Macau

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Macau (desambiguação).
澳門 • Macau
中華人民共和國澳門特別行政區
Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China (RAEM)
Bandeira da RAEM
Brasão de armas da RAEM
BandeiraBrasão de armas
Hino nacional: Marcha dos Voluntários[nota 1]
Gentílico: de Macau [nota 2]

Localização de Macau

CapitalNão tem [nota 3]
Língua oficialchinês[nota 4] e português[nota 5]
GovernoReg. Admin. Especial
 - Chefe do ExecutivoFernando Chui Sai-on
 - Presidente do Tribunal de Última InstânciaRodrigo Tsang
 - Presidente da Assembleia LegislativaDiogo Cheng
Acontecimentos importantes 
 - Início da ocupação portuguesa de Macau1557[2] 
 - Ocupação perpétua portuguesa reconhecida pela China1887[2] 
 - Ocupação perpétua renunciada por Portugal1967[2] 
 - Transferência de soberania. Estabelecimento da RAEM.20 de dezembro de 1999[2] 
Área 
 - Total30,3[3] km² 
 - Água (%)0
População 
 - Estimativa para 2015640 700[4] hab. 
 - Censo 2011552 503[5] hab. 
 - DensidadeAproximadamente 18 811 hab./km² 
PIB (base PPC)Estimativa de 2011
 - TotalUS$ 47,19 mil milhões *[6] 
 - Per capitaUS$ 82 400[6] 
PIB (nominal)Estimativa de 2012
 - TotalUS$ 44,3 mil milhões *[6] 
 - Per capitaUS$ 77 353[6] 
IDH (2013)0,892 (14.º) – muito elevado[nota 6][7]
Moedapataca (MOP)
Fuso horárioMST (UTC+8[8])
Cód. Internet.mo
Cód. telef.+853
Website governamentalwww.gov.mo

Mapa de Macau

Macau (em chinês tradicional: 澳門; em chinês simplificado: 澳门; pinyin: Àomén, pronunciado: ɑ̂ʊ̯mə̌n; em cantonês jyutping: ou3mun4*2, em cantonês Yale: Oumùhn, pronunciado: ʔōu mǔːn, em hacá: Au4mun2) é uma das regiões administrativas especiais da República Popular da China desde 20 de dezembro de 1999, sendo a outra Hong Kong.[9][10] Antes desta data, Macau foi colonizada e administrada por Portugal durante mais de 400 anos e é considerada o primeiro entreposto, bem como a última colónia europeia na Ásia.[11]

A colonização de Macau teve início em meados do século XVI,[2] com uma ocupação gradual[nota 7] de navegadores portugueses que rapidamente trouxeram prosperidade a este pequeno território, tornando-o numa grande cidade e importante entreposto comercial entre a China, a Europa e o Japão. Macau atingiu o seu auge nos finais do século XVI e nos inícios do século XVII, mas só em 1887 a China reconheceu oficialmente a soberania e a ocupação perpétua portuguesa de Macau, através do "Tratado de Amizade e Comércio Sino-Português".[2] Em 1967, como consequência do Motim 1-2-3, que marcou a revolta dos residentes chineses pró-comunistas de Macau, em 3 de dezembro de 1966, Portugal renunciou à sua ocupação perpétua de Macau.[2] Em 1987, após intensas negociações entre Portugal e a República Popular da China, os dois países acordaram que Macau voltaria para a soberania chinesa no dia 20 de dezembro de 1999.[2] Atualmente,[quando?] Macau está a experimentar um grande e acelerado crescimento económico, baseado no acentuado desenvolvimento do sector do jogo e do turismo, as duas atividades económicas vitais desta região administrativa especial chinesa.

A Região Administrativa Especial de Macau é constituída pela península de Macau e por duas ilhas: (Taipa e Coloane. Após a ligação feita por meio de um aterro, o istmo de Cotai), Macau ficou com a superfície total de 28,6 km². Situa-se na costa meridional da República Popular da China, a oeste da foz do rio das Pérolas e a 60 km de Hong Kong, que se encontra aproximadamente a leste de Macau. Faz fronteira a norte e a oeste com a Zona Económica Especial de Zhuhai, logo é adjacente à província de Guangdong.[12]

Macau tem cerca de 538 mil habitantes, sendo a esmagadora maioria de etnia chinesa.[4] Foram feitos muitos aterros na foz do rio das Pérolas para conseguir mais espaços de construção.

Desde 20 de dezembro de 1999, o nome oficial de Macau é "Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China" (RAEM). Após o estabelecimento da RAEM, Macau atua sob os princípios do Governo Popular Central da RPC de "um país, dois sistemas", da "Administração de Macau pela Gente de Macau" e de "Alto Grau de Autonomia", gozando por isso de um estatuto especial, semelhante ao de Hong Kong, e possuindo consequentemente um elevado grau de autonomia, limitado apenas no que se refere às suas relações exteriores e à defesa. Foi também garantido pela RPC a preservação do seu sistema económico-financeiro e das suas especificidades durante pelo menos cinquenta anos, isto é, pelo menos até 2049.[13][14][15]

Etimologia

Antes da colonização portuguesa ocorrida no início do século XVI, Macau era conhecida como Hou Keng ("Ostra Espelho") ou Keng Hoi ("Mar de Espelho").[16] O seu nome chinês (Ou Mun), que, à letra, significa "Porta da Baía", parece ter origem no facto de a península de Macau ser habitada, antes da chegada dos portugueses, por várias povoações de pescadores e alguns camponeses chineses vindos das províncias de Fujian e Cantão. O seu nome português (Macau) parece ter origem num dos primeiros locais de desembarque dos navegadores portugueses, a Baía de A-Má (em cantonês, "A-Ma Kong"), nome esse que se deve à existência nessa baía de um templo em homenagem à deusa A-Má. A-Ma Gao se tornaria, Amacao, Macao e, por fim, Macau.[17]