Lesoto
English: Lesotho

Kingdom of Lesotho (inglês)
'Muso oa Lesotho (soto do sul)

Reino do Lesoto
Bandeira do Lesoto
Brasão do Lesoto
BandeiraBrasão de armas
Lema: "Khotso, Pula, Nala"
(em português: Paz, Chuva, Prosperidade)
Hino nacional: Lesotho Fatse La Bontat'a Rona
Gentílico: lesotiano;[1]
lesotense;[2]
lesoto[2]

Localização Lesoto

CapitalMaseru
29° 18' S 27° 28' E
Cidade mais populosaMaseru
Língua oficialSesotho e Inglês
GovernoMonarquia constitucional
 - ReiLetsie III
 - Primeiro-ministroTom Thabane
Independênciado Reino Unido 
 - Data4 de outubro de 1966 
Área 
 - Total30.355 km² (137.º)
 FronteiraÁfrica do Sul (enclave)
População 
 - Estimativa para 20162,170,974 [3] hab. (142.º)
 - Densidade68,1 hab./km² 
PIB (base PPC)
 - TotalUS$ 5,106 bilhões (147.º)
 - Per capitaUS$ 2.700 
IDH (2017)0,520 (159.º) – baixo[4]
MoedaLoti (LSL)
Fuso horário(UTC+2)
Cód. Internet.ls
Cód. telef.+266

Mapa Lesoto

Lesoto ou Lessoto[5] (oficialmente Reino do Lesoto; em inglês Kingdom of Lesotho) é um pequeno país da África Austral. Um enclave incrustado na África do Sul, montanhoso e sem saída para o mar, o país é o antigo reino da Bassutolândia, um dos países etnicamente mais homogêneos da África: 99% de sua população é da etnia basotho. O país vive da agricultura e criação de ovelhas na cordilheira do Drakensberg, que domina a maior parte do território e atingem mais de 3 mil metros de altitude. É bastante dependente da África do Sul; o dinheiro enviado por seus cidadãos empregados nas minas e fábricas sul-africanas representa 26% do PIB.

História

Ver artigo principal: História do Lesoto

No século XVI os basothos se estabeleciam na região da Transvaal (hoje África do Sul), em decorrência de conflitos com a etnia zulu.

No século XIX, os habitantes da Bassutolândia travam guerras contra os bôeres. Em 1869 o Lesoto passa a ser protetorado do Reino Unido, e se converte em colônia em 1884.

Em 1966 o país se torna independente, sob o nome de Reino do Lesoto. O chefe Moshoeshoe II assume seu reinado. A partir da década de 1970, o Lesoto dá asilo político a muitos sul-africanos contrários ao regime de segregação racial do país, o Apartheid. O general Justin Lekhanya dá um golpe em 1986, assumindo a chefia do governo e, quatro anos depois, depõe o rei Moshoeshoe II e o substitui por seu filho, o príncipe Letsie. O general é deposto em 1991 e, em 1995, Letsie renuncia, levando Moshoeshoe a reassumir o trono. Com a morte do rei, em 1996, seu filho volta ao poder, agora como Letsie III. Eleições gerais realizadas em maio de 1998 dão vitória ao partido governista Congresso para a Democracia de Lesoto (LCD), que obtém 78 das 80 cadeiras da Assembleia Nacional, e elege seu líder Bethuel Pakalitha Mosisili para primeiro-ministro. A oposição alega fraude e protesta. A escalada de manifestações, nos meses seguintes, leva, em setembro, à intervenção militar da África do Sul, que envia 600 soldados ao país, e de Botsuana, que participa com 300 soldados. A ação militar, requisitada por Mosisili sem conhecimento do rei Letsie III - que é impedido pelo primeiro-ministro de falar à população -, deixa aproximadamente 110 mortos e prejuízo de US$ 10 milhões.