Ilhas Marshall

Aolepān Aorōkin M̧ajeļ (marshalês)
Republic of the Marshall Islands (inglês)

República das Ilhas Marshall
Bandeira das Ilhas Marshall
Brasão de Armas das Ilhas Marshall
BandeiraBrasão de armas
Lema: "Jepilpilin ke ejukaan"
("Realizações mediante um esforço comum")
Hino nacional: Forever Marshall Islands ("Para sempre Ilhas Marshall" )
Gentílico: marshallino[1][2][3], marshalino[4] ou marshalês

Localização das Ilhas Marshall

Localização das Ilhas Marshall no Pacífico
Capital171° 16' E
Cidade mais populosaMajuro (24.000)
Língua oficialMarshalês e inglês
GovernoRepública parlamentarista
 - PresidenteHilda Heine
 - Presidente do ParlamentoKenneth Kedi
Independênciados Estados Unidos 
 - Data21 de outubro de 1986 
Área 
 - Total181,4 km² (187.º)
 - Água (%)Insignificante
População 
 - Estimativa para 200962.000 hab. (205.º)
 - Censo 200356,429 hab. 
 - Urbana67% hab. (205.º)
 - Densidade358 hab./km² (20.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2007
 - TotalUS$ 115 milhões (220.º)
 - Per capitaUS$ 2.900 (195.º)
IDH (2017)0,708 (106.º) – alto[5]
MoedaDólar americano (USD)
Fuso horárioUTC +12
 - Verão (DST)vários
Climaequatorial
Cód. Internet.mh
Cód. telef.+692
Website governamental[1]

Mapa das Ilhas Marshall

As Ilhas Marshall (em inglês: Marshall Islands, pronunciado: [ˈmɑrʃəl ˈaɪləndz] (Sobre este somescutar ); em marshalês: Aelōñin M̧ajeļ, pronunciado: [ɑ̯ɑ͡ɒo̯o͡ɤrˠɤɡɯ͡inʲ mˠɑɑ̯zʲɛ͡ʌɫ]), oficialmente República das Ilhas Marshall (em inglês: Republic of the Marshall Islands; em marshalês: Aolepān Aorōkin M̧ajeļ), são um país da Micronésia, cujos vizinhos mais próximos são Quiribáti, a sul, os Estados Federados da Micronésia, a oeste, e a Ilha Wake, pertencente aos Estados Unidos, a norte.

Embora independente, o país desfruta de uma "livre associação" com os EUA, que são responsáveis pela segurança e pela defesa das Ilhas Marshall.

A moeda oficial do país é o dólar, e as línguas oficiais são o inglês e o marshalês.[6] O atol mais populoso é Majuro, que serve igualmente como capital do país. Mais de 90% da população é composta por marshallinos étnicos, a maioria dos quais professam religiões neopentecostais, pertencendo à Igreja Unida de Cristo ou a Assembleias de Deus.

O nome do país provém do explorador britânico John Marshall.

História

Ver artigo principal: História das Ilhas Marshall

Embora as Ilhas Marshall tenham sido povoadas por micronésios no segundo milénio a.C., pouco se sabe da história primitiva das ilhas.

Chegada dos europeus

O explorador espanhol Alonso de Salazar foi o primeiro europeu a avistar as Ilhas Marshall em 1526, mas as ilhas permaneceram virtualmente sem ser visitadas durante vários séculos, até à chegada do capitão inglês John Marshall em 1788, que deu o seu nome às ilhas.[7]

Uma companhia comercial alemã fixou-se nas ilhas em 1885, e alguns anos mais tarde as Ilhas Marshall tornaram-se parte do protetorado da Nova Guiné Alemã.

Primeira Guerra Mundial

Sob o controle do Império Alemão, o Japão conquistou as ilhas na Primeira Guerra Mundial e passou a administrá-las sob mandato da Liga das Nações quando a Alemanha renunciou a todas as suas posses no Pacífico.

Ao contrário do Império Alemão, que tinha interesses econômicos principalmente na Micronésia o Japão queria utilizar as ilhas para aumentar seu território e conter a super população do país. O Japão deixou a Liga das Nações em 27 de Março de 1933 mas mesmo assim continuou a administrar o local.

Segunda Guerra Mundial

Na Segunda Guerra Mundial, durante a Gilbert and Marshall Islands campaign na Batalha de Taraua, os Estados Unidos invadiram as ilhas (1944) e, depois da derrota do Japão, começou a administrá-las dentro do Território Fiduciário das Ilhas do Pacífico. Durante a batalha, as ilhas sofreram danos gigantescos e, em consequência, uma grande escassez de alimentos.

Depois da Segunda Guerra

Teste nuclear nas Ilhas Marshall no "Pacific Test Site" ("Locais de teste do Pacífico").

Os Estados Unidos começaram a realizar testes nucleares nas ilhas entre 1946 e 1958, prolongando-os até à década de 1960. Devido aos testes, muitos marshaleses adoeceram com elevados níveis de radiação, e até hoje há pedidos de compensação. No atol de Bikini, por exemplo, todos os alimentos que são de sua origem têm altos níveis de radiação, o que causou a desabitação da ilha.

Em 1979, foi estabelecida a República das Ilhas Marshall, e foi assinado um Tratado de Livre Associação com o governo dos Estados Unidos, que se tornou efectivo em 1986.