Líbano
English: Lebanon

الجمهورية اللبنانية
(Al-Jumhūrīyyah al-Lubnānīyyah)

República do Líbano
Bandeira do Líbano
Brasão de armas do Líbano
BandeiraBrasão de Armas
Hino nacional: النشيد الوطني اللبناني (Koullouna
Lilouataan Lil Oula Lil Alam - "Todos pela
Pátria, a Glória, a Bandeira"
)
Gentílico: libanês(a)

Localização República do Líbano

Capital35° 32' E
Cidade mais populosaBeirute
Língua oficialÁrabe[1]
Língua não-oficialFrancês [2] [3]
GovernoRepública parlamentarista[4]
 - PresidenteMichel Aoun
 - Primeiro-ministroSaad Hariri
 - Presidente do ParlamentoNabih Berri
Independênciada França 
 - Declarada26 de novembro de 1941 
 - Reconhecida22 de novembro de 1943 
Área 
 - Total10 400 km² (161.º)
 - Água (%)1,6
 FronteiraSíria (N e E),Israel (S) e Chipre (O)
População 
 - Estimativa para 20156 184 701 [5] hab. (112.º)
 - Densidade560 hab./km² (21.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 77,403 bilhões*[6] (84.º)
 - Per capitaUS$ 17 326[6] (67.º)
PIB (nominal)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 45,019 bilhões*[6] (86.º)
 - Per capitaUS$ 10 077[6] (67.º)
IDH (2017)0,757 (80.º) – alto[7]
MoedaLibra libanesa (LBP)
Fuso horário(UTC+2)
 - Verão (DST) (UTC+3)
ClimaMediterrânico
Org. internacionaisONU, OMC, OCI, Liga Árabe, Francofonia
Cód. ISOLBN
Cód. Internet.lb
Cód. telef.+961
Website governamentalhttp://www.dawlati.gov.lb/

Mapa República do Líbano

1 O idioma oficial é o árabe, e o francês é utilizado na justiça, em casos especiais, conforme ao artigo 11.º da constituição. Ao lado do francês o inglês é amplamente difundido entre a população. Também há comunidades menores de falantes de castelhano, italiano, alemão e português (no vale do Beqaa), entre outros.[8]

Líbano (em árabe: لُبْنَان; transl.: Lubnān, pronúncia em árabe libanês[lɪbˈneːn]; em francês: Liban, pronunciado: [libɑ̃]; em aramaico: לבנאנ), oficialmente República do Líbano[nota 1] (em árabe: اَلْجُمْهُورِيَّة اَللُّبْنَانِيَّة Al-Jumhūrīyah Al-Loubnānīyah, pronunciado: [elˈʒʊmhuːɾɪjje l.ˈlɪbneːnɪjje]), é um país localizado na extremidade leste do mar Mediterrâneo, na Ásia Ocidental, numa região que faz ligação entre esse continente e a Europa. Faz fronteira com a Síria ao norte e a leste e com Israel ao sul e a oeste com Chipre pelo mar Mediterrâneo. No cruzamento da bacia do Mediterrâneo, o Líbano é uma das regiões de antigas civilizações, como fenícios, assírios, persas, gregos, bizantinos e turcos otomanos, sendo que sua rica história formou a identidade cultural única em diversidade étnica e religiosa do país.[9]

Os primeiros indícios de civilização no Líbano remontam há mais de 7 000 anos de história registrada.[10] O Líbano foi o local de origem dos fenícios, uma cultura marítima que floresceu durante quase 2 500 anos (3 000-539 a.C.). Após o colapso do Império Otomano após a Primeira Guerra Mundial, as cinco províncias que compõem o Líbano moderno ficaram sob mandato da França. O Líbano estabeleceu um sistema político único em 1942, conhecido como confessionalismo, um mecanismo de partilha de poder com base em comunidades religiosas.[11] Foi criado quando os franceses expandiram as fronteiras do monte Líbano, que era maioritariamente habitado por católicos maronitas e drusos, para incluir mais muçulmanos. O país ganhou a independência em 1943, e as tropas francesas se retiraram em 1946.

Antes da Guerra Civil Libanesa (1975-1990), o país vivia um período de relativa calma e prosperidade, impulsionada pelo turismo, agricultura e serviços bancários.[12] Por causa de seu poder financeiro e diversidade, o Líbano era conhecido em seu auge como o "Suíça do Oriente".[13] O país atraiu um grande número de turistas,[14] tal que a capital Beirute era referida como "Paris do Oriente Médio". No final da guerra, houve grandes esforços para reanimar a economia e reconstruir a infra-estrutura do país.[15]

Até julho de 2006, o Líbano desfrutou de uma estabilidade considerável, a reconstrução de Beirute estava praticamente concluída[16] e um número crescente de turistas se hospedavam nos resorts do país.[14] Em seguida, a guerra de 2006 entre Israel e o Hezbollah causou a morte de civis e pesados e significativos danos na infraestrutura civil do Líbano. O conflito durou de 12 de julho daquele ano até um cessar-fogo patrocinado pela ONU em 14 de agosto.[17]

Etimologia

O nome Líbano origina-se do semítico lbn (لبن), que significa "branco", provavelmente uma referência à neve que cobre o monte Líbano.[18]

Ocorrências do nome foram encontrados em diferentes textos da biblioteca de Ebla (que data do terceiro milênio aC),[19] cerca de 70 vezes na Bíblia hebraica e em três das doze tábuas da Epopeia de Gilgamesh (escrito em 2100 aC).[20] O nome é registrado no Antigo Egito como Rmnn.[21]