Intestino grosso

Intestino grosso
Gray1223.png
Parte frontal do abdomen mostrando as marcações superficiais do fígado, estômago e intestino grosso.
Latimintestinum crassum
Grayassunto #249 1177
SistemaSistema digestivo

O intestino grosso (simplificadamente e erroneamente chamado de cólon) é a parte final do tubo digestivo. É responsável pelo importante processo de absorção da água, o que determina a consistência do bolo fecal. Possui uma rica flora bacteriana.[1]

As funções do intestino grosso são as seguintes: absorção de água e de certos eletrólitos; síntese de determinadas vitaminas pelas bactérias intestinais (e.g. a vitamina K;[2] armazenagem temporária dos resíduos; eliminação de resíduos do corpo (defecação).[3]

Possui aproximadamente um metro e meio e nele distinguem-se três partes: o ceco, o cólon e o reto.[1] O ceco é onde desemboca o intestino delgado, e onde se localiza um prolongamento em forma de tubo, o apêndice vermiforme.[1] O cólon subdivide-se em quatro partes:[3] cólon ascendente ou direito; cólon transverso que atravessa a cavidade abdominal da direita para a esquerda; o cólon descendente ou esquerdo; e o cólon sigmoide. O reto, que vai comunicar o cólon com o exterior através do orifício anal (ânus), apresenta uma dilatação chamada ampola retal, cujo alargamento (pelas fezes) desencadeia o ato de defecação. O ânus encontra-se fechado por um músculo chamado esfíncter anal, situado à sua volta, em forma de anel. No intestino grosso são acumulados os resíduos da digestão, as fezes, sendo-lhes absorvida a água antes de passarem à ampola retal.

O intestino grosso absorve a água com grande rapidez: em cerca de 14 horas, o material alimentar toma a consistência típica do bolo fecal.[3]

Doenças

Quando há falhas no processo de absorção da água, desencadeadas por viroses, ingestão de alimentos estragados, etc., ocorre a diarreia.[1] Neste caso a absorção não está sendo realizada com eficiência, sendo necessário que o indivíduo beba bastante água para manter o organismo hidratado.[1]

O câncer do intestino grosso é um dos tipos de câncer mais comuns do mundo ocidental, junto com o de pulmão e de mama. É o quinto tipo mais prevalente no Brasil e o segundo na região sudeste.[4]