João I de Portugal

João I
Rei de Portugal e Algarve
Reinado6 de abril de 1385
a 14 de agosto de 1433
Coroação6 de abril de 1385
Antecessor(a)Fernando I
Sucessor(a)Duarte I
 
EsposaFilipa de Lencastre
DescendênciaBranca de Portugal I
Afonso, Herdeiro de Portugal
Duarte I de Portugal
Pedro, Duque de Coimbra
Henrique, Duque de Viseu
Isabel, Duquesa de Borgonha
Branca de Portugal II
João, Condestável de Portugal
Fernando O Infante Santo
Afonso I, Duque de Bragança
Branca de Portugal III
Beatriz, Condessa de Arundel
CasaAvis
Nascimento11 de abril de 1357
 Lisboa, Portugal
Morte14 de agosto de 1433 (76 anos)
 Lisboa, Portugal
EnterroMosteiro da Batalha, Batalha, Leiria, Portugal
PaiPedro I de Portugal
MãeTeresa Lourenço
ReligiãoCatolicismo

João I de Portugal (Lisboa, 11 de abril de 1357 – Lisboa, 14 de agosto de 1433), conhecido como o Mestre de Avis e apelidado de "o de Boa Memória", foi o rei de Portugal e dos Algarves de 1385 até sua morte, sendo o primeiro monarca português da Casa de Avis. Era o filho ilegítimo do rei D. Pedro I de Portugal com uma senhora comum chamada Teresa Lourenço, sendo escolhido e aclamado como rei durante a Crise de 1383–1385.

Com o apoio do condestável do reino, Nuno Álvares Pereira, e aliados ingleses travou a Batalha de Aljubarrota contra o Reino de Castela, que invadira o país. A vitória foi decisiva: Castela retirou-se, acabando bastantes anos mais tarde por o reconhecer oficialmente como rei. Para selar a aliança Luso-Britânica casou com Filipa de Lencastre, filha de João de Gante, 1º Duque de Lencastre (de segunda criação), dedicando-se desde então ao desenvolvimento do reino.

Em 1415, conquistou Ceuta, praça estratégica para a navegação no norte de África, o que iniciaria a expansão portuguesa. Aí foram armados cavaleiros os seus filhos D. Duarte, D. Pedro e D. Henrique, irmãos da chamada ínclita geração.

Criança

D. João era filho ilegítimo (natural) do rei D. Pedro I e de D. Teresa Lourenço, uma dama galega (Ms. 352 do Arquivo Nacional da Torre do Tombo da Crónica de el-rei D. Pedro I, de Fernão Lopes) ou de uma filha de Vasco Lourenço da Praça, um mercador de Lisboa, segundo D. António Caetano de Sousa, e que fez eco noutros conceituados historiadores contemporâneos como Maria Helena Cruz Coelho e o olisipógrafo José Sarmento de Matos[1]. Em 1364, foi consagrado Grão-Mestre da Ordem de Avis.