Luxemburgo
English: Luxembourg

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Luxemburgo (desambiguação).
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Groussherzogtum Lëtzebuerg
Grand-Duché de Luxembourg
Großherzogtum Luxemburg

Grão-Ducado do Luxemburgo
Bandeira do Luxemburgo
Brasão de armas do Luxemburgo
BandeiraBrasão de armas
Lema: Mir wëlle bleiwe wat mir sin (do luxemburguês: Queremos permanecer o que somos)
Hino nacional: Ons Hémécht
Gentílico: luxemburguês

Localização de Luxemburgo

Localização de Luxemburgo (em vermelho)
Localização na União Europeia (em branco)
Localização na Europa (em cinza)
CapitalLuxemburgo
49°36 N 6°8 E
Cidade mais populosaLuxemburgo
Língua oficialluxemburguês, francês e alemão
Governomonarquia constitucional
 - Grão-duqueHenrique
 - Primeiro-ministroXavier Bettel
 - Vice primeiro-ministroEtienne Schneider
IndependênciaHistória 
 - do Império Francês (Tratado de Paris)9 de junho de 1815 
 - 1º tratado de Londres19 de abril de 1839 
 - 2º tratado de Londres11 de maio de 1867 
 - União pessoal23 de novembro de 1890 
Entrada na UE25 de março de 1957 (membro co-fundador)
Área 
 - Total2 586 km² (166.º)
 - Água (%)desprezível
População 
 - Estimativa para 2018602 005[1] hab. (164.º)
 - Densidade186 hab./km² (45.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2018
 - TotalUS$ 67 bilhões (94.º)
 - Per capitaUS$ 110,870 (1.º)
IDH (2017)0,904 (21.º) – muito alto[2]
MoedaEuro¹ (EUR)
Fuso horário(UTC+1)
 - Verão (DST) (UTC+2)
Climatemperado
Org. internacionaisONU, OMC, Conselho da Europa, OTAN, UE
Cód. ISOLUX
Cód. Internet.lu
Cód. telef.+352
Website governamentalgouvernement.lu

Mapa de Luxemburgo

¹ antes de 1999: franco luxemburguês

Luxemburgo, oficialmente Grão-Ducado do Luxemburgo[3][4] ou de Luxemburgo[Nota 1][5][6][7] (em luxemburguês: Groussherzogtum Lëtzebuerg, em francês: Grand-Duché de Luxembourg, em alemão: Großherzogtum Luxemburg), é um pequeno Estado soberano situado na Europa Ocidental, limitado pela Bélgica, França e Alemanha. Luxemburgo tem uma população de pouco mais de meio milhão de pessoas[8] e uma área de aproximadamente 2586 km².[9]

Sendo uma democracia representativa parlamentar com um grão-duque como monarca constitucional, Luxemburgo é o único grão-ducado ainda existente. O país tem uma economia altamente desenvolvida, com um dos maiores PIB per capita do mundo.[9] A sua importância histórica e estratégica remonta aos tempos da sua fundação, como uma fortaleza romana, no início da Idade Média. Foi um importante bastião espanhol enquanto a Espanha foi a principal potência europeia, influenciando todo o hemisfério ocidental e para além dos séculos XVI e XVII.

Luxemburgo é um membro fundador da União Europeia, NATO, OCDE, ONU, Benelux e da União da Europa Ocidental, o que reflete o consenso político em favor da coesão econômica, política e integração militar. A Cidade de Luxemburgo, a capital e maior cidade, é sede de várias instituições e da União Europeia.

Luxemburgo está no ponto de encontro entre a Europa Românica e a Europa Germânica, empregando costumes de cada uma das diferentes tradições. Trata-se de um país trilíngue, onde o alemão, o francês e o luxemburguês são línguas oficiais. Embora seja um Estado laico, a religião predominante no país é o catolicismo.

História

Ver artigo principal: História de Luxemburgo

A história de Luxemburgo começa com a aquisição de Lucilinburhuc[10] (hoje Castelo de Luxemburgo) por Siegfried, conde de Ardenas, em 963. Em torno desta fortaleza, localizada num promontório, uma cidade foi desenvolvida gradualmente, que se tornou o centro de um pequeno estado de grande valor estratégico. Nos séculos XIV e XV os três primeiros membros da Casa de Luxemburgo reinaram sucessivamente como Imperador Romano-Germânico. Em 1437, a Casa de Luxemburgo sofreu uma crise sucessória, precipitada pela falta de um herdeiro masculino para assumir o trono, que levou a venda do território para Filipe III de Borgonha.[11] Nos séculos seguintes, a fortaleza de Luxemburgo foi continuamente ampliada e reforçada pelos seus sucessivos ocupantes, das casas dos Bourbons, Habsburgo, Hohenzollern e da França, entre outros. Após a derrota de Napoleão em 1815, Luxemburgo foi disputada entre o Reino da Prússia e os Países Baixos. O Congresso de Viena formou o Grão-Ducado de Luxemburgo, em sua união com a Holanda. Luxemburgo também se tornou um membro da Confederação Germânica, como uma fortaleza confederada ocupada por tropas prussianas.[12]

A Revolução Belga de 1830-1839 reduziu o território de Luxemburgo por mais da metade, enquanto os predominantemente francófonos da parte ocidental do país foram transferidos para a Bélgica. A independência de Luxemburgo foi reafirmada em 1839 pelo Primeiro Tratado de Londres. No mesmo ano, Luxemburgo juntou-se a Zollverein.[13] A independência e neutralidade de Luxemburgo foram novamente afirmada pelo Segundo Tratado de Londres em 1867, após a Crise de Luxemburgo, que quase levou à guerra entre a Prússia e a França.[14] Depois do último conflito, a fortaleza da confederação foi desmantelada.[15] O Rei dos Países Baixos se manteve Chefe de Estado, bem como Grão-Duque do Luxemburgo, mantendo sua união entre os dois países até 1890. Com a morte de Guilherme III, o trono holandês passou a sua filha Guilhermina, enquanto em Luxemburgo (tempo em que o trono era restrito aos herdeiros do sexo masculino pelo Pacto da Família Nassau) passou a Adolfo de Nassau-Weilburg.[16]

Luxemburgo foi invadido e ocupado pela Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial, mas foi autorizado a manter a sua independência e mecanismos políticos. Foi novamente invadido e sujeito à ocupação alemã na Segunda Guerra Mundial em 1940, e foi formalmente anexada ao Terceiro Reich, em 1942.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Luxemburgo abandonou sua política de neutralidade, quando se juntou aos Aliados na luta contra a Alemanha. Seu governo, exilado em Londres, criou um pequeno grupo de voluntários que participaram na invasão da Normandia. Tornou-se um membro fundador da Organização das Nações Unidas em 1946 e da NATO em 1949. Em 1957, Luxemburgo tornou-se um dos seis países fundadores da Comunidade Econômica Europeia (mais tarde União Europeia), e em 1999, aderiu ao euro. Em 2005, um referendo sobre o tratado da UE, que estabelece uma constituição para a Europa, teve lugar em Luxemburgo.[17]