Ilha de Ascensão

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde janeiro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a ilha. Para o episódio litúrgico cristão, veja Ascensão de Jesus.

A ilha de Ascensão é uma pequena ilha britânica no oceano Atlântico Sul, constituinte do território britânico ultramarino de Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha. Muito isolada, o seu vizinho mais próximo é Santa Helena, cerca de 1 300 km para sudeste, seguindo-se a costa da Libéria, cerca de 1 700 km para nordeste. A oeste, a porção de terra mais próxima no continente sul-americano é a Ponta do Funil, localizada no município brasileiro de Goiana, no estado de Pernambuco. A distância entre Ascensão e a Ponta do Funil é de 2 249 km. Levando-se em consideração as ilhas oceânicas do Brasil, as distâncias são de 1 923,9 km até o arquipélago de São Pedro e São Paulo; de 2 039,7 km até a ilha Rata, em Fernando de Noronha; e de 2 079,9 km até a ilha Martim Vaz, no Arquipélago de Trindade e Martim Vaz.

A ilha de Ascensão é uma das ilhas mais estrategicamente localizadas do mundo, sendo que a base aérea da Força Aérea Real do Reino Unido existente na ilha (Base Aérea da Ilha de Ascensão), serve de base para as operações militares dos Estados Unidos e do Reino Unido no Atlântico Sul, na América do Sul e na África. Além disso, a ilha de Ascensão abriga uma das cinco antenas responsáveis pela operação do Sistema de Posicionamento Global (GPS), além de uma das estações retransmissoras (em ondas curtas) da rádio BBC World Service, que é a maior emissora de rádio do mundo. Área: 88 km². Cidade principal: Georgetown.

Trata-se de uma das ilhas que se situa sobre a cordilheira submarina Dorsal Mesoatlântica. O seu ponto mais alto, de grande isolamento topográfico, é a Montanha Green, com 859 m de altitude.

História

A ilha foi descoberta em 1501 pelo navegador galego João da Nova, enquanto ao serviço de Portugal. João da Nova dirigia-se à Índia, tendo nessa viagem também descoberto a ilha de Santa Helena. O seu nome actual resulta da sua redescoberta por Afonso de Albuquerque no dia de Ascensão de 1505. Portugal nunca colonizou a ilha, só vindo a ser ocupada em 1815 pela marinha britânica.

Seca e estéril, a ilha tinha pouco interesse para os navegadores, exceto pela coleta de carne fresca. Os navegadores podiam caçar as numerosas aves marinhas e as enormes tartarugas verdes , que colocavam seus ovos nas praias. Os portugueses introduziram cabras na ilha como uma fonte potencial de alimento para futuros marinheiros.

Em 1836, o navio Beagle visitou a Ascensão. Charles Darwin descreveu-a como uma ilha árida sem árvores, onde nada crescia perto da costa. A vegetação dispersa no interior sustentava "cerca de seiscentas ovelhas, muitas cabras, algumas vacas e cavalos", um grande número de pintadas importadas das ilhas, ratos, e caranguejos; ele concordou com o ditado atribuído ao povo de Santa Helena: "Nós sabemos que vivemos numa rocha, mas os pobres da Ascensão vivem na cinza". Ele observou os cuidados feitos para sustentar "casas, jardins e campos colocados perto do cume da montanha central" e as cisternas nas estradas para fornecer água potável. As fontes foram cuidadosamente controladas, para que nem uma única gota de água se perdesse. Darwin assinalou a observação de René Primevère Lesson: "só a nação inglesa teria pensado em tornar a ilha da Ascensão um ponto produtivo, qualquer outra a teria mantido como uma mera fortaleza no oceano"[1].

Em 1843, o botânico e explorador Joseph Hooker visitou a ilha, e quatro anos depois, com muito encorajamento de Darwin, aconselhou a Royal Navy para, com a ajuda dos Kew Gardens, instituir um plano de longo prazo de embarque de árvores para a Ascensão. As árvores plantadas capturariam mais chuva e melhorariam o solo, permitindo que a ilha estéril se tornasse um jardim. Assim, a partir de 1850 e continuando ano após ano, os navios desembarcaram uma grande variedade de plantas de jardins botânicos da Argentina, Europa e África do Sul. No final da década de 1870, os pinheiros Norfolk, o eucalipto, o bambu e as bananeiras cresciam em profusão no ponto mais alto da ilha, Green Mountain, criando uma floresta de nuvens tropical.[2]