História da língua grega

História da
língua grega

(ver também: alfabeto grego)
P46.jpg

Proto-grego
Micênico (c. 1600–1000 a.C.)
Grego antigo (c. 1000–330 a.C.)
Dialetos:
eólico, arcado-cipriota, ático-jônico,
dórico, lócrio, panfílio;
grego homérico.
possivelmente macedônio.
Koiné (c. 330 a.C.–330 d.C.)*
Grego medieval (330–1453)
Grego moderno (a partir de 1453)
Dialetos:
capadócio, cretense, cipriota,
demótico, griko, catarévussa,
ievânico, pôntico, tsacônio


*Datas (começando com o grego antigo) de Wallace, D. B. (1996). Greek Grammar Beyond the Basics: An Exegetical Syntax of the New Testament. Grand Rapids: Zondervan. p. 12. ISBN 0310218950 

Esta artigo é uma visão geral da história do grego.

Origens

Ver artigo principal: Língua proto-grega

Existem diversas teorias a respeito da origem da língua grega. Uma delas sugere que ela teria se originado a partir da migração dos falantes do proto-grego para a península Grega, o que teria ocorrido entre 2500 e 1700 a.C.. Outra teoria sustenta que a migração para a Grécia teria ocorrido num período pré-proto-grego, durante o proto-indo-europeu tardio, e que as mudanças sonoras que caracterizam o grego teriam ocorrido posteriormente.

Linear B

A primeira escrita utilizada para grafar o grego foi o silabário Linear B (que só veio a ser decifrado posteriormente em 1953), usado com o arcaico dialeto micênico. Após a queda da Civilização Micênica, durante o colapso da Idade do Bronze, houve um período de cerca de quinhentos anos durante o qual a escrita não foi usada ou, se o foi, não sobreviveu aos dias de hoje. A partir do período clássico da Grécia Antiga, o idioma passou a ser escrito no alfabeto grego.