Madagáscar
English: Madagascar

Disambig grey.svg Nota: Se procura por por outras acepções, veja Madagascar (desambiguação).
République de Madagascar (francês)
Repoblikan'i Madagasikara (malgaxe)

República de Madagáscar / Madagascar
Bandeira de Madagáscar
Brasão de armas de Madagáscar
BandeiraBrasão de armas
Lema: "Tanindrazana, Fahafahana, Fandrosoana " ("Pátria, Liberdade, Progresso")
Hino nacional: "Ry Tanindrazanay malala ô!"
("Ó Nossa Pátria Amada!")
Gentílico: madagascarense, malgaxe[1]

Localização República de Madagáscar

Capital47° 31' E
Cidade mais populosaAntananarivo
Língua oficialMalgaxe, Francês
GovernoRepública semipresidencialista
 - PresidenteAndry Rajoelina
 - Primeiro-ministroChristian Ntsay
 - Presidente do SenadoRivo Rakotovao
Independênciada França 
 - Data26 de junho de 1960 
Área 
 - Total587 041 km² (44.º)
 - Água (%)0,13
 Fronteiranão possui fronteiras terrestres; os vizinhos mais próximos são as Seicheles (N), Moçambique (W) e Comores (NW), além de diversas possessões francesas na região.
População 
 - Estimativa para 2014[2]22 434 363 hab. (56.º)
 - Densidade30 hab./km² (150.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 33,642 bilhões*[3] 
 - Per capitaUS$ 1 429[3] 
PIB (nominal)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 11,188 bilhões*[3] 
 - Per capitaUS$ 475[3] 
IDH (2017)0,519 (161.º) – baixo[4]
Gini (2001)47,5[5]
MoedaAriary (MGA)
Fuso horário(UTC+3)
 - Verão (DST)não observado (UTC+3)
ClimaTropical e semiárido
Org. internacionaisONU, UA, SADC, COMESA, Francofonia
Cód. ISOMDG
Cód. Internet.mg
Cód. telef.+261
Website governamentalhttp://www.madagascar
.gov.mg/

Mapa República de Madagáscar

Madagáscar (pt) ou Madagascar (pt-BR), oficialmente República de Madagáscar[6]/Madagascar[7] (malgaxe: Repoblikan'i Madagasikara; francês: République de Madagascar), anteriormente conhecida como República Malgaxe, é um país insular no Oceano Índico, que ocupa a maior ilha do continente africano, situada ao largo da costa sudeste da África.

Ademais da ilha de Madagascar (a maior ilha da África e a quarta maior do mundo), o país compreende um numeroso conjunto de ilhas periféricas menores. Após o desmembramento pré-histórico do supercontinente Gondwana, Madagascar se separou da Índia cerca de 88 milhões de anos atrás, permitindo que plantas e animais nativos evoluíssem em relativo isolamento. Consequentemente, Madagascar é um hotspot de biodiversidade; mais de 90 por cento de sua vida selvagem não é encontrada em nenhum outro lugar na Terra. Diversos ecossistemas da ilha estão ameaçados pelo avanço do rápido crescimento da população humana, bem como pelo recém-descoberto sapo-cururu que, segundo os pesquisadores, "poderia causar estragos na biodiversidade única de Madagascar".[8]

O assentamento humano inicial de Madagascar ocorreu entre 350 a.C. e 550 d.C. por povos austronésios que chegaram em canoas de Bornéu. A estes juntaram-se, em torno de 1000 d.C., imigrantes bantos que cruzaram o Canal de Moçambique. Outros grupos continuaram a se estabelecer em Madagascar ao longo do tempo, cada um fazendo contribuições duradouras para a vida cultural malgaxe. O grupo étnico malgaxe é frequentemente dividido em dezoito ou mais subgrupos dos quais o maior é o merina do planalto central. 

Até o final do século XVIII, a ilha de Madagascar foi governada por uma variedade fragmentada de alianças sociopolíticas. A partir do início do século XIX, a maior parte da ilha foi unida e governada como Reino de Madagascar por uma série de nobres de Merina. A monarquia entrou em colapso em 1897, quando a ilha foi absorvida pelo império colonial francês, do qual a ilha se tornou independente em 1960. O estado autônomo de Madagascar desde então passou por quatro grandes períodos constitucionais, denominados repúblicas. Desde 1992, o país foi oficialmente governado como uma democracia constitucional a partir de sua capital em Antananarivo. No entanto, em um levante popular em 2009, o último presidente eleito Marc Ravalomanana foi demitido e o poder presidencial foi transferido em março de 2009 para Andry Rajoelina, em um movimento amplamente visto pela comunidade internacional como um golpe de Estado

Em 2012, a população de Madagascar foi estimada em pouco mais de 22 milhões, 90 por cento dos quais vivem com menos de dois dólares por dia. Malgaxe e francês são ambas línguas oficiais do Estado. A maioria da população segue crenças tradicionais, o cristianismo, ou uma fusão de ambos. Ecoturismo e agricultura, emparelhados com maiores investimentos em educação, saúde e iniciativa privada, são elementos-chave da estratégia de desenvolvimento de Madagáscar. Sob Ravalomanana esses investimentos produziram um crescimento econômico substancial, mas os benefícios não foram uniformemente distribuídos a toda a população, produzindo tensões sobre o aumento do custo de vida e declínio do nível de vida entre os pobres e alguns segmentos da classe média.

Topónimos

Madagáscar era o nome que André Filipe Passos Jerónimo deu à ilha (1502) e deriva do latim medieval: era o nome de uma ilha imaginária da região por volta de 1500 que identificou a Madagáscar atual. Por sua vez, o nome latino, derivado de "Madeigascar" (também Madagosho, Madagascar), era o nome de um reino insular africano mencionado por Marco Polo em seu livro (século XIII).[9]