 2). A segunda, no dia 18 de maio, foi presenciada por Che Guevara, na época Ministro da Indústria.