Leon Trótski

Leon Trotski
Лев Дави́дович Тро́цкий
c. 1921
Nascimento7 de novembro de 1879
Ianovka, Ucrânia
Rússia Império Russo
Morte21 de agosto de 1940 (60 anos)
Coyoacán, Distrito Federal
 México
NacionalidadeUnião das Repúblicas Socialistas Soviéticas Soviético
CônjugeAleksandra Sokolovskaya
Natália Sedova
OcupaçãoPresidente do Soviete de Petrogrado (8 de outubro – 8 de novembro de 1917)
Membro do Politburo da União Soviética
CargoMinistro de assuntos Navais e de Defesa da União Soviética (1918-1925)
ReligiãoAteu[1]
Assinatura
Leon Trotsky Signature.svg

Leon Trótski[nota 1] (nascido Lev Davidovich Bronstein;[2] Ianovka, 7 de novembro de 1879Coyoacán, 21 de agosto de 1940) foi um intelectual marxista e revolucionário bolchevique, organizador do Exército Vermelho e, após a morte de Lenin, rival de Stalin na disputa pela hegemonia do Partido Comunista da União Soviética (PCUS). Tornou-se figura central da vitória bolchevique na Guerra Civil Russa (1918–1922).[3]

Nos primeiros tempos da União Soviética, Trótski desempenhou um importante papel político, primeiro como Comissário do Povo (Ministro) para os Negócios Estrangeiros; posteriormente, como organizador e comandante do Exército Vermelho e fundador e membro do Politburo do PCUS, fundado em 1917 para gerenciar a Revolução Bolchevique.[4]

Afastado do controle do partido por Stalin, Trótski foi expulso deste e exilado da União Soviética, refugiando-se no México, onde veio a ser assassinado por Ramón Mercader, agente da polícia de Stalin.[5][nota 2] As suas ideias políticas, expostas numa obra escrita de grande extensão, deram origem ao trotskismo, corrente ainda hoje importante no marxismo.

Primeiros anos

Trótski nasceu numa pequena localidade do óblast de Kherson na atual Ucrânia, sendo o quinto filho de Anna (1850 - 1910) e David Leontyevish Bronstein ou Bronshtein (1847 - 1922), um humilde lavrador de origem judaica que havia aproveitado os esquemas de colonização tsaristas na Crimeia para abandonar a área tradicional de residência autorizada aos judeus (o "pálio") e converter-se num próspero, ainda que iletrado, fazendeiro.

Embora a família fosse de origem judaica, não era religiosa; em casa, falava-se russo ou ucraniano e não iídiche. Aos nove anos, foi para Odessa, a fim de prosseguir seus estudos numa escola tradicional alemã que, ao longo dos anos em que Trótski ali permaneceu, passou pelo processo de russificação,[6] conforme a política czarista da época.

Um bom aluno, Trótski revelava já um temperamento de líder, organizando um protesto contra um professor impopular no 2º ano. Não mostrou, contudo, grande interesse pela política nem pelo socialismo até 1896, quando se mudou para Nikolaev, onde cumpriu seu último ano de estudos secundários. Posteriormente cursou Matemática por um breve período na Universidade Nacional de Odessa.

Sua irmã Olga viria a se casar com Lev Kamenev, um dos principais líderes bolcheviques e membro do triunvirato liderado por Stálin, que afastaria o próprio Trótski do poder, sendo também afastado posteriormente.[2]