Horário de verão

Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Mapa do mundo. A Europa, a maior parte da América do Norte, partes do sul da América do Sul e o sudeste da Austrália, além de outros lugares, usam o horário de verão. A maior parte da África equatorial e alguns outros lugares próximos ao Equador nunca usaram-no. O resto das nações já usou, em algum momento, o horário de verão.
Embora não seja usado na maioria dos países, o horário de verão é comum no mundo ocidental.
  Usado
  Usado anteriormente
  Nunca usado

Horário de verão é a prática de adiantar os relógios em uma hora durante os meses do verão, com o objetivo de economizar energia nas regiões que mais recebem luminosidade solar. Tipicamente, a população de regiões que adotam a medida, avançam uma hora próximo ao início da primavera e retornam para o padrão no outono.

A ideia moderna do horário de verão foi proposta pelo neozelandês George Hudson em 1895. A Alemanha e a Áustria-Hungria organizaram a primeira implementação, começando em 30 de abril de 1916, durante a Primeira Guerra Mundial. Vários países usaram-no diversas vezes desde então, particularmente durante a crise da energia em 1970.

A prática recebeu tanto elogios quanto críticas. Adiantar os relógios traz benefícios para o varejo, os esportes, e outras atividades que exploram a luz do sol após a jornada de trabalho, mas pode trazer problemas para o entretenimento da tarde e para outras atividades ligadas diretamente à luz solar, como a agricultura. Mesmo que alguns dos primeiros proponentes do ato tenham pensado que o mesmo reduziria o uso de lâmpadas incandescentes durante a tarde, sendo a iluminação anteriormente o principal motivo da eletricidade, o clima moderno e os padrões de uso de aparelhos para refrigeração diferem bastante, e pesquisas em relação a como o horário de verão atualmente afetam o uso de energia têm sido limitadas e contraditórias.

As mudanças causadas pela medida às vezes complicam a cronometragem e podem atrapalhar viagens, faturamento, manutenção de registros, dispositivos médicos, equipamentos pesados e padrões de sono. O software dos dispositivos contemporâneos pode frequentemente alterar o horário por si só, mas as mudanças de políticas por várias jurisdições de datas e horários do horário de verão podem ser confusas.

Base lógica

As sociedades industrializadas geralmente seguem um cronograma baseado em relógios nas atividades do dia a dia que não mudam no decorrer do ano. O horário de início do trabalho e da escola, e a coordenação do transporte público, por exemplo, mantém-se constante no ano. Em contraste, as rotinas de trabalho e conduta pessoal dos agricultores são mais comumente governadas pela tempo em que a luz solar está visível[1][2] e pelo horário solar aparente, que pode mudar sazonalmente devido à inclinação axial da Terra. A luz do dia dos trópicos norte e sul dura mais no verão e menos no inverno, com o efeito tornando-se maior à medida que nos afastamos dos trópicos.

Ao sincronizadamente redefinir todos os relógios de uma região para uma hora adiante ao horário padrão, os indivíduos que seguem essa rotina vão acordar uma hora antes do que iriam de outro modo; eles vão iniciar e completar as rotinas de trabalho uma hora antes, e terão sessenta minutos extras da luz do dia após a jornada de trabalho.[3][4] No começo de cada dia, contudo, haverá uma hora de luz a menos, tornando a política menos prática durante o inverno.[5][6]