Império Sérvio



Српско Царство
Srpsko Carstvo

Império da Sérvia
Flag of Serbia 1281.svg
1346 – 1371

Bandeira de Império Sérvio

Brasão

Localização de Império Sérvio
Extensão máxima do Império Sérvio na Europa e na bacia mediterrânea
ContinenteEuropa
RegiãoBalcãs
CapitalEscópia, depois Prizren
Língua oficialSérvio antigo
ReligiãoIgreja Ortodoxa Sérvia
GovernoMonarquia
Imperador
 • 1346-1355Estêvão Uresis IV (primeiro)
 • 1355-1371 (último)
Período históricoIdade Média
 • 1346Coroação de Estêvão Duchan
 • 1371Colapso do império
MoedaPerper sérvio
Precedido por
Sucedido por
Flag of Serbia 1281.svgReino da Sérvia (medieval)
Sérvia MoráviaCoatOfArmsOfLazarPripcevicHrebeljanovic.png
Distrito de BrankovićBrankovic small COA.jpg
Principado de ZetaBalsic small COA.jpg
Reino de PrilepMrnjavcevic small COA.jpg
Despotado de VelebusdoBlank.png
Despotado do EpiroGrb Nemanjica mini transparent.png
Nikola AltomanovićVojinovic small COA.jpg

O Império Sérvio (em sérvio: Српско Царство - Srpsko Carstvo), ou Império da Sérvia, foi um império medieval de curta duração formado na península Balcânica como sucessor do Reino da Sérvia. Ele foi fundado em 1346 pelo rei Estêvão Uresis IV, que expandiu significativamente o seu território. Ele também elevou a Igreja Sérvia ao status de patriarcado. Seu filho e sucessor, , perdeu quase tudo o que o pai conquistou (e daí o epíteto). O Império Sérvio terminou definitivamente com a sua morte em 1371 e a desintegração do estado. Alguns dos sucessores de Estêvão em partes da Sérvia chegaram a reivindicar o título de imperador e mantiveram a alegação até 1402.

História

Ver artigo principal: História da Sérvia

Em 1331, Estêvão Uresis IV tornou-se o rei da Sérvia ao depor e assassinar o seu pai, Estêvão Uresis III. Já em 1345, Duchan, "o Poderoso", havia expandido o território da Sérvia a ponto de ele cobrir metade dos Balcãs - um território maior que o dos vizinhos, o Império Bizantino e o Império Búlgaro. Por conta disso, em Serres, Duchan se autoproclamou "tsar" ("imperador", derivado do título romano césar).

Em 16 de abril de 1346, em Escópia, ele se fez coroar " Imperador dos sérvios e gregos" - um título que implicava numa reivindicação ao trono bizantino. A cerimônia foi realizada pelo recém-proclamado patriarca da Sérvia Joanikie II com a ajuda do patriarca da Bulgária, Simeão, e Nicolau, arcebispo de Ácrida.

Duchan criou uma série de leis conhecidas como " Código de Duchan" entre 1349 e 1354. O código era baseado no direito romano-bizantino e na primeira constituição sérvia - o Nomocano de São Sava (1219). Tratava-se de um código civil e canônico (baseado nos cânones dos concílios ecumênicos) que regulava o funcionamento do estado e da Igreja Sérvia. O Império Sérvio floresceu e tornou-se um dos mais desenvolvidos estados da Europa.

O novo imperador também dobrou o tamanho de seu antigo reino, expandindo para o sul, sudeste e leste às custas do Império Bizantino. Duchan jamais lutou uma única batalha pessoalmente, preferindo expandir-se através de cercos. Ele foi sucedido por seu filho, Estêvão Uresis V, dito "o Fraco", um termo que poderia aplicar-se também ao estado do império, que decaía lentamente para a anarquia feudal. A combinação de uma repentina conquista, administração retrógrada e o fracasso em consolidar o controle nos novos territórios levou à fragmentação do estado sérvio. Este foi um período marcado também pela ascensão de uma nova ameaça: o Império Otomano, que gradualmente vinha se expandindo da Ásia para a Europa e conquistando a Trácia bizantina primeiro e, em seguida, diversos outros estados balcânicos. Incompetente demais para gerir o grande império criado pelo pai, Estêvão V não conseguiu nem repelir os ataques inimigos e nem combater a crescente independência de seus próprios nobres. O Império Sérvio sob o controle de Estêvão se fragmentou num conglomerado de principados, alguns dos quais não reconheciam sua autoridade nem sequer de forma nominal. O imperador morreu sem filhos em 4 de dezembro de 1371 depois de a maior parte da nobreza sérvia ter sido assassinada na Batalha de Maritsa pelos exércitos otomanos.